segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

O JORGE LUZ QUE FOI PADRINHO DE CASAMENTO DE HELDER É O MESMO DO ROLO NA LAVA JATO?





Uma informação publicada no sábado pelo site Poder360, do experiente jornalista Fernando Rodrigues - o próprio site retratou-se, sem ir a fundo na defesa do que publicara, alertado por desmentido em nota da assessoria do ministro Helder Barbalho -, disseminou pelas redes sociais a notícia de que o lobista paraense Jorge Luz, que estava foragido e escondido nos Estados Unidos por envolvimento na corrupção na Petrobras, seria padrinho de casamento, em julho de 2006, de Helder, quando este ainda era prefeito de Ananindeua.

Dizia o Poder360, baseado em uma informação de coluna social do "Diário do Pará" da véspera de casamento de Helder Barbalho com Daniela Lima, que Jorge Luz e Jéssica foram padrinhos do então prefeito. Segundo o site, a informação "estava errada".

"Na realidade, trata-se de um homônimo. De acordo com a assessoria do Ministério da Integração Nacional, pasta comandada por Helder Barbalho, a mulher do político tem um primo chamado Jorge Luz. Esse, sim, padrinho de casamento. O texto original foi retirado do ar".

Parada resolvida? Não. O site de Fernando Rodrigues, se não pretendeu fazer sensacionalismo barato, usando uma notícia que sequer procurou checar, deveria ter investigado se o tal Jorge Luz tido como padrinho de casamento era o mesmo Jorge Luz enrolado até a alma na Lava Jato.

Como não apurou, foi obrigado a retratar-se, tomando como verdadeira a informação da assessoria de Helder. Poderia ter ido além, checado o que a nota dizia, e só depois, em caso de comprovação de que havia errado, pedir desculpas, retratando-se.

Não é feio retratar-se. Feio é deixar de apurar. E foi o que fez o site de Fernando Rodrigues. Resultado: a notícia tida como mentirosa pela assessoria de Helder continua a correr pelo Brasil afora. Em Belém, como se vê na edição de "O Liberal" - notório inimigo dos Barbalho -, a coluna "Repórter 70" reafirma o que, em tese, já foi desmentido.

Que coisa, não é mesmo? Pois o blogue Ver-o-Fato, para tirar qualquer dúvida sobre o caso, lança o seguinte desafio ao ministro Helder Barbalho: que ele faça aparecer o Jorge Luz e a Jéssica que foram padrinhos de seu casamento com Daniela, para que o próprio casal de padrinhos mostre a cara, a fotografia, a imagem, desmentindo de uma vez por todas os céticos e os "encarnados" pelo espírito de São Tomé, para que estes vejam e creiam na verdade dos fatos.

Enquanto isto não for feito, ficará sempre no ar a suspeita de que estão "escondendo" o Jorge Luz padrinho de casamento, porque este seria o mesmo Jorge Luz que já está preso na sede da Polícia Federal em Brasília, dividindo a mesma cela com o filho, Bruno, enquanto aguarda transferência para Curitiba, na quinta-feira, depois do Carnaval.

É preciso iluminar essa polêmica, seja com holofote, candeeiro ou a lamparina da verdade. Que o Jorge primo saia da escuridão e lance literalmente uma luz em cima dessa suspeita shakespeariana.

Simples, assim.

Senador não viu

Jader Barbalho, em nota, afirmou que “nunca teve” qualquer relacionamento com Jorge Luz. “Fui apresentado a ele, que tinha um pequeno contrato de consultoria com a Cosanpa (Companhia de Saneamento do Pará) de governos anteriores, no início do meu primeiro governo, acho que em 1983. De lá até a data de hoje nunca mais o vi, nem sei dele”, disse Jader.

“Nunca recebi dele, muito menos do filho dele, nenhum dinheiro, nem contribuição partidária. Se ele usou meu nome para receber e distribuir dinheiro foi sem meu conhecimento ou trata-se de informação mentirosa”, afirmou o senador.

Segundo Barbalho, se os dois já estiveram juntos em algum local “não o vi e nem tomei conhecimento de sua presença, porque nem me lembro da cara dele”.

Um comentário:

  1. henrique de Miranda Sandres Neto/advogado27 de fevereiro de 2017 16:03

    Na minha infância quando se ia ao cinema no inicio do filme aparecia o aviso:"Qualquer semelhança com fatos reais é mera coincidência". Essa providência era para os produtores se precaverem de alguém que viesse a dizer que o filme estava contando uma história de sua vida e exigir alguma indenização.
    Com a evolução da tecnologia e das leis essa prática foi abandonada pelos produtores Hollydianos.
    No caso dos Barbalhos pode se dizer que qualquer semelhança não é mera coincidência,pois diz o jornalista há muitas coincidências e semelhanças, vejamos:
    a) Este Jorge Luz, possui raízes no Pará,b)É um dos mais antigos lobistas pro PMDB c) Até o momento nem o pai Barbalho, nem o filho se dignaram a apontar quem é o verdadeiro homônimo, se reside em Belém e que venha a se apresentar para a grande imprensa ou para este blog, para que haja a confirmação formal da existência do homônimo.
    E só para arrematar: Estes senhores estão fazendo pouco de nossa inteligência, com justificativas que não se sustentam, como fez o mula José Yunes também passador de propina para o PMDB ao tentar nos convencer que R$ 10.000.000,00 cabem num envelope.

    Henrique de Miranda Sandres Neto/Advogado.

    ResponderExcluir