VER-O-FATO: PREFEITOS ASSUMEM CARGOS, ANULAM CONCURSOS PÚBLICOS E DEMITEM SERVIDORES

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

PREFEITOS ASSUMEM CARGOS, ANULAM CONCURSOS PÚBLICOS E DEMITEM SERVIDORES

Almeida: "absurdo e barbárie"
"Pura má-fé", é assim que o presidente da Associação dos Concursados do Pará, José Emílio Almeida, classifica a atitude de dezenas de prefeitos que, ao assumirem o cargo em diversos municípios paraenses, decidiram anular concursos públicos e afastar servidores concursados.
A decisão absurda, segundo ele, está prejudicando milhares de pessoas, que acreditando na impessoalidade da administração pública, se submeteram à difíceis provas de concursos públicos e, após aprovação, nomeação e posse, se tornaram servidores públicos efetivos, em certames promovidos pelas gestões derrotadas nas últimas eleições.

Com a decisão de afastamento do cargo, muitos trabalhadores estão sendo impedidos até de entrar nos prédios dos órgãos em que trabalham e já tiveram o salário de janeiro suspenso. "A barbárie afeta ainda outras milhares de pessoas aprovadas em concursos públicos (muitos dos quais sequer homologados), à espera de nomeações para começarem a trabalhar, já que muitos concursos públicos estão sendo anulados, por decreto administrativo", diz o líder da Asconpa.
Entre os municípios onde ocorre este fato, estão Capanema, Jacundá, Igarapé-Açu, Tomé-Açu e São João da Ponta. O mais surpreendente, dispara José Emílio Almeida, tem sido a conivência da Justiça, que tem deferido favoravelmente em ações ajuizadas por estes prefeitos. "Em Belém, o próprio presidente do TJE, acatou pedido do prefeito Zenaldo Coutinho, determinando o afastamento de concursados, aprovados em certames realizados em 2012", comenta.
Conivência da Justiça
Para ele, está evidente que a intenção desses prefeitos é desafiar os adversários derrotados e garantir a ocupação dos cargos por cabos eleitorais que atuaram em suas campanhas. E como se não bastasse a desfaçatez destes políticos, que tratam a administração pública com bem pessoal e familiar - afirma Almeida, "ainda temos contra nós a conivência da Justiça, que foge da sua atribuição principal de garantir o direito aos cidadãos, para afagar e tratar com afeição prefeitos e até o governador".
Para fazer frente a mais esta afronta aos direitos adquiridos pelos aprovados em concursos públicos, a Associação dos Concursados do Pará estará realizando nesta sexta-feira, dia 3 de fevereiro, às 18 horas, uma assembleia para definir a defesa dos direitos dos prejudicados. 
Na reunião, os concursados decidirão juntos como irão atuar, política e juridicamente, por meio da associação.

3 comentários:

  1. Carlos Mendes, este cidadão, o José Emilio Almeida é um grande líder e merece todo o nosso apreço. Quem dera tivéssemos políticos como ele, que defende de cara limpa as pessoas que estão sendo prejudicadas pelos governantes.
    Prof. Wilson Figueredo

    ResponderExcluir
  2. Faltou citar os municipios de Moju e Vigia, onde os prefeitos estão praticando esses mesmos absurdos.

    ResponderExcluir
  3. BEATRIZ 14 DE MARÇO DE 2017
    ESSES ACONTECIMENTOS EM NOSSOS MUNICÍPIOS É UMA VERGONHA,SÃO PESSOAS COM OS SEU DIREITOS GARANTIDOS PERANTE UM CONCURSO PUBLICO,MAS OS POLÍTICOS SÓRDIDOS DESTES MUNICÍPIOS, PROMETERAM CARGOS EM TROCA DE VOTOS PARA SE ELEGEREM COMO PREFEITOS. ASSIM PASSANDO POR CIMA DE UM CONCURSO PUBLICO ,PARA COLOCAR OS SEUS APADRINHADOS NOS CARGOS DOS CONCURSADOS. ONDE ESTA A JUSTIÇA DO NOSSO ESTADO QUE NÃO TOMA UMA PROVIDÊNCIA!!! ISSO É REVOLTANTE!!!

    ResponderExcluir