sábado, 12 de novembro de 2016

AUTORIDADES DO PARÁ, MUDEM-SE POR 1 DIA PARA MARITUBA E SINTAM O QUE É O LIXÃO DA REVITA

 

Ou a Assembleia Legislativa do Pará - com essa convocação acima da população do Lixão da Revita, em Marituba - toma uma posição digna, sem rodeios ou novas enrolações do problema, com discursos vazios, mas inflamados para boi dormir, ou estará definitivamente desmoralizada perante o povo do Pará. 

Povo que, aliás, cobra posições mais firmes e claras dos nossos políticos para outros inúmeros problemas que por ora não citaremos, mas que todos sabem atrasam nosso desenvolvimento e fazem com que o Pará continue a patinar nos piores índices de desenvolvimento humano do país. 

No convite aos moradores de Marituba e do Quilombo do Abacatal, sufocados há mais de um ano pelo mau cheiro insuportável daquilo que a  Revita teima em negar que seja um lixão, mas não prova que não é, a Alepa fala que na sessão do próximo dia 17, às 10 horas da manhã, serão debatidas "alternativas" para a central de lixo.

Muito bem. Se as autoridades paraenses de fato respeitassem as leis ambientais do país e usassem seus órgãos fiscalizadores para que elas fossem cumpridas, o descalabro e os crimes que diariamente são praticados contra o povo de Marituba já teriam sido punidos com máximo rigor. 

Espera-se que, desta vez, a Alepa acorde de seu sono letárgico e deputados que apóiam a imoralidade desse lixão, capaz de contrariar todas as normas sanitárias da Organização Mundial de Saúde, encontrem uma rápida solução para o grave problema. Tanta omissão já extrapolou todos os limites de paciência dos moradores de Marituba.

Vão morar lá

O Ver-o-Fato sugere que nossos deputados, diretores da Revita, membros do Ministério Público, do Poder Judiciário, da Semas, do Ibama, o próprio governador Simão Jatene, o prefeito reeleito ( mas na corda bamba judicial), Zenaldo Coutinho, e que tais,  antes da sessão do dia 17, no plenário da Alepa, transfiram-se,  apenas por um dia, de seus confortáveis endereços onde residem, para a área no entorno do Lixão da Revita.

Aluguem uma casa - quem sabe um prédio às proximidades do Lixão -, para abrigar todas essas diletas autoridades apenas por 24 horas. Nem precisarão, nessa hospedagem de 1 dia do resto de suas vidas, abrir a janela para sentir o fedor que as famílias que lá residem experimentam todos os dias, a toda hora, a ponto de algumas vomitarem na hora do almoço ou do jantar. Ou de sofrerem sérios problemas de saúde.

Fica a sugestão do blog. 

Vamos nessa, doutores?  

5 comentários:

  1. O blogueiro devia fazer o que sugere para dar o exemplo e também morar perto do lixão para sentir a catinga.

    ResponderExcluir
  2. Já fiz isso, meu caro anônimo. Não uma, mas diversas vezes. É por isto que convido as nossas autoridades competentes para fazerem o mesmo, até mesmo o próprio anônimo incomodado com a postagem sobre o lixão da Revita. Coloque-se no lugar daquelas mais de 10 mil famílias e saberá o que digo, vi, ouvi e senti.

    ResponderExcluir
  3. Você acha que esta turma de secretários almofadinhas vai passar pelo menos perto do lixão. Faça-me o favor. Estes canalhas jamais irão defumar suas roupinhas besuntadas de perfume francês, engomadinhas e cheias de salamaleques de MIAMI. Estes sujeitos têm horror ao cheiro do povo, não se misturam ao povo. Povo é o instrumento do poder que conseguem nas urnas para poder usufruir os privilégios que se auto concedem, pois tem direito adquirido, imunidade e outras sem vergonhices obtidas nas madrugadas do legislativo. Eles não deveriam passar o dia lá, deveriam passar a morar lá, só assim sentiriam e sofreriam das mazelas que criaram. O pioneiro, o mario, este bosta do zé nada todos muito abastados com os anos de vida parlamentar têm preferências mais nobres, jamais morar às proximidades de um lixão. Isso fica para carminha!

    ResponderExcluir
  4. Isso mesmo sr. Anônimo...vá la passar um dia pra ver o que achas...

    ResponderExcluir
  5. Caríssimo Carlos, você escreveu de maneira simples e direta como deve ser o bom jornalismo. Esse repto (ops) que fazes é o que sempre fazem os moradores, aliás, majoritariamente moradoras. As mulheres revelaram-se guerreiras, até porque são elas que cumprem a terceira e quarta jornadas, cuidando à noite das crianças que não conseguem dormir com crises de asma, provocada pela "catinga" de podridão. Almoça-se e janta-se com as janelas fechadas e o uso de máscara cirúrgica, aquela uma barata usada por cozinheira de restaurante passou a fazer parte do vestuário doméstico, sem dispensar o Vick no nariz. Daria uma boa charge de humor negro...

    ResponderExcluir