segunda-feira, 10 de abril de 2017

POSSE DE GILBERTO VALENTE NA CHEFIA DO MPPA EXCLUI OAB DO PALCO E INCLUI BARBALHO


Valente prometeu um MP independente e sem subordinação ao Executivo. Irá cumprir?

A posse do promotor de Justiça, Gilberto Valente, nesta noite, no Hangar, tem tudo para ser o acontecimento do ano que mal começou. Ela se justifica pelo fato de Valente ser o primeiro promotor a assumir a Procuradoria-Geral de Justiça, após a sanção, em dezembro de 2014, da Lei Complementar Estadual nº 097/2014, que alterou o artigo 10 da Lei Orgânica do Ministério Público. A maioria dos Estados brasileiros já permite aos promotores de Justiça concorrerem ao cargo de Procurador-Geral. No Pará, até a última eleição, em dezembro de 2014, somente Procuradores de Justiça podiam concorrer ao cargo.



A cerimônia de posse está prevista para durar 3h30, será transmitida ao vivo pelo portal do MPPA e deve ter discursos em profusão, até mesmo por alguns integrantes da mesa convidados a dedo para sentar ao lado do polêmico procurador-geral que sai, Marcos Antonio das Neves, e do procurador que entra, no caso o próprio Gilberto Valente. Cerca de 300 convidados estão sendo esperados e provavelmente não haverá nenhuma defecção, pois ninguém quer perder a festa.

É notória, porém, na programação distribuída à imprensa, a ausência ou qualquer citação à representação da Ordem dos Advogados do Brasil no Pará (OAB-PA) no séquito de autoridades que farão parte do dispositivo de honra, ou palco, que saudará Valente. 
Pela ordem de autoridades, os nomes e representações são os seguintes: Marcos Neves, Procurador-Geral de Justiça atual; Gilberto Martins, Procurador-Geral de Justiça que será empossado; Simão Jatene, governador do Estado; deputado Márcio Miranda, presidente da Alepa; Ricardo Nunes, presidente do TJE; Helder Barbalho, ministro da Integração Nacional; representante do Conselho Nacional de Procuradores-Gerais (CNPG); representante do Senado; representante da Câmara Federal; representante do MPF Pará; Zenaldo Coutinho, prefeito de Belém; e Colégio de Procuradores do MPPA.

A exclusão da OAB e a inclusão do nome de Helder Barbalho chamam a atenção. A primeira, porque a Ordem sempre participou de solenidades correlatas. Não se sabe qual o motivo de ela, desta vez, não ter sido convidada, ou se foi, estar excluída da hierarquia protocolar. 
Por outro lado, a inclusão de Helder Barbalho seria não apenas pelo fato de ele ser o único paraense com assento no ministério do governo de Michel Temer, ou porquê, como se diz dentro do MPPA, seria uma deferência ao senador Jader Barbalho, de quem se diz ainda ter grande influência no Ministério Público.

De qualquer maneira, o Ver-o-Fato deseja boa sorte a Gilberto Valente em sua gestão, até 2019, na chefia do órgão, almejando que ele quebre o paradigma enraizado no MPPA há décadas: o de que o órgão tem boa parte de sua representação atrelada ao que de pior existe no Pará, a velha política de caciques que têm levado este Estado ao subdesenvolvimento moral e social.
 
 

13 comentários:

  1. A OAB sob o comando de ALBERTO CAMPOS esta mais chinfrim do que nunca e sequer vale R$ 1,99. Está mais por baixo do que barriga de cobra!

    ResponderExcluir
  2. Anônimo, você deve ter sido patrocinado pela oposição pra se manifestar dessa forma.Enquanto isso informo que o Pres.Alberto recebeu hoje uma comenda pela OAB em São Paulo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E o filho dele recebeu uma sinecura do TCE mês passado.

      Vergonha! E olha que Dr. Alberto Campos já estava ciente das imoralidades e ilegalidades do órgão, mas queda-se inerte.

      E a Comissão de Controle Social dos Gastos Públicos? Nada fazem para intervir?

      Excluir
  3. Francisco Miranda Junior10 de abril de 2017 21:45

    Anônimo, você é o culpado da OAB/PA estar "desprestigiada". Porém, quem perde com a ausência da OAB/PA, é o próprio MPPA, que já começa mal, quanto ao nosso presidente, está muito bem recebendo a comenda em São Paulo.

    ResponderExcluir
  4. Marcelo leonam:nao vou lhe chamar de doutor por dois motivos: 1- Vc não é digno dessa deferência e 2 Puxa saquismo não é compatível com a advocacia mas saiba que a OAB não esta sendo prestigiada por ninguém devido a deterioração moral de pessoas como alberto campos e os seus exímios puxa sacos

    ResponderExcluir
  5. Esperamos que o novo chefe do MPPA,agilize a conclusäo da saída do atual Prefeito cassado duas vezes pelo TRE/PA...

    ResponderExcluir
  6. Isso mesmo Dr Marcelo Leonam.. senhor Anônimo equivoca-se nos termos quando se refere a nossa veneranda casa de "chifrim" pelo que a mesma segue a batuta do Ilustre Dr Alberto. A OAB-PA é maior que qualquer gestão está acima de comentários odiosos feito este tecido pelo Anônimo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por favor, se próxima ao Presidente Alberto Campos, cobre-o quanto ao exemplo que deve dar, coibindo todas as práticas de nepotismo e tráfico de influência.

      Colocar o filho no TCE, que já se notabilizou como Palácio das Sinecuras, suja sua imagem e, de certo modo, compromete ações e conquistas de sua gestão.

      Antecipando-me ao eventual posicionamento de que o filho dele ocupa um cargo comissionado criado em lei, peço para que busquem as atribuições previstas para o cargo. Sequer se confundem com a dos efetivos, porque NÃO existem.

      Cargos criados sem atribuições previstas em lei são inconstitucionais.

      Foram 221 cargos criados sem atribuições. Isso passou na ALEPA, mas é inconstitucional e o presidente da OAB-PA não deveria participar dessa aberração jurídica, senão para combatê-la.

      Excluir
  7. Foi ordem do ex que saiu ao cerimonial. Para tentar constranger o empossado e o governador. Nada a ver com o novo procurador-geral, que fez questão de ressaltar e agradecer em seu discurso a presença e do presidente da OAB. Noves fora isso, não houve saias justas, tudo correu ba santa paz. Para desespero dia que apostam sempre no quanto pior, melhor.

    ResponderExcluir
  8. Marcelo, será que as pessoas não têm opinião própria? Precisam ser patrocinadas para contestarem uma gestão, notadamente, apagada do dr. Alberto Campos? Arrisco, inclusive, dizer, que a OAB de São Paulo deveria escolher melhor aqueles que homenageia, para não mais correr o risco, como agora, de entregar comendas a quem nada fez, não está fazendo e, pelo visto, nada fará pela advocacia do Pará.

    ResponderExcluir
  9. O Mp é quem perdeu com a ausência da oab? Isso é hilario! Kkkkk! Ninguém perde com a ausência dessa OAB!

    ResponderExcluir
  10. O Mp não tem cerimonial,por isso a falha em não convidar o representante da OAB para compor a mesa.Tanto é que o próprio dr.Gilberto ao perceber a gafe,pediu desculpas em público

    ResponderExcluir