VER-O-FATO: ANISTIA INTERNACIONAL LANÇA EM BELÉM CAMPANHA "JOVEM NEGRO VIVO"

segunda-feira, 22 de maio de 2017

ANISTIA INTERNACIONAL LANÇA EM BELÉM CAMPANHA "JOVEM NEGRO VIVO"




Nesta terça-feira, a partir das 18 horas, no auditório da Universidade Estadual do Pará (UEPA), a Anistia Internacional promove um debate, lançando em Belém a campanha “Jovem Negro Vivo” (veja o vídeo, acima). Trata-se, na verdade, de uma parceria da Anistia Internacional com organizações locais como a Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos (SDDH), Cedeca/Emaús, Cedenpa, Dhavida e Unipop. 

https://www.facebook.com/radionet.assistencia/
O objetivo dessa parceria pretende valorizar o protagonismo dos jovens em defesa dos seus direitos, de modo a sensibilizar mais pessoas sobre o principal perfil da vítima de homicídios no país, além de incentivar a sociedade a atuar em defesa da vida desses jovens.



O debate contará com a presença de Jurema Werneck, diretora executiva da Anistia Internacional no Brasil; Renata Neder, assessora de direitos humanos da Anistia Internacional; Alejandro Falabelo, militante efetivo do coletivo Juventude Negra do Cedenpa; Paula Wanessa Santos Pimentel, integrante do Dhavida; David da Silva e Silva, familiar de Allersonvaldo Mendes, apelidado de "Jarrão", vítima de chacina ocorrida em 2014; e Marineia Ferreira, da Unipop.



“O Brasil é o país onde mais se mata no mundo em números absolutos, são cerca de 60 mil por ano. Trazer a campanha para Belém é ampliar a mobilização em torno de um tema que faz parte da realidade diária de quem vive nos territórios de periferia: o assassinato de seus jovens. Nossos parceiros locais já trabalham com este tema há anos e agregam muito ao acrescentar sua expertise sobre a realidade local. Juntos podemos fazer mais”, afirma Jurema Werneck, diretora executiva da Anistia Internacional no Brasil.



Com a campanha Jovem Negro Vivo, a Anistia Internacional convida todas as pessoas a romper o silêncio e a indiferença diante desta realidade, mobilizando a  sociedade para assinar o manifesto “Queremos ver os jovens vivos”, que defende o direito a uma vida livre de violência e preconceito. E ainda pede políticas públicas de segurança, educação, saúde, trabalho, cultura, mobilidade urbana, entre outras, que possam contribuir para o enfrentamento desta realidade.




Campanha


As peças desenvolvidas para a campanha Jovem Negro Vivo dão um panorama sobre os números da violência no Brasil, comparado a outros países, inclusive, aqueles que vivem conflitos armados. E mostram também como os homicídios vitimam mais os jovens do que a população brasileira em geral. Veja neste link. Outras peças foram desenvolvidas por jovens negros e negras que participaram das etapas anteriores da campanha. Veja aqui



Os dados são contundentes em mostrar como os homicídios no Brasil têm atingido mais os jovens e, entre eles, os negros. Enquanto a taxa de homicídios de jovens brancos tem diminuído, a que se refere à morte de jovens negros tem aumentado anualmente.


Programação 

18h15: Apresentação Cultural
Layssa Cristine conhecida como “Nega Ysa Mulher Negra”, cresceu no Candomblé, tem 22 anos e atua como atriz, rapper e faz apresentações de dança Afro.

18h45: Mesa de debate “Jovem Negro Vivo” com Anistia Internacional, CEDENPA, DHAVIDA, familiar de vítima da chacina de Belém e Unipop.

19h45: Apresentação
David Silva, familiar vítima da violência da chacina de Belém, apresenta sua música autoral composta em homenagem às vítimas de violência da cidade de Belém.

19h50: Apresentação
Apresentação de rap da cena periférica de Belém.


Informações para a Imprensa
Mariana Oliveira e Daiene Mendes
(21) 3174-8627 / 99730-3617

Att,

Lilian Campelo

91-81137998
Skype: lilian.campelo13
Twitter: @liliancampelo

Nenhum comentário:

Postar um comentário