INSCREVA-SE EM NOSSO CANAL

Linha de Tiro - 19/04/2018

sexta-feira, 14 de abril de 2017

A SENHORITA ANDREZA E NÓS

Andreza: vida curta, aos 22 anos, pelo que fez e deixou de fazer
 
Nem heroína, nem mártir. Apenas uma jovem nascida num bairro pobre de Belém e igual a tantas outras que passou pela vida sem que a vida tivesse passado por ela. É fácil apontar o dedo falsamente moralista e dizer que ela não estudou porque não quis, que poderia ter se espelhado em alguém da vizinhança, focado em outro caminho na vida. 

Não falta quem diga também que estaria viva se não tivesse frequentado ambientes perigosos, onde as pessoas se drogam ou se reunem para praticar crimes. Andreza Ariani Castro, aos 22 anos, seguiu um caminho que poderia ter volta, mas não teve. Nessa idade, é mais fácil errar do que acertar e ela errou e pagou por isto, como dizem alguns donos da verdade, nas redes sociais. 

No Facebook, no Twitter, nos programas policialescos de rádio e de TV, a morte de Andreza é o assunto da hora. "Ela teve o que mereceu", sentenciou um desses julgadores cheio de virtudes e razões. "A senhorita Andreza levou o farelo", bradou outro moralista. Também há os que lamentam pelas duas crianças, filhas de Andreza, que agora não terão a mãe por perto, como antes já não tinham o pai, também assassinado.

Não importa se foi alguém de motocicleta, carro prata, carro cinza, carro preto, se foi milícia militar ou paramilitar, se foi "acerto de contas entre bandidos", o que importa é que a jovem da Cabanagem deixou de ser um problema, não se sabe se para a polícia, para o tráfico ou para os que comemoram a morte dela, inclusive compartilhando a fotografia com a cabeça coberta de sangue. Um sadismo escancarado.

Haverá inquérito ou investigação para saber quem matou Andreza? Parece que é pedir demais num Estado onde a impunidade de "justiceiros" mata jovens a toda hora, inocentes ou com ficha policial. Os governantes precisam dormir em paz, cercados de seguranças armados, cães de guarda e câmeras de vigilância. Isto é o bastante.

Nós, os que por omissão mantemos a inércia oficial, também corremos o risco de ser as próximas vítimas. Sem heroismo ou martírio. Aliás, nem precisamos de rótulos para virar estatística fúnebre. Afinal, já fizemos as nossas escolhas. Assim, podemos morrer de susto, de bala ou de vício, como na música de Caetano.

Pouco interessa que sejamos cidadãos "do bem", porque estudamos, temos profissão definida, a geladeira abastecida e bons amigos. Ou "do mal", porque somos iletrados, rebeldes, desempregados, com amigos "perdidos", a pele negra ou sexualidade diferente.

Somos iguais no abandono e na insegurança. Se culpados ou não por nossas escolhas, como Andreza Ariani Castro, pouco importa. Ela "pagou" pelo que fez ou deixou de fazer. 

E nós, também, devemos "pagar".


40 comentários:

  1. Boa tarde!
    Eu fico emputeido quando alguém se refere :
    Porque a pessoa é pobre, preta,sem educação ,mora na periferia e q a vida não deu oportunidade q tem q ser bandido.

    Tem gente q mora em Brasília, olhoos azuis, dorme no dinheiro, formação no exterior com todas oportunidades e são bandidos.
    Pobre é ter dignidade

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é comparação não é a forma mais correta... Fico também indignado com isso... Também fico indignada quando referem-se a Brasília como só tivesse ladrão. Não os corruptos que ficam de terça-feira a quinta são políticos do Estado que o elegeu, nós aqui de Brasília temos os nossos. Portanto, compara não é correto. O certo é dizer não temos bandidos só na periferia, temos bandidos em todos as classes sociais.

      Excluir
    2. Suzane von Richthofen era braca, rica da alta sociedade, mas decidiu matar os próprios pais. Quando não teme caráter, não tem essa de ser preta ou branca , pobre ou rica. Desculpas esfarrapada essa hein. ..!?

      Excluir
    3. Perfeito o comentário como se morar em bairro pobre fizesse de todos bandidos, assaltantes e traficantes, era o que ela era. Levou o FARELO!!

      Excluir
  2. De fato, Carlos Mendes, a vida vai seguir e a juventude da periferia vai continuar a ser dizimada pela falta de oportunidade, pelo tráfico, pela violência.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sempre a mesma desculpa, esse anjinhos só tem coragem com uma arma na mão, não são homens ou mulheres para assumirem pelos erros que cometem.

      Excluir
    2. Quase chegou a verdade, mas o viés esquerdista de justificar e tornar exemplo o que não é está aí, saindo das entrelinhas. Enquanto mortes forem mais ou menos justificáveis, enquanto se precisar fazer tipos penais como "feminicídio" para que haja mais comiseração, haverá logicamente mortes mais toleráveis. Toda vida é importante. Por isso todo homicídio deve ser igualmente investigado

      Excluir
    3. Oportunidade? com celular na mão apredende-se quase qualquer coisa que se queira mas esses jovens preferem o beat box e fazer funk , não se dão ao trabalho de querer aprender nada de produtivo ainda são chamados de vítimas.Aquilo que se planta colhe 30 min no lingo por dia e se aprende um idioma novo , aprende a cozinhar,pintar , artesanato , costura,hidráulica,mecânica,construção civil,electricidade,cuidados com idosos , direito civil criminal português instrumental ,redação . Esses dias consertei meu microondas e entendi seu funcionamento tudo por um pdf que baixei na net. Vítima e uma vírgula! Brasil tem uma geração inteira de gente preguiçosa violenta cheia de mimimi sem respeito com idosos grávidas deficientes. Pessoas fracas que preferem traficar do que estudar algumas horas por dia. Culpa desses socialistas comunistas.

      Excluir
    4. Nossa quanta hipocrisia nestes post's humanidade a flor dá pele..RS.Muito infeliz tentar justificar ou culpar alguém por esse fato,quando a única culpada ou culpado de fato foi a pessoa que está como vítima, mas sejamos mais atentos para oq de fato acontece com nosso país.

      Excluir
  3. Perfeito... quem nunca errou que atire a primeira pedra...

    ResponderExcluir
  4. Perfeito, Carlos. Sem palavras!

    ResponderExcluir
  5. Carlos Mendes, sem mais delongas, meu aplauso pela realidade da tua postagem sobre a morte da senhorita Andreza. No BRASIL, a pena de morte existe há muito tempo; só falta regulamentála.

    ResponderExcluir
  6. Obrigado, Ronaldo, a regulamentação da qual falas é a oficial, porque a oficiosa já existe. Este é o estado a que chegamos. Um abraço.

    ResponderExcluir
  7. Olá, Ana Lúcia. Bom te ver por aqui. De fato, os jovens são as maiores vítimas dessa violência, inclusive a do braço armado do Estado. Eu era editor do jornal "Folha do Norte" - fase Maiorana- quando certa vez dei a seguinte manchete de capa do jornal: "Eu mato, eu sou a lei". Quiseram até me processar pela manchete. E o pior: quem queria me processar havia criado o famigerado Patam, um grupo de extermínio que atuava na PM paraense da época. O que mudou no governo daquela época para o de hoje?

    ResponderExcluir
  8. Quero ver fazer textão quando morre um POLICIAL.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vdd....queria ver a mesma reflexao quando um policial que vem de familia pobre tomba por bandidos do mesmo quilate da anjinha que todo mundo esta lamentando....ja foi tarde

      Excluir
    2. Ontem morreu um policial... Espero que o VER-O-FATO faça uma análise sobre o extermínio de policiais.
      Estaremos aguardando....

      Excluir
    3. Verdade,infelizmente por pensamentos como esse estamos vivendo essa inversão de valores,vagabundo, que não quer nada na vida é mocinho,e o trabalhador virou vilão.Será que essa moça não teve uma chance pra sair desse mundo?será que nunca recebeu um conselho amigo?
      Hei,infelizmente têm gente que nasce pra fazer o mal e outras para o bem,tá no sangue,chega a ser um dom.
      Quantas vidas ela não acabou com o tráfico de drogas,quantas mães ela não fez chorar vendo seus filhos roubarem para sustentar o vício. Coitado somos nós,cidadões de bem que ficamos presos em casa,pois se sairmos não temos a certeza da volta.HOJE ESSA MOÇA ESTÁ DESCANSANDO EM PAZ,AMÉM!

      Excluir
  9. Excelente reflexão! Um relato lúcido e bem analítico do problema. Infelizmente esse tipo de prática só vai se propagando em virtude de discursos que pregam o ódio e a violência, ignorando a realidade da periferia e da criminalização da pobreza.

    ResponderExcluir
  10. Eu concordo em parte c autor dessa reflexão, mas não podemos e nem devemos ignorar o fato d q o crime ou as drogas não compensão. É triste perder a vida aos 22 anos, foi escolha dela sim!e também poderia sair sim! Faltou ela pedir ajuda a Deus e entregar a sua vida a JESUS CRISTO.
    pra mim a morte dessa jovem m chama a atenção de tantos jovens q precisão de ajuda. Que DEUS console a família.

    ResponderExcluir
  11. discordo desse texto ..... primeiramente viver do tráfico viver de festas regadas as drogas viver no mundo do crime não tem vantagem nenhuma ..... o fato de ter acontecido isso com a Sta.andreza porque ela é melhor que os demais ???? ah não não poderia acontecer nada com ela porque ela se tornou popular por convidar os amigos pra curtir ??? fazer apologia ao crime .... vender traficar ... ganhar dinheiro colocando aparelho ortodôntico sem estudar e legal ??? e as pessoas que estudaram 5 anos pra ser tornar um dentista ?! será que ela não poderia está estudando ??? trabalhando como todo cidadão comum??? quem é vítima da violência ?? o cidadão de bem que sai da sua casa e vai trabalhar todos os dias .... pra conseguir o seu lugar ao sol ou um bandido ??? puta hipocrisia isso sim .....tomara que sirva de exemplo para muitos o mundo crime não é o mar de rosas ........ pra ninguém ..... discordo desse texto pobreza não é sinônimo de bandidagem...... cada um escolhe o que quer pra sua vida .......

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estudou na Faculdade Ideal...assim até eu mano, pra julgar os outros

      Excluir
  12. Anônimo das 04:08, entenda que o policial, seja militar ou civil, é tão vítima da violência - e o número de policiais mortos, apenas por serem policiais prova isto - quanto os cidadãos não-agentes públicos. A grande maioria desses policiais sai às ruas para combater a criminalidade imbuída da noção de defender os que, por não usarem armas, não podem se defender dos criminosos. É claro que há as exceções, comuns em qualquer outra profissão, o que incomoda a maioria dos bons policiais.

    ResponderExcluir
  13. Obrigado, Regiane Matos, por sua postagem. Ela externa o sentimento de muita gente. Mas, veja bem, o que você diz sobre vida no tráfico, festas regradas a drogas acontece também na Doca de Souza Franco, em Batista Campos, no bairro de Nazaré, no Umarizal, onde gente que estudou, até tem curso superior, aderiu ao crime e à vida boa (?) de não trabalhar e ganhar às custas de roubo. Concordo com você quando em sua revolta, que também é a minha, observamos o cidadão que estuda e trabalha ser assassinado friamente na rua ou em seu carro por causa de um celular ou algum outro bem que não quis dar ao bandido. O pior é que às vezes não esboça nenhuam reação e ainda assim é morto. As autoridades ditas competentes criaram esse estado de pânico em que vivemos e são elas que deveriam oferecer as soluções. Bilhões desviados em corrupção foram parar nos bolsos desses malandros que nos governam e veja o resultado: caos, violência, falta de esperança das pessoas de bem. Volte sempre. É disso que precisamos: debater as nossas mazelas sociais. Sem hipocrisia, como você diz e eu concordo.

    ResponderExcluir
  14. Engraçado (mesmo que não tenha nenhuma graça), uma bandidazinha fico dando maior moral, fala sério? Muito policias e trabalhadores morrem por estes tipos de bandidos e ninguém tem o menor respeito nem a dignidade de fazer homenagem ou os "direitos dos mano" jamais aparecer para apoia-los, mas pra bandidos aparece Deus e o mundo. Todos nós temos escolhas e somos responsáveis para assumir as consequências. Já escolhi em uma época da minha vida por passar fome, mas de forma nenhuma escolhi roubar ou matar para saciar minha fome, mesmo não tendo oportunidade fiz esta escolha, e não me arrependo.

    ResponderExcluir
  15. Minha experiência mostrou que nós não temos espaços nas tomamos de decisões, minha alternativa foi sair do Estado, mas agora chegou a hora de voltar.
    Desde criança o esporte teve um grande significado pra mim, a realidade de violência do Guamá marcou muito minha vida, principalmente depois de ver um amigo ser assassinado em minha frente. Ao decidir pela constituição de uma família veio o questionamento de como garantir um futuro para elas. Concretamente o primeiro passo foi dado através do esporte com a criação da APGA Ginástica https://youtu.be/_8uCK9gH9Jw que atendeu a necessidade de muitas crianças.
    Bem, depois de várias experiências a opção foi sair de Belém, tenho certeza que podemos criar espaços onde os jovens podem desenvolver todas suas habilidades, saindo do ambiente prejudicial que as drogas e a prostituição vem construindo. https://youtu.be/zEWocPCK_c4
    Escolhemos esporte e educação pra ocupar o tempo das meninas está é a impressão de educador físico: A visão de um visitante em nossa região, precisamos potencializar nossas riquezas naturais e humanas https://youtu.be/cupgZT6TXOs.
    Cada ítem abordado tem um link pra ser debatido e aprofundado pelo face: http://projetofeeemasc.wixsite.com/guip

    ResponderExcluir
  16. Concordo em parte.
    Descordo peremptoriamente de associar a ida para vida de crimes ao fato de ser pobre, negro e morar na periferia. E item inúmeros pobres, negros e que moram na periferia que trabalham com dignidade, correm atrás do seu pão de cada dia de forma honesta e dentro da lei. Assim como também existem muitos, muitos filhos de família abastada que escolhe a "vida louca" do crime. Existem muito brancos, loiros dos olhos verdes que estar na vida do crime, e não são poucos não.
    Então, não concordo com essa estigmentacao da criminalidade, é tapar o sol com a peneira.

    ResponderExcluir
  17. Pura hipocrisia, nascer preto e pobre não é desculpa pra virar bandido .
    Agora que ela morreu virou santa todo mundo tem pena todo mundo defende mas quando ela tava viva por que esses defensores não foram lá oferecer um emprego ou tentar ajudar essa jovem de alguma forma ? Por que não foram convidar ela pra ir à igreja ou pra algum programa social que viesse ajudar ela de alguma forma ? Só tenho pena da filha dela que vai crescer sem pai e sem mãe e isso sim é muito triste lamento também a morte do cachorro que foi morto perto dela , agora lamentar por alguém que fazia apologia a drogas e aliciava menores para festas regadas a bebedeira e alucinógenos? Lamentar por alguém que era uma péssimo exemplo para essa juventude e que ainda ameaçava policiais , ela infelizmente correu para esse fim, plantou e colheu , lamentável mesmo é essa sociedade hipócrita que adora achar uma desculpa pra defender bandido .

    ResponderExcluir
  18. Apenas por um momento imagine se fosse tua filha ou teu filho!!
    Por um momento pare para pensar como estaria teu coração agora ao ter que enterrar o fruto do teu ventre que criastes com tanto zelo e amor;
    Existem situações que fogem ao nosso controle por mais que orientemos.
    Pare para pensar, diante do fato, o que espera o futuro dos teus netos com uma base familiar destruída!!
    Ah Deus... desvia nossos filhos da prática do que leva à morte; permite Tu que eles possam criar seus filhos e conhecer os filhos dos seus filhos; que eles possam enxergar o mal que esconde-se em promessas falsas de paz e alegria!!
    Que cada lar possa viver a plenitude de Deus; pois só assim estaremos protegidos e em PAZ; pois isso é promessa de Deus para todos nós que povoamos a terra!!
    Como MÃE, AVÓ e CRISTÃ, eu lamento com toda a sinceridade do meu coração tudo o que vem acontecendo com os nossos jovens!!

    ResponderExcluir
  19. Bandida, a pessoa que chama todo mundo para cheirar Coca na casa dela, que promove festas sem embaço da Polícia... É bandida, criminosa, bandido bom é bandido morto... Quantos jovens estavam sendo influenciados por estas festas regadas a drogas?

    ResponderExcluir
  20. Perfeito. Pelo menos um apareceu pra levantar a bandeira da PAZ. O mundo precisa de PAZ, mais amor no coração.

    ResponderExcluir
  21. Só tenho uma coisa a dizer. Texto fraco, com argumentos mais fracos ainda.

    ResponderExcluir
  22. Que tempos são estes que vivemos? Medimos os outros através da nossa régua (eu nunca fiz isso, eu fui pobre e nunca roubei, etc), como se fôssemos exatamente iguais. O ódio cada vez mais propagado, a lei de talião vigorando, em uma sociedade que só pensa em vingança. O mais contraditório disso tudo, é que a população brasileira, pelo menos se declara cristã. Enquanto não pararmos de medir/julgar/condenar os outros, nos tornaremos iguais aos que tanto criticamos. Cisto disse que seus seguidores seriam conhecidos se amassem os outros (todos e todas, não vale amar so quem te ama). Então não adianta ficar praguejando e desejando o mau para as pessoas, pois segundo a lei da semeadura,se plantou coisas ruins, não vai colher coisas boas, e isso não fazem somente os "bandidos" mas também os que pensam que são bonzinhos.

    ResponderExcluir
  23. Quero ver alguém fazer qualquer comentário a favor depois de passar por um assalto a mão armada, por assalto sendo refém, ter o filho sendo destruído e destruindo a família por causa das drogas que essas pessoas comercializam. Claro que não há necessidade de levantar bandeira e soltar fogos por causa da morte deles. Pois Deus tem misericórdia de todos. Mas gostaria que assim como defendem eles, que defendam também os policiais e suas famílias que estão sendo dizimados por quem achou que é mais fácil ganhar dinheiro com a vida "facil" do tráfico e das drogas.

    ResponderExcluir
  24. Quando essa pessoa perder alguém, um pai ,uma mãe ,um irmão ou um filho pra violência aí sim quero v fazer textinho Pra bandido. Sou favorável em armar a sociedade pq q parece q as armaas estão so nas mão deles para humilhar, agredir E tira a vida de quem amamos ja vivemos em uma guerra ,vamos armar tb o cidadão de bem aí vamos v se o número de assaltos vão continuar crescendo sou a favor em tornar essa guerra mais justa.

    ResponderExcluir
  25. O autor deveria averiguar melhor os fatos, o pai da Aula filha única filha da Andreza não foi o ex companheiro que foi morto ha uns 3 meses. O pai esta vivo.

    ResponderExcluir
  26. resumindo seus lesos: "Bandido bom é bandido morto" e FIM DE PAPO. E pobre não significar ser bandido ..ser bandido e escoria da sociedade é uma ESCOLHA PORRA!

    ResponderExcluir