quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

MATARAM O BLOGUEIRO ANGOLANO QUE CRITICAVA POLÍTICOS EM ABEL FIGUEIREDO, NO PARÁ

O angolano Walter Etna Durval, com as filhas: vítima por criticar poderosos no Pará?


Conhecido no município de Abel Figueiredo, no sudeste paraense, por criticar autoridades locais, principalmente políticos, o blogueiro angolano Walter Etna Durval, de 34 anos, que há três anos morava no Brasil, foi morto a tiros por um homem ao abrir a porta de casa para atender alguém que nela batia.

Os tiros foram desferidos contra o rosto do angolano. A polícia abriu inquérito para apurar o caso e investiga a hipotese de crime de encomenda. O crime aconteceu na última terça-feira e chocou a cidade onde Walter Durval era muito conhecido. A página do blog pode ser acessada no seguinte endereço: http://ultimas24horas-u24h.tumblr.com/

Ele deixou a mulher, brasileira, e duas filhas menores. A polícia ainda não tem pista do assassino. A execuçao ocorreu na frente da mulher e das crianças. O corpo foi levado para o Instituto Médico Legal de Marabá, onde passou por perícia, e já retornou para Abel Figueiredo, onde está sendo velado na Câmara Municipal. O enterro seria realizado na tarde de hoje.

De acordo com o blog O Folheto, o angolano foi vítima de "racismo e intolerância". "Mataram um dos principais representantes do diálogo e da democracia em Abel Figueiredo, mataram covardemente Walter Etna Duvall. Mataram covardemente porque não fazem diferente, porque não aceitam a crítica, porque insistem no racismo, porque só conhecem o "olho por olho e o dente por dente".

"Mataram a boa política, o diálogo e tolerância. Mataram um sonhador, um "filodemos" (amigo do povo), alguém que defendia a identidade cultural. Alguma coisa tem que ser feita para quebrar a lógica miúda da intolerância. Justiça a Walter Etna Duvall... Justiça", diz o blog.

Xenofobia? Racismo? Crime político? Fanatismo? Covardia? Categorias que evidencia uma situação política e existencial no Brasil: o coronelismo, a Lei de Talião, a ausência de diálogo, o acriticismo. "O Walter era um militante político comprometido. No começo do ano participou de reuniões e passeatas do MST, protestou diversas vezes contra a hipocrisia do impeachment da Dilma",enfatiza O Folheto.

Segundo o blog, a vítima fez ácidas e profundas análises de conjuntura em relação ao mundo, ao Brasil, ao Pará e a Abel Figueiredo: tal fato incomodava muito em Abel Figueiredo. "Amante da língua portuguesa, defensor das raízes afro e da africanidade... Devoto na democracia, Walter era um angolano apaixonado pelo Pará! Justiça!”.

4 comentários:

  1. Qual a necessidade do sr. expor duas crianças e ainda ao lado coloca a foto da vitima morta?
    audiência?

    ResponderExcluir
  2. Quem era a vítima: um pai de família conhecido na cidade por estar sempre acompanhado das filhas? A exposição negativa está nos olhos enviesados de quem a vê.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. me desculpe mais sua explicação é muito simplória para o que foi questionado

      Excluir
  3. Se quer realmente debaater, sugiro ao anônimo que saia do anonimato, identifique-se a traga à lume um argumento consistente. Não polemizo com quem se refugia nas sombras.

    ResponderExcluir