quarta-feira, 15 de março de 2017

BARRADOS NO BAILE: VEREADORES TÊM PORTA BATIDA NA CARA PELA EMPRESA REVITA

Diante do portão da Revita, os vereadores barrados posam para foto
Gama reclama da atitude da Revita: fotos da assessoria da CM


O Ver-o-Fato, em editorial aqui publicado na semana passada, afirmou que os parlamentos de Belém, Ananindeua e Marituba, além da própria Assembleia Legislativa, das três prefeituras e o governo do Estado, não tinham credibilidade perante a população para agir em busca de uma solução no caso do fedor insuportável exalado pelo lixão da empresa Revita, em Marituba, desde o ano passado.

Esses políticos e outras autoridades foram os grandes responsáveis pela situação, não só porque nada fizeram até hoje para resolver o problema, como ainda passaram as mãos na cabeça da Revita, poupando a empresa de problemas. Aliás, a própria Revita nutre profundo desprezo pelos parlamentares, tanto que nem apareceu anteontem na Câmara Municipal de Belém, onde representantes das famílias sufocadas pela fedentina em Marituba, os próprios vereadores, representantes da OAB e ambientalistas, debateram a questão.

Pois nesta manhã de quarta-feira, a Revita simplesmente bateu a porta na cara de 20 parlamentares e da comissão por eles formada para realizar uma "visita técnica" ao lixão e "cobrar da empresa um posicionamento em relação ao que tem sido denunciado pelos moradores da área, de forma que o poder público pudesse ajudar a encontrar uma solução para reduzir os impactos".

Humilhados e desmoralizados publicamente, os vereadores - havia gente de Ananindeua e de Marituba, no meio - encontraram o portão do lixão fechado e com ordens de que não deveriam entrar. Deram meia volta e recolheram-se à própria insignificância. Em release enviado ao Ver-o-Fato pela assessoria da CM sobre a barração, alguns edis se queixaram do desrespeito.

"A população está cobrando do legislativo e os parlamentares têm que dar uma resposta urgente", disse o vereador Gleisson (PSB). "Quem não deve, não teme. Não sei porque fecharam as portas. Queríamos ver o tamanho do problema", relatou Emerson Sampaio (PP). A vereadora Simone Kahwage (PRB) acrescentou que o tratamento que foi dado aos parlamentares "foi desrespeitoso" e disse que é "uma humilhação para os vereadores" e para a população estar à mercê de uma empresa que não cumpre o que foi estabelecido em contrato.

Cobrem dos chefes


Hélio Oliveira, morador de Marituba e representante do "Fórum Permanente Fora Lixão de Marituba", considerou importante a presença dos vereadores no local e achou louvável a atitude dos parlamentares de conferir de perto a realidade vivida na área. "Em respeito aos moradores, queremos saber o que vai ser feito aqui a partir de agora e quais são as mudanças previstas. Não pode continuar do jeito que está. Os gestores municipais não estão inertes pra esse problema. Estamos querendo minimizar esses impactos", afirmou a vereadora Blenda Quaresma (PMDB).

O vereador Fabrício Gama (PMN) informou que os vereadores não vão deixar de exercer a função de fiscalizar e que a Câmara vai tomar providências. "O jurídico da Câmara vai entrar com uma liminar pedindo autorização para a entrada dos parlamentares. Não vamos mais permitir que o povo seja prejudicado por causa de irregularidades dessa empresa", disse Fabrício.

Gama, que faz o que Zenaldo manda, deveria cobrar uma posição de seu chefe político. Ou ir queixar-se para o governador Simão Jatene, que até agora não abriu a boca para defender a população dessa crueldade social e ambiental que se vê hoje em Marituba, com seus reflexos sobre Ananindeua e Belém, que despejam no criminoso lixão todos os resíduos recolhidos de 2,5 milhões de moradores da região metropolitana.

Quem pariu Mateus que o embale.

6 comentários:

  1. Respostas
    1. Os vereadores tem que fazer uma visita na SESMA,é muita irregularidade por lá

      Excluir
  2. Caro, Carlos Mendes. Parabéns pelo texto. Novamente genial e no ponto. Queria que "só" 5% dos jornalistas locais tivessem a sensatez que tu tens nas análises da política paraense. Espero que continues assim, pois há tempos que eu deixei de ler ou assistir jornal, teu blog é um dos poucos meios que eu acompanho. Justamente pela qualidade e sensatez. Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Obrigado pelas referências ao blogue. Não temos escolha: ou ficamos contra o atraso em que o Pará vive, inclusive o político, ou ficamos ao lado dos que mentem, manipulam e enriquecem no poder. A opção do blogue já foi feita, como se percebe pelo que é aqui divulgado.

    ResponderExcluir
  4. Esse é o o blog de mais confiabilidade atualmente,leio diáriamente. Vencontro aqui acrescentar uma nota acerca deste assunto. Antes desse show pirotécnico que estão querendo fazer, um advogado, que já se candidatou, não está em mandato algum, por iniciativa própria entrou com uma ação popular na tentativa de solucionar esse problema, até porque ele é morador de marítima desde criança, isso ninguém divulga, mas aqueles que realmente fazem algo para solucionar os problemas ali causados, devem ter seu reconhecimento independente de partido ou posição política, esse advogado se chama antonio armando Jr. Um grande abraço Dr.Carlos sou de fato seu fã!

    ResponderExcluir
  5. Grato, Filipe. Em meados do ano passado, o Ver-o-Fato deu partida a uma série de denúncias sobre a fedentina no lixão. Cutuquei as autoridades, mas ninguém se mexeu. Sabe aquela autosuficiência de quem está no poder e não precisa que ninguém aponte erros ou soluções porque a autoridade sabe como fazer? Pois é, eles agiram dessa forma, mas o pior é que nada fizeram, deixando o problema chegar a esse estado de calamidade. Não foi por falta de aviso deste blogue, que foi o único a se posicionar sobre o fato. Mas isto de ser o único ou deixar de ser pouco importa. O que importa é que as autoridades governamentais e os poderes legislativos perderam a credibilidade a ponto de até ser expulsos, ou barrados, no lixão, como ontem ocorreu, pela própria empresa envolvida nos crimes contra o povo de Marituba. Mais uma vez obrigado por suas palavras. Elas soam como incentivo para que continuemos a praticar o bom combate. E por favor, não me chame de doutor. Não sou doutor de nada. No máximo tenho ensino fundamental na escola da vida.

    ResponderExcluir