sexta-feira, 21 de abril de 2017

LIXÃO DA REVITA É INVADIDO POR VÍTIMAS, QUE QUEIMAM TRATOR E QUEBRAM CAMINHÕES



O protesto no carro som, ouça; abaixo, o trator pega fogo
 
Acusações ao governador Simão Jatene, que recebeu R$ 417 mil de doação eleitoral da empresa Revita para sua campanha de reeleição; ao Ministério Público, com uma atuação tímida e vergonhosa no episódio, aos prefeitos de Belém, Ananindeua e Marituba, que nada fazem para resolver o problema, além de críticas aos deputados e vereadores coniventes, pela descarada omissão. 

Para a Revita, sobrou a pecha de "empresa criminosa, cujos proprietários deveriam estar na cadeia", segundo os manifestantes. Esses foram os ingredientes da manifestação de hoje dos moradores de Marituba sufocados pelo mau cheiro e vítimas dos crimes ambientais da Revita, que abriga o lixão de três cidades, depois de ganhar uma concessão graciosa do poder público sem jamais ter sido fiscalizada com rigor pelas autoridades. 

No final da manifestação, as vítimas da Revita invadiram o local, quebraram a guarita principal, caminhões e chegaram a incendiar parte do maquinário da empresa responsável pelo aterro e algumas estruturas. A Polícia Militar retirou os manifestantes de dentro do lixão. Segundo a PM, apesar dos materiais quebrados e incendiados, os manifestantes não apresentaram resistência contra a atuação policial.

Durante a manifestação, um oficial de justiça entregou aos organizadores a decisão judicial que proíbe a interdição da rodovia BR-316. No documento ficam autorizadas as Polícias Federal e Rodoviária Federal a adotarem as medidas necessárias para impedir a ocupação ou bloqueio da rodovia, e ainda proíbe que qualquer pessoa ocupe, obstrua ou dificulte a passagem em quaisquer trechos da BR-316. 

Com placas e máscaras os moradores seguiram em direção à entrada do aterro. Eles ocuparam parte da pista, deixando o trânsito lento na rodovia. Equipes das Polícias Militar e da PRF, junto com a Guarda Municipal, acompanharam o protesto. "Nós não aguentamos mais tanto sofrimento. É crueldade o que estão fazendo conosco", disse Eliezer Barbosa ao Ver-o-Fato

Outras manifestações devem acontecer nos próximos dias. Os moradores não aceitam nenhum acordo que não inclua o fechamento imediato do lixão. E já há quem fale em contratar advogado para ingressar com ação por danos morais e materiais contra a Revita, o governo de Jatene as três prefeituras da região metropolitana de Belém, incluindo a capital. Do blogue Ver-o-Fato, com G1 Pará e fontes.  

2 comentários:

  1. Infelizmente no Brasil a corrupção é o mal do século,gestores que deveriam estar na cadeia como:O Governador do Estado do Pará e o atual Prefeito de Belém por se apropriarem de dinheiro da fazenda como também propina de empresas.Agora,cadê a Justiça que não faz seu papel...

    ResponderExcluir
  2. Infelizmente muitos magistrados estão com rabos presos a politica da corrupção, é por isso, que muitas das vez não podem agir no rigor da lei,contra esse Políticos Cassados, devido favores em todas as esferas,em especial, porta de emprego temporária, para familiares com grande salários...caso eles juguem a causa em pauta, vão estar demitindo seu entes...

    ResponderExcluir