VER-O-FATO: A MISTERIOSA MORTE DO REPÓRTER DE TV, EM PARAUAPEBAS: ACIDENTE OU AGRESSÃO?

segunda-feira, 6 de março de 2017

A MISTERIOSA MORTE DO REPÓRTER DE TV, EM PARAUAPEBAS: ACIDENTE OU AGRESSÃO?

Antonio Marcos: versões contraditórias para a morte prematura, aos 41 anos

A polícia de Parauapebas abriu inquérito para apurar as circunstâncias da misteriosa morte do repórter Antônio Marcos dos Santos, de 41 anos - iria completar 42 no próximo dia 11 -, que integrava o Grupo Correio de Comunicação, Canal 40, TV SBT, daquela cidade. 

Duas versões são apresentadas para o caso. A primeira, relatada pelo dono do bar, é a de que ele teria passado mal, quando bebericava, vomitado bastante e depois, ao sair para a rua, na noite de sábado, 4, caído e batido com a cabeça no asfalto. Removido numa ambulância do Corpo de Bombeiros para o Hospital Municipal de Parauapebas, Antonio Marcos já teria chegado morto no local, antes do atendimento médico. 

A segunda versão, de uma testemunha que a polícia irá intimar, é totalmente diferente da primeira. Segundo a tal testemunha, ainda não identificada, mas já localizada pela polícia, o repórter teria sido chamado por alguém que estava em um carro e depois empurrado com violência. Na queda, Antonio Marcos teria batido violentamente a cabeça no asfalto. O laudo do IML atestou como causa da morte traumatismo craniano e hemorragia interna. 

A Associação de Imprensa de Parauapebas cobra celeridade na investigação policial para que tudo seja esclarecido. Antônio Marcos foi  enterrado hoje, às 9 da manhã, após velório no plenário da Câmara Municipal. A morte do jovem repórter consternou os meios jornalísticos da região, onde ele era muito querido e admirado. Antônio Marcos deixou três filhos.

Quem era

Segundo o blogue Pebinha de Açúcar, o repórter  era um "apaixonado pela comunicação". "Como um dos primeiros comunicadores de Parauapebas, ele deixa boas lembranças e um jeito alegre de enxergar a vida. Antônio Marcos começou a se apaixonar pelo jornalismo em 1995, quando foi contratado para prestar serviços de datilografia na Assessoria de Comunicação (Ascom) da prefeitura de Parauapebas, na gestão do então prefeito Chico das Cortinas.

Relato de colegas relembram que, naquela época ele começou a se aproximar da equipe de produção, teve a oportunidade de fazer reportagens e entrevistas, e passou a pegar o jeito do trabalho. Daí para frente, tomou gosto pela coisa e começou a prestar serviços como repórter no jornal impresso semanal “Movimento Regional”, de propriedade do empresário gráfico Sérgio Balduino de Carvalho, atual vice-prefeito de Parauapebas.

Depois do “Movimento Regional”, ele passou uma boa temporada na TV Record, do empresário Welney Lopes de Carvalho, em Parauapebas, e após numa emissora de TV de Palmas (TO), afiliada do SBT. Retornando a Parauapebas, o repórter foi contratado pela Band, na época dirigida por Cláudio Feitosa, quando se consolidou na carreira de repórter de televisão.

No ano passado, ele fez parte da equipe do programa Barra Pesada, exibido pela RBATV, e atualmente atuava no SBT, onde foi repórter e diretor de jornalismo, e na Assessoria de Comunicação (Ascom) da Prefeitura de Parauapebas, coincidentemente, onde toda a sua história com o jornalismo começou".

3 comentários:

  1. Vi boa parte dessa matéria no excelente Blog do Zé Dudu, de Parauapebas, ontem. Quem será que copiou quem, já que citas o Pebinha de Açúcar como fonte? Jornalismo na região Norte é assim, todos copiam e poucos criam.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se a fonte for citada, qual o problema em replicar informações? Aqui na região Norte tem jornalista como em qualquer parte do país, e onde se copia tudo, às vezes de forma tão descarada que até a foto é utilizada, e a figura ainda põe marca d´água para dizer que foi o responsável pela foto. O mais importante é o que levou a morte do jornalista, e se a polícia está investigando de fato.

      Excluir
  2. A parte de cima da informação é toda do Ver-o-Fato - já que ninguém da região, que eu saiba, levantou a questão, acidente ou agressão. Quanto a segunda parte, no intertítulo "quem era", cito informações do Pebinha de Açúcar e não sei se o blog do Ze Dudu deu a mesma coisa que o Pebinha ou vice-versa. No caso, o objetivo do Ver-o-Fato foi valorizar informações adicionais sobre quem era o repórter e suas atividades nos veículos para os quais trabalhou. Sua crítica em relação ao Ver-o-Fato é injusta, porque o blog, com base em informações apuradas junto a fontes policiais procurou focalizar um lado ainda não abordado, se foi um mero acidente ou não. Você tem razão em parte quando diz que no Norte poucos criam e todos copiam, mas evite a generalização para não ser injusto com quem tenta produzir informação apurada junto a fontes idôneas. No mais, volte sempre.

    ResponderExcluir