VER-O-FATO: TIROTEIO NO LIDER...E EU ESTAVA LÁ

domingo, 6 de novembro de 2016

TIROTEIO NO LIDER...E EU ESTAVA LÁ

O começo da noite de sábado foi de pânico no Lider da Doca: um retrato de Belém

Atualizada - Fala, Oscar Rodrigues

A propósito  do ocorrido, o sr. Oscar Rodrigues, presidente do Grupo Lider de supermercados, postou no whatsapp o seguinte comentário, que ele chama de "a título de esclarecimento": "só a título de esclarecimento, houve uma tentativa de assalto em um restaurante ao lado do Líder Doca e os meliantes tentaram entrar na loja para se esconder, a equipe de segurança agiu de pronto e os bandidos recuaram. Parabéns à brava equipe de segurança do Grupo Líder".
______________________________________________________

Prezados e prezadas, a violência em Belém escreve diariamente, com muito medo e sangue, uma parte desses tempos sombrios e de insegurança que vivemos, seja na porta de casa, até dentro dela, na rua, em locais públicos, ou fechados, como shoppings e supermercados.

E por falar em supermercado, ontem, na Doca de Souza Franco, a dita avenida das "zelites", uma cena digna da Belém que temos e da qual ninguém nos livra, estremeceu quem fazia compras, chegava ou saía do local. Bandidos trocavam tiros com policiais. Os relatos são de pânico de clientes que lá estavam.  

O blog selecionou um desses relatos, o do desembargador do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região  (TRT), Georgenor de Sousa Franco Filho. Ele estava em companhia da esposa e passou por momentos de terror. Seu relato:

"Pois é! Hoje, por volta de 18h, Elza Sousa Franco e eu estávamos no supermercado Líder que fica na Doca de Sousa Franco. Tinhamos ido ao "Magazin" (que estranhamente é grafado em um galicismo mais estranho do que "magazine": MagazAn). Vimos o que queríamos e fomos ao estacionamento. Do lado da sorveteria, a Elza atendeu um telefonema e sentou-se e eu fiquei esperando e olhando uma revistaria. Quando ela acabou de falar, fomos para a escada rolante para as compras. 

Nisso, ouvimos dois tiros. Gente, nem conto... Bala, todos sabemos, não tem letreiro. E, pernas, prá que te quero?!?! Voltamos correndo e fomos para a escada fixa, onde outros tantos ja corriam também. Na mudança de lance para chegar no andar superior, ouvimos mais tiros e a Elza viu a fumaça da pólvora. Meia volta. Invés de subir, voltamos a descer em pânico. 

...E corre, corre... Fomos para o estacionamento. Nós e uma multidão apavorada. Adultos, crianças, novos, velhos, com compras, sem compras, e todos, sem exceção, com medo, muito medo mesmo.

No estacionamento, todo mundo procurando um canto para se proteger das balas. Eu disse a uma senhora: entre no seu carro e fique quieta. O marido abriu a porta e disse para nós: entrem voces também ai atrás.

E ficamos os quatro. E a senhora não se comportava. Queria porque queria tomar conhecimento de tudo. E o marido disse: mulher, fica quieta. Quer morrer? E ela: quero ver, saber o que há.

Então, vai, mulher, e não reclama depois, replicou ele. Eu meti meu bedelho: senhora, se acomode, entre e fique sentada ai. Ela entrou e sentou.

Passados uns minutos (que foram longos prá xuxu) voltamos a ficar de pé, olhando para os que vinham, mais lentamente, e  não menos apavorados, de dentro do supermercado. E a informação esperada: eram dois meliantes, a polícia os prendeu, a paz voltou a reinar.

Desistimos das compras. Pegamos o carro e viemos para casa, tomar um calmante para baixar a pressão.
Ainda fiquei sabendo, depois, que meu cunhado, Bernardino, irmão da Elza, estava lá no andar de cima do Líder.

Meus caros, eu já fui assaltado umas 8 vezes (até em Paris), já sofri sequestro relâmpago em dezembro de 2009, mas nunca tinha ouvido tão perto um tiroteio, inicio de noite, em plena Doca de Sousa Franco, num dos maiores supermercados de Belém.

Não sei se os assaltantes já estão na rua de novo. Não sei os que foram com eles. Sei, todavia, um monte de coisas que, lamentavelmente, gostaria muito de não saber.

Mas sei que continuaremos a não ter segurança, que os bandidos continuarão assaltando e atirando em pessoas inocentes, que as crianças permanecerão em pânico permanente, que os direitos humanos das vítimas ficam para depois, porque, realmente, o relevante, o que dá  cartaz, o que engrandece e enobrece alguns segmentos da sociedade, não é defender quem sofre, quem é vítima de bandidos, assaltantes, ladrões, sequestradores. 

A vítima não tem importância. Ela é a culpada dos problemas sociais que existem. Alguns querem que todos tenham pena dos bandidos, segregados, excluídos que matam, assaltam, sequestram, roubam, porque não possuem opção... Eles, os criminosos, precisam de compreensão e ajuda para que possam obter sua reinserção na sociedade que os excluiu maldosamente.

É assim que pensam os que nunca sofreram o que eu já sofri (assaltos e sequestro, e, agora, um tiroteio básico). E hoje, com a graça de Deus e de Nossa Senhora de Nazaré, consegui, junto com a Elza, escapar mais uma vez..."

11 comentários:

  1. Nossa,que aflição! Graças à Deus que ocorreu tudo bem, concordo em gênero, número,e, grau, seu posicionamento à respeito dos direitos humanos, espero um dia poder mudar de idéia. Enquanto isso não acontece, vivemos nessa insegurança até para fazer compras em supermercados como este da "zelite"

    ResponderExcluir
  2. Primeiramente não houve tiroteio eu trabalho onde td começou q foi na próximo a esquina com a travessa Tiradentes,os dois meliantes tentaram assaltar um senhor na calçada e um policial a paisana q estava passando de carro viu o acontecido e começou a disparar, não houve troca d tiro e nem o assalto foi na frente do líder como muitos contam, depois do acontecido o próprio policia conversou com a gente e o próprio disse q não houve disparo por parte dos bandidos até mesmo pq eles abandonaram a moto na qual estavam e fugiram a pé...

    ResponderExcluir
  3. Eu estive lá pra pagar o condomínio na loteria esportiva e depois, fui ao super mercado para comprar umas besteiras e sai depois das 18:00 horas. Cara, que sorte a minha em não ter presenciado dessa safadesa de bandidagem!

    ResponderExcluir
  4. graças a polícia que fez um excelente trabalho sem vitimas... infelizmente o poder legislativo vai tira-lo mais uma vez a n ser que mude todo o sistema penitenciário que é o mais fraco de todo o mundo....

    ResponderExcluir
  5. Brasil todo assim, a Câmara e o Senado estão assistindo os brasileiros morrerem e não tratam de mudar a leis criminais acabando com as benecias dadas aos bandidos são 13 anos de PT criando marginais o pior ,continuam querendo manter o povo honesto desarmado

    ResponderExcluir
  6. Concordo com sua posição, pois enquanto tivermos juíses que passam a mão na cabeça dos marginais e policiais que pegam própina deles, a nossa belém irá continuar nesse caos, e é dai pra pior, pois se eles são escluídos muitas vezes da própria família, boas pessoas não ha de ser, como podemos ressocializar um ser que nunca foi social, educação vem de berço, graças a Deus não ouve vitima, pois quando há vitimas o ladrão vai pra cadeia e recebe uma bolça, e a família da vitima não recebe nada alem do corpo da vitima.Isso só resolverá quando começarem a roubar a família de policiais e autoridades, dessa maneira talvez não deixem escapar quando pegarem um bandido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aula Língua Portuguesa cairia muito bem, obrigado, de nada!

      Excluir
  7. Eu e minha irmã também estávamos lá dentro do supermercado e ouvimos os tiros. Foram três. Uma multidão correu para o depósito de hortifruti. Ouvimos mais um tiro de lá...
    Quando tudo se acalmou veio um funcionário e disse para todas as pessoas que ali estavam que saíssem que nada tinha acontecido. Reclamamos exigindo segurança para sair. Fomos acusadas de tumultuar a situação porque nada tinha acontecido. Não sei o que foi pior: o pânico ou o desrespeito com o nosso estado de aflição...

    ResponderExcluir
  8. Eu e minha irmã estávamos dentro do supermercado nesta hora. Ouvimos três tiros. Uma multidão em pânico, crianças chorando, gente se jogando no chão. Alguns correram para o depósito de hortifruti e fomos com essa multidão. Ouvimos outro tiro. Depois de uns minutos veio o funcionário lá de fora dizendo que era pra sairmos de lá que não tinha acontecido nada. Reclamamos exigindo segurança para sair e fomos acusadas de tumultuar a situação. Não sei o que foi pior: o pânico vivido ou o desrespeito com a nossa situação de aflição...

    ResponderExcluir
  9. "Nós fazemos a notícia!"... repete o bravo locutor!
    É mesmo, o que é pior a gente não sabe em quem acreditar. um diz que não houve tiro dentro do ambiente "dazelite", outros dizem que houve três tiros...
    No cômputo geral, o que se verifica é uma situação caótica não só aqui em Belém, o Brasil todo padece dessa insegurança. Os "canalhas" e os "bandidos de toga", tem sim culpa nesse descalabro, o governo, seja dos "ptralhas" ou dos "metralhas", nem "psdbestas", tiveram a competência de colocar uma ordem nessa bagunça... pagamos todos nós por essa situação!
    Deus nos salve dos bandidos, inclusive dos "canalhas" e dos "de toga"...

    ResponderExcluir
  10. Deus é quem protege,cuida de cada um,foi ele que estava lá e deu a cada um o LIVRAMENTO. Quem faz milagres,é somente DEUS.Dou Glórias e Glórias a Ele.Amém

    ResponderExcluir