VER-O-FATO: PARA NÃO DIZER QUE NÃO FALEI DE ALGEMAS, UNIÃO PELO PARÁ E OUTRAS TAPEAÇÕES

domingo, 19 de fevereiro de 2017

PARA NÃO DIZER QUE NÃO FALEI DE ALGEMAS, UNIÃO PELO PARÁ E OUTRAS TAPEAÇÕES

Cenas como estas sucumbem ao ideal maior pelo poder


"A primeira coisa que vão fazer contigo é botar aquela foto da tua prisão no jornal". A frase, dita pelo governador Simão Jatene ao senador Flexa Ribeiro, quando ambos conversavam há pouco tempo sobre cenários para a eleição de 2018 na sucessão estadual, deu o tom  amargo que hoje move as relações entre os dois cardeais do tucanato paraense. 

Ela surgiu a propósito da intenção de Flexa de lançar-se candidato ao governo pelo PSDB contra Helder Barbalho. Jatene cortou com lâmina afiada a pretensão do senador. O candidato de Jatene para sucedê-lo é o supersecretário Adnan Demachki. O senador sabe disso, mas se faz de desentendido. Talvez para testar a capacidade de Jatene e ver até onde o governador vai na arte de irritá-lo. Ou fritá-lo.

A foto a que Jatene se refere é aquela em que Flexa aparece algemado - mas cobrindo as algemas com uma folha de jornal -, preso em 2004 pela Polícia Federal durante a Operação Pororoca, com mais 29 políticos, empresários e servidores públicos, acusados de integrar uma quadrilha envolvida com fraudes em licitações públicas.

O jornal que Jatene disse ao senador que colocaria a foto dele, se insistisse em candidatar-se ao governo, ano que vem, seria o "Diário do Pará", pertencente ao colega de Flexa no parlamento em Brasília, o senador Jader Barbalho. Jader também já foi preso e algemado pela PF, sob a acusação de patrocinar fraudes contra a Sudam. 

E, como Flexa, Jader cobriu as algemas, não com um pedaço de jornal, mas com um livro. Isto, contudo, não impediria o "Diário do Pará" de exibir a foto de Flexa durante a campanha eleitoral. Guerra é guerra. E, pelo poder, vale tudo. Até ignorar o conceito moral de que não se fala de corda em casa de enforcado. 

Quem duvida?

O problema de Jatene é que se ele sabe como fazer uso da caneta poderosa que tem nas mãos para fazer estragos na horta eleitoral de adversários, Flexa não é bobo e também sabe utilizar o mandato de senador para revidar à altura. 

Aliás, foi do senador do PSDB - mais até do que do próprio presidente da República, Michel Temer - a iniciativa da aproximação com o PMDB de Jader, para uma aliança eleitoral em 2018. Questão de sobrevivência política, o que pouco importa para o próprio Jatene, já que, se quiser, e o quer, será candidato ao Senado. 

Impensável ter Jatene e Flexa no mesmo barco, em aliança com o PMDB, mas no apoio a Helder Barbalho para o governo? Quem duvida disso é um completo alienado sobre a história da política paraense. Repleta de exemplos de inimigos que se atacavam todos os dias e todas as horas, durante anos, mas que, de uma hora para outra, fizeram as pazes e uniram forças, em torno do objetivo comum: o poder.

Lei de murici

Adnan Demachki, como ficaria, nesse caso, como candidato de Jatene ao governo? Só Jatene para responder. Provavelmente nada responderá, mesmo que cobrado pelo ex-prefeito de Paragominas. Ou dirá que são fofocas, meras fofocas. Com o tapete puxado, Adnan teria de refazer seus planos. Ou alçar carreira solo, se tiver gordura política para tal, longe do calor da máquina tucana.

Com o PT na lona, o senador Paulo Rocha, hoje colado nos Barbalho por puro oportunismo, ficará à deriva. A menos que sepulte o sonho da reeleição ao Senado e se candidate a deputado federal. Se a farinha é pouca, o melhor é garantir o pirão na frente. 

Não é preciso combinar nada com os russos, no caso os eleitores. Nem perder tempo com explicações. Bastará dizer que tudo não passa de uma união em favor do Pará e do povo paraense e todos acreditarão.

O povo, ora, o povo. Um mero detalhe.

9 comentários:

  1. O senador Paulo Rocha não disputa reeleição ano que vem. O mandato dele termina só em 2022.

    ResponderExcluir
  2. Mendes. O Paulo Rocha tá fora desta tua análise. Ele tem mais quatro anos de mandato. Aproveitou bem a estratégia do PSDB de ter priorizado a reeleição do Jatene!

    ResponderExcluir
  3. Verdade, Boução. Ele ainda fica até 2022. De resto, a dependência e a ligação do Paulo Rocha é um fato que incomoda o PT local, embora ele seja do chamado campo majoritário, a ala mais fisiológica do partido. Uma espécie de direita da esquerda, só que oportunista.

    ResponderExcluir
  4. O povo bem que poderia dar uma resposta pra esses aproveitadores se tivesse uma dobradinha tipo Adnan e Sidney Rosa. Eles são bons gestores, têm experiência da máquina pública e conhecem bem o Estado. Ah, e tb nunca foram algemados...

    ResponderExcluir
  5. Será, anônimo, que os políticos que você cita teriam coragem e independência de romper os grilhões que os atam a esses velhos caciques do PSDB para construir um caminho próprio? A origem deles me diz que não. De qualquer maneira, respeito sua opinião. Ela é valiosa, porque suscita o debate.

    ResponderExcluir
  6. Só cobra criada! Vai faltar lugar no inferno para todos esses políticos!

    ResponderExcluir
  7. Criterioso jornalista. Tem um porém colocado por um partidário e cacique roxo do PMDB. Eles estão trabalhando para que o Jader seja o candidato ao governo, amparado pelo cabo eleitoral Helder, que agora deverá disputar uma das duas vagas para o senado, e só no futuro viria para governador. Um oligopólio familiar. Jader está fazendo incursões pelo nordeste do estado (até já se uniu em carne e osso, com madame de Bragança)e agora começa a aparecer na RMB, com presenças físicas, entrevistas e artigos em jornal. Jader que se alimenta de política quer governar o estado pela Terceira vez. Resta saber se os eleitores vão dar o amém.

    ResponderExcluir
  8. Talvez seria o caso de indagar junto ao "cacique roxo do PMDB" se Jader teria saúde para encarar uma disputa para o governo. Ele vive à base de remédios e consultas periódicas com especialistas, pois tem um tumor no cérebro. Sua atuação no Senado é pontuada por longo período de ausências, em razão dos tratamentos que faz. Considere o que digo e indague de sua fonte sobre a real possibilidade que ela alardeia sobre Jader.

    ResponderExcluir
  9. O Pará não vai avançar enquanto esses dois grupos pérfidos e seus aliados (como os Maioranas) não forem quebrados e derrotados.

    Uma pena que Edmilson Rodrigues é um covarde. Ele é O cara que tem carisma e popularidade suficiente pra enfrenta-los, e ai vai se aliar com Barbalhos e PT.

    ResponderExcluir