VER-O-FATO: QUE VENHA 2017. NÃO O TEMEMOS

sábado, 31 de dezembro de 2016

QUE VENHA 2017. NÃO O TEMEMOS

Ora, ora, 2016 foi embora. Pois já foi tarde. Foi um ano ruim para milhões de brasileiros. Muitos perderam o emprego, deixando para trás projetos de vida e sonhos. Restaram dívidas, incertezas quanto ao futuro, e desesperança. O ano de 2017 chega como uma incógnita. O que ele nos reserva, porém, pouco importa.

Carlos Drummond de Andrade, ao refletir sobre as festas comemorativas de início de Ano Novo escreveu que : "quem teve a idéia de cortar o tempo em fatias, a que se deu o nome de ano, foi um indivíduo genial.
Industrializou a esperança, fazendo-a funcionar no limite da exaustão".

"Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e entregar os pontos. Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra vez, com outro número e outra vontade de acreditar que daqui pra diante vai ser diferente". Drummond tem razão.

Mas o milagre da renovação, no entanto, não se dá pura e simplesmente com a troca de um número no calendário, o milagre da renovação se dará na forma como enfrentaremos as adversidades postas em nosso caminho. 2017 traz seus desafios e imprevisibilidade. Pior do que 2016, porém, não poderia ficar.

Então, que ele venha, porque teremos de enfrentá-lo de qualquer maneira. Não temos para onde fugir e nem devemos temê-lo. O que não podemos é deixar que governos - qualquer governo - governem nossas vidas. É claro que viveríamos melhor sem governantes relapsos, incompetentes e corruptos.

Resta-nos, contudo, fazer a nossa parte, tocar nossas vidas, sem depender de governos, mas nunca sem deixar de vigiá-los, cobrar obras e serviços que nos afetam, fiscalizar os gastos dos recursos oriundos dos impostos que pagamos, e não permitir que eles nos roubem como têm roubado. Nossa paciência já alcançou o limite.

A compreensão dessa vigilância e seu exercício cotidiano de cidadania já serão mais do que suficientes para que entremos em 2017 numa nova fase da vida nacional.

Encaremos esse desafio sem medo.

Que venha 2017.

Nenhum comentário:

Postar um comentário