terça-feira, 7 de março de 2017

JATENE SE ESCONDE, ZENALDO E PIONEIRO CALAM, ALEPA ENROLA, E O FEDOR AUMENTA

O povo de Marituba casou de tanto fedor e mentiras oficiais
A moradora grávida protesta na barriga: filho quer nascer com saúde

Raimundo Santos disse aos moradores que Alepa agora vai fiscalizar. Agora?


Informação enviada pela assessoria de imprensa da Assembleia Legislativa do Pará ao Ver-o-Fato diz  que o deputado Raimundo Santos  "pediu a criação de uma comissão especial de acompanhamento do problema. O requerimento foi aprovado e agora os deputados vão fiscalizar o funcionamento do aterro". 

Ele se refere à fedentina do Lixão da Revita, em Marituba, que o povo daquela cidade quer ver bem longe de lá. Uma comissão dos revoltados e sufocados pelo mau cheiro esteve nesta tarde na Alepa para cobrar uma postura decente da casa dita do povo.

O requerimento de Raimundo Santos foi aprovado à velocidade da luz e o próprio deputado, segundo o release, soltou a seguinte declaração:  “a Alepa, em seu papel constitucional, vai ajudar na fiscalização e apresentação de propostas. Os moradores locais estão revoltados e com razão, mas esse problema não é apenas de Marituba, é de toda a Região Metropolitana, de todo o Estado, em relação a saúde pública e ambiental. Por isso, é importante a Alepa participar dessa comissão maior  junto com Estado, Ministério Público, OAB e a sociedade, para debater e encontrar soluções”.

Palmas para Santos. Ele acabou de descobrir a pólvora. Mas deixou no ar a omissão da Alepa, que até hoje nada fez, a não ser pirotecnia política em cima da desgraça dos moradores massacrados pela Revita. No trecho em que Santos promete que os deputados "vão fiscalizar o funcionamento do aterro", ele carimba o desleixo total com que a Alepa sempre tratou o assunto. Nada a estranhar.

A pergunta que o Ver-o-Fato faz é a seguinte: então, quer dizer que agora vão fiscalizar o lixão, é? E por que não fizeram isso há dois anos? E mais: para que serve ou o que faz a Comissão de Meio Ambiente da Alepa, da qual o próprio deputado Raimundo Santos é o presidente? Ela também tem culpa nesse cartório de omissões e conduta leniente com os crimes ambientais e sociais praticados pela Revita. 

A providência anunciada por Raimundo Santos é tardia e nem sabemos se será cumprida, porque, como já disse o Ver-o-Fato, em editorial, no domingo, a Alepa, como o governo estadual, as prefeituras de Belém, Ananindeua e Marituba, assim como as câmaras municipais de tais municípios, não possuem credibilidade para resolver o problema e se o resolverem já o farão com atraso de quase dois anos. 

Foram essas instituições as únicas responsáveis pelo caos social, sanitário e ambiental pelos quais passam as famílias de Marituba. É claro que disso não se livra o Ministério Público do Estado, porque como fiscal da lei e da sociedade deixou-se encantar pela conversa mole de políticos e pelo canto de sereia dos diretores da Revita.  

Que cada um assuma suas responsabilidades e faça o que precisa ser feito. O lixão tem de ser fechado e qualquer solução paliativa não passará de mera enrolação para enganar os moradores de Marituba. Se não tem onde botar o lixo, a não ser nos buracos da Revita, por qual razão não pensaram numa solução alternativa, para livrar os moradores do envenenamento pelo fedor?

Cadê o governador Simão Jatene? Onde escondeu-se para fugir desse problema criado pelos gênios que fazem parte de seu secretariado, incluindo os ineptos prefeitos Zenaldo Coutinho e Manoel Pioneiro?

Que apareçam e assumam suas responsabilidades. Expliquem-se. O fedor do lixão só faz aumentar.

O povo de Marituba quer ouví-los.


Nenhum comentário:

Postar um comentário