sábado, 21 de janeiro de 2017

JATENE MANDA INVESTIGAR 27 MORTES EM 24 HORAS EM BELÉM. E O POVO, COM MEDO



Na versão oficial - extraoficialmente fala-se pelos quatro cantos, inclusive de escápula em escápula das redes sociais, que foi bem mais - da manhã de sexta-feira, até a manhã deste sábado, após a morte do soldado da Rotam, da Polícia Militar,  Rafael da Silva Costa, foram registrados 27 homicídios em 16 bairros da Região Metropolitana de Belém. Um retrato da barbárie em que vive o país, particularmente o Pará.

Em nota enviada ao Ver-o-Fato, o governo de Simão Jatene afirma que " não tolera situações como as ocorridas nesta sexta-feira (20), em que a Região Metropolitana de Belém registrou uma série de homicídios, cujas ocorrências estão muito além da média".

Segundo a nota, a Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social do Pará instalou na tarde da própria sexta-feira um gabinete permanente de situação, envolvendo todos os órgãos da área, para acompanhar e monitorar os acontecimentos.

E mais: "alguns desses crimes têm indícios de execução e podem ter relação com a morte do soldado da Rotam, ocorrido na manhã do dia 20". Em vista disso, o governador do Estado, Simão Jatene, convocou na manhã deste sábado os gestores da área de segurança do Estado e determinou "rigorosa apuração de todos os crimes".

Nessa apuração da matança estão envolvidas diretamente as corregedorias da Polícia Civil e Polícia Militar, para "esclarecer os fatos, identificar e punir os responsáveis". A nota finaliza dizendo que o governo estadual já estaria "tomando outras providências" para garantir a "segurança da população" e que serão divulgadas oportunamente.

Jatene parece ter acordado tarde para o problema. E a população, apavorada, descrente, não tem ânimo nem motivos sequer para aplaudir as providências do governador. 

Ela está - e continuará - horrorizada. E temerosa, também.

4 comentários:

  1. Impressionante o discurso oficial do Estado, parece que nós cidadãos somos acéfalos. Claro que as milícias de nossa capital não iam deixar barato o assassinato do soldado. O problema é o poder paralelo que essas milícias exercem, colocando estado e cidadãos de joelhos.

    ResponderExcluir
  2. É lamentável esse matança. O analista da Justiça Federal Paulo Roberto da Silva Costa foi assassinado por 2 homens numa moto no dia 13 de novembro de 2015 e nunca foi esclarecido.
    Conheci Paulo em Santarém. Eu e minha esposa ajudamos na educação dele. O assassinato aconteceu também depois da morte de um Policial Militar. Infelizmente o Paulo conhecia a irmã do suspeito que foi se apresentar à Polícia durante a noite. A irmã do suspeito telefonou, pedindo ao Paulo que fosse lhe buscar na delegacia, mas depois desistiu da carona. Pouco tempo depois dois assassinos o mataram.
    Não tenho nenhuma dúvida de que não haverá esclarecimentos. É imperioso que a pena de morte acabe.
    Desconheço o motivo e a autoridade de quem comete tais crimes. Mas é certo que toda vez que um policial é morto, muitas pessoas morrem. Espero que seja uma nefasta coincidência.
    No mais, duvido que seja esclarecida a morte do policial e das que se seguiram

    ResponderExcluir
  3. Concordo plenamente, dr. João Batista. Estamos vivendo uma cultura de violência que se agrava na medida em que o próprio Estado, suposto guardião da segurança pública, queada-se inoperante e inerte e revela-se impotente para segurar o braço armado de seus agentes - isto sem falar nas milícias que agem impunemente. O Estado não tem o direito de matar - ou coonestar, indiretamente a ação de supostos justiceiros - os que vivem à margem da lei. Os criminosos devem ser entregues à Justiça para que ela os julgue. O que ocorreu com esse rapaz, analista da Justiça Federal, o Paulo Roberto, infelizmente ocorre com outras pessoas inocentes que vivem em áreas controladas por criminosos. Elas não pediram para morar nesses locais. Foram premidas pelas condições sociais. Tempos sombrios, estes que vivevemos.

    ResponderExcluir
  4. Isso reflete o governo que temos, atualmente no Pará , governador há mais de 20 anos, pela TUCANALHA, exatamente nesse período a bandidagem aumentou em 1200%, o sistema carcerário e o povo que se lixe.Cadê esses medíocres e conviventes deputados estaduais que não dão o impeachament do governador Jateve?

    ResponderExcluir