quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

JATENE VIU O PAPA E NÃO TOMOU PUXÃO DE ORELHA. O POVO AGRADECERIA SE TOMASSE

O papa cumprimenta Jatene: foto da assessoria do governo estadual.

Em passeio pela Itália - enquanto no Estado a violência cresce a cada dia e se espalha até para áreas antes tranquilas, isto sem falar no caos na educação e na saúde -, o governador Simão Jatene foi recebido pelo papa Francisco, hoje, em Roma.
 

Se foi confessar seus pecados e omissões como governante, mais até que citar seus acertos, Jatene acertou na mosca. Estava na hora. Nunca é tarde para isso. Ruim é persistir nas velhas práticas que levam o Pará a ser um dos estados com os piores índices de desenvolvimento humano do país.  

Jatene diz que foi a Roma atendendo a um convite do arcebispo do Rio de Janeiro, o boa praça dom Orani Tempesta. E mais: o governador divulgou que o custo de estadia e transporte, dele e da mulher, Ana Jatene, na Itália, sairá de seu próprio bolso. 

Menos mal, embora o coronel que chefia seu Gabinete Militar fique em plagas italianas por 14 dias e meio às custas do erário público, sem que se explique o que de fato foi fazer por lá durante tanto tempo.

O blogue não é contra que um governante, entediado com o poder e sem tesão para governar um Estado repleto de desafios, decida chutar o pau da barraca e sair pelo mundo afora, para relaxar a cabeça.

O que inquieta os paraenses é que isso ocorra na metade do terceiro mandato. Pelas esquinas do Pará e por alguns gabinetes, inclusive oficiais, o que se diz é que Simão Jatene anda desanimado, macambúzio, sem tutano - como dizia seu ex-padrinho político, Almir Gabriel - para continuar governando o Pará. 

O papa Francisco, em sua sabedoria e bondade, não tem a obrigação de dar conselhos a um governante que parece ter jogado a toalha em pleno andamento do jogo político e com adversários fungando em seu cangote a toda hora, mas bem que poderia ter dado uns santos puxões de orelha em Jatene.

"Pare de enrolar seu povo e governe com disposição neste tempos de crise", poderia ter dito o papa. Motivos não faltariam ao santo padre.

O Pará agradeceria.




4 comentários:

  1. O Papa acaba ajudando estes governantes pilantras que se aproveitam do cargo para passear com o dinheiro público. O Papa Francisco deveria ter excomungado este capeta, fazedor de gente infeliz, pecador costumaz, semeador de ódio. Deveria também aproveitar a oportunidade para perguntar: o que fazes de bem pelo povo de DEUS, seu preguiçoso vadio.

    ResponderExcluir
  2. Um amigo chamado Jorge Caldeiraro cantou a pedra dessa viagem do Jateme a Roma no final do ano passado , perguntei se o motivo era religioso e teve como resposta a palavra "Arrependimento"

    ResponderExcluir
  3. Presente ou ausente nada vai alterar no Pará.
    Então deixem o governador nas suas férias italianas.
    Quem sabe a benção papal vai mexer com sua cabeça sonolenta, hein?

    ResponderExcluir
  4. HÁ TEMPOS O BRASIL NÃO PRODUZ UM POLITICO VOLTADO PARA OS INTERESSES DO POVO.PARTIDOS SURGEM MAIS EM CAUSA PROPRIA. PERDEU-SE O SENTIDO DE POLITICA E SURGIU O SENTIDO DE RAPINA.ESTAMOS CONDENADOS À RUINA.NESTE GOVERNO E NOS PROXIMOS.AS ELEIÇÕES SÓ SERVEM PARA LEGALIZAR A BANDALHEIRA.NEM O PAPA DÁ JEITO.FALTA-NOS CORAGEM PARA MUDAR.

    ResponderExcluir