terça-feira, 20 de dezembro de 2016

EM VÍDEO, JATENE FALA DA PRISÃO, NEGA "DESVIO DE CONDUTA" DO FILHO, E ATACA BARBALHO

 


Num vídeo de 10 minutos, o governador Simão Jatene (PSDB) rompeu o silêncio de cinco dias, sobre a prisão do filho dele, Alberto Lima Jatene, o "Beto Jatene" e produziu comentários que aqui reproduzo, não na íntegra  - você terá de ver o vídeo completo para ouvir o som e o tom na voz do governador, que demonstra estar emocionalmente abalado, mas ainda assim afiado para responsabilizar quem, na opinião dele, estaria se aproveitando da situação para "atacar minha honra e minha família". Ele afirma que "Beto Jatene" não registra "qualquer desvio de conduta".

Como seria de se esperar, Jatene se defende atacando o grupo de comunicação do senador Jader Barbalho, seu ex-amigo e do qual foi assessor quando o peemedebista comandou o ministério da Reforma Agrária no governo de José Sarney, mas hoje é seu voraz inimigo político. O governador, nas entrelinhas, dá a entender que os Barbalho estariam por detrás da ação da Polícia Federal na "Operação Timóteo", realizada em onze estados e cujo esquema menciona "Beto Jatene", o prefeito eleito de Parauapebas, Darci Lermen, o conselheiro e ex-presidente do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM-PA) Aloysio Lopes Chaves, o "Lula Chaves", o servidor da Assembleia Legislativa Eduardo Moraes, além de empresários e escritórios de advocacia.

Para o governador, os Barbalho o atacam todos os dias, "denegrindo minha honra e de minha família, no grupo de comunicação sem escrúpulos, que visa enganar a população para alcançar o poder".  A respeito da motivação da prisão do filho, Jatene diz que se deu ao trabalho de ler "centenas de páginas " - teve acesso ao inquérito -, mas observa que "Beto Jatene" é citado "pouquíssimas vezes".

"Meu filho teve decretada prisão temporária pelo fato de terem sido identificados dois depósitos, feitos por alguém sob investigação nas contas de duas empresas das quais sequer é o sócio administrador. Assim, o que poderia ter sido facilmente esclarecido com uma intimação, para depoimento perante a autoridade policial, uma vez que os depósitos se referiam a dois contratos assinados entre os postos e a pessoa investigada, foi transformado em prisão com todas as consequências familiares, sociais, psicológicas, enfim, de qualquer ato de privação de liberdade", diz o governador.

Por outro lado, ainda segundo Jatene, vale a pena citar o trecho da peça de acusação " a qual só tivemos acesso após a prisão", que diz textualmente: "em que pese a inexistência de elementos aptos a indicar nesse momento qualquer tipo de participação de Alberto Jatene nas fraudes perpetradas em desfavor do município de Parauapebas, fato inconteste é que duas de suas empresas receberam transferências de recursos de origem ilícita".

Jatene, sobre essa afirmação da Polícia Federal, faz o seguinte comentário: "como se um comerciante pudesse saber a origem dos recursos de todas as pessoas com as quais transaciona. A rigor, tal afirmação só confirma que, lamentavelmente, as autoridades sustentaram uma prisão, ainda que temporária, num quadro de absoluta insegurança e dúvida, quanto a qualquer tipo de participação ou prática de um ato ilícito. O que, além de sinal dos tempos, é no mínimo temerário em qualquer sociedade moderna e democrática".

Ele também afirma que, "embora sangrando, com tanta dor e prejuízo irreparável, por princípios morais e éticos, devemos todos apoiar iniciativas que contribuam para a abolição da podridão  que, se não alcançou todas as pessoas, parece ter encontrado abrigo em todos os poderes, todas as esferas de governo e todas as instituições públicas e privadas". 

Clique abaixo e veja a íntegra das declarações do governador do Pará:


4 comentários:

  1. Quero ver o governador explicar pq tirou o abastecimento da frota do estado do cartão Banpará com taxa zero de administração para favorecer o grupo Equador, que cobrava mais de 3%, e pq o abastecimento ficou concentrado nos postos de gasolina em q o filho dele entrou de sócio havia pouco tempo, entre 2011 e novembro de 2016?
    Agora, imagino, q o governador vá fazer o mesmo q fez com os membros do MPE que ousaram investigar a ele e ao filho em relação ao abastecimento da frota do estado, só que, em vez de pedir providências ao CNMP e à ouvidoria do MPE, vá acionar a corregedoria da Justiça Federal e da Polícia Federal.

    ResponderExcluir
  2. Pimenta no c. dos outros é refresco, né governador?

    ResponderExcluir
  3. Esse Governador é um cara de pau. Quem descobriu a falcatrua e safadeza do filho dele foi a Polícia Federal. Ele não vai querer que a gente acredite em Papai Noel. Ele só tem a cara de santo, os filhos dele fazem o que bem entendem no Governo dele, enquanto a população está à míngua com escolas caindo aos pedaços, os postos de saúde e hospitais sem condições de atendimento. Eles metem a mão, e agora ele quer aumentar imposto, a contribuição previdenciária dos servidores públicos. Fala sério, me conte outra governador.

    ResponderExcluir
  4. Ai o bode velho pede aumento de impostos, a alepra vai aprovar, e depois que tiver o montante arrecadado, vem a filha e o filho ladrão e levam tudo, e os abestados do povo ficam chupando o dedo e ainda o reelegem.

    ResponderExcluir