VER-O-FATO: A VENDA DE CRIANÇAS PARA SEXO NO MARAJÓ, OS ABUSOS E O DEPOIMENTO ESPECIAL

quinta-feira, 22 de junho de 2017

A VENDA DE CRIANÇAS PARA SEXO NO MARAJÓ, OS ABUSOS E O DEPOIMENTO ESPECIAL

O Pará concentra os maiores casos de abusos


Em 2010, um repórter da Rede Globo foi a Portel, um dos 16 municípios do arquipélago do Marajó, investigar a exploração sexual de crianças, e perguntou a uma senhora por quanto ela venderia sua filha de 17 anos. A resposta foi: R$ 700. Olhando para outra criança, de cerca de dez anos, o repórter perguntou quanto ela cobraria para ele e um amigo passarem a noite com a criança e a mulher respondeu que por R$ 10 ou duas cervejas.



Quem conta a estória é Dom José Luiz Azcona, bispo da Prelazia do Marajó, organismo que atua no combate da exploração sexual de crianças e adolescentes e do tráfico de pessoas no Pará e em Macapá (AP). “Há insuficiência de mecanismos de proteção para o público infanto-juvenil e quilombola nessas cidades. Em uma delas, o juiz deixou de atender a casos de abuso e exploração sexual infantil por 14 meses porque não havia promotor, e outra, com uma população de 20 mil habitantes, ficou sem delegado por oito anos”, diz Dom Azcona.


Melgaço é não somente a cidade mais pobre do Marajó como possui o menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do Brasil – 50% da população é analfabeta e mais da metade vive com renda per capita inferior a meio salário mínimo. Segundo o bispo, é muito comum encontrar em Melgaço crianças e adolescentes circulando entre os barcos, ambiente em que acontece a exploração sexual, muitas vezes em troca de restos de comida.


“Uma sociedade que não é capaz de, pelo menos, defender as suas crianças e os seus jovens não tem futuro nenhum e não tem mais sentido na história”, diz ele. Pois bem. Uma lei, sancionada em abril passado, já vem sendo adotada amplamente pelos juízes brasileiros com base na Recomendação 33/2010, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).


É a lei 13.431/2017, que trata do depoimento especial - uma técnica que passou a ser obrigatória - e consiste na escuta humanizada de crianças e adolescentes vítimas de abuso sexual. Ela começou a ser usada estrategicamente para o combate e a prevenção do problema no Estado do Pará.


Abusos em Abaetetuba


A cidade de Abaetetuba, que possui 82 ilhas, foi a primeira comarca da Região Norte do Brasil a realizar o depoimento especial de crianças vítimas de abuso sexual. No depoimento especial, a escuta só pode ser realizada uma vez, impedindo, dessa forma, a revitimização da criança, que não precisa reviver repetidamente o seu trauma.


Nos últimos anos, com base na recomendação do CNJ, a técnica tem se expandido e, pelo menos, 23 tribunais de Justiça já contam com salas de depoimento especial. No caso do juiz Delmar Barroso, da 3ª Vara Criminal de Abaetetuba, a utilização da técnica começou em 2015 quando foram realizadas escutas de 45 crianças vítimas de abuso na cidade. De acordo com ele, 81% das vítimas é do sexo feminino, 98% está na faixa entre 10 e 14 anos e, em metade dos casos, o agressor está dentro da família.


Para incentivar a denúncia de casos de abuso – de acordo com Barroso, apenas 10% dos casos de abuso chegam às autoridades – o magistrado fez uma parceria com as escolas, capacitando professores para a identificação e escuta das crianças vítimas de violência sexual. “Se a criança conta para a professora, tem mais chance de a denúncia ir adiante do que se contar para um familiar, já que a professora não tem vínculo com o abusador”, diz.


O juiz criou uma revista em quadrinhos no estilo mangá, distribuída nas escolas, que narra a história de uma criança abusada e indica os passos para denúncia do crime. Em Belém, a iniciativa dos juízes foi apresentada durante o workshop “Um debate sobre a proteção integral da infância e da juventude”, na última terça-feira, 19, realizado pelo CNJ. (Do Ver-o-Fato, com informações do CNJ)

2 comentários:

  1. Parabéns e muito obrigada pela matéria, meu caro Carlos Mendes. Esta pauta precisa ser evidenciada, a fim de que nossas crianças e adolescentes consigam viver com o mínimo de dignidade. O papel do bispo Dom Azcona tem sido fundamental para que o MP, o Judiciário e o Executivo façam algo que mude essa realidade atroz no Marajó. Desgraçadamente não é só lá. A pobreza, os abusos, a exploração infantojuvenil e a impunidade andam de mãos dadas.

    ResponderExcluir
  2. Oi, querida. De fato, essa luta precisa se fazer presente todos os dias, porque os abusos sexuais, absurdamente dentro das próprias famílias, reclamam um combate permanente. Primeiro, pela força da lei e dos aplicadores do Direito, além da vigilância dos agentes públicos; segundo, pela manifestação dos setores sociais que repudiam tais crimes contra pessoas indefesas, assustadas, tiranizadas, agredidas no corpo e na alma. Dom Azcona é uma pessoa admirável, assim como a irmã Henriqueta e outros abnegados das boas causas. Eles, porem, não podem nem devem se sentir sozinhos e necessitam que nossas vozes - minha, tua, de outros colegas jornalistas, de entidades comprometidas, enfim, de quem não tolera tanta omissão e descaso de autoridades - também cobrem maior participação desses agentes públicos, com poder decisório, para que essa praga seja drasticamente reduzida. Tudo o que fizermos, Franssinete, ainda será pouco diante do muito que precisa ser feito. Estamos fazendo a nossa parte, mas se outros se unirem a nós seremos mais fortes e nossa cobrança terá a repercussão que almejamos e a mudança que queremos. Grande abraço, Franssinete.

    ResponderExcluir