VER-O-FATO: EDER MAURO NÃO VAI APOIAR ZENALDO. MAS QUE RUMO IRÁ TOMAR?

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

EDER MAURO NÃO VAI APOIAR ZENALDO. MAS QUE RUMO IRÁ TOMAR?

A decisão do deputado envolve um capital de 128 mil votos

O deputado federal Eder Mauro (PSD) informou ao Ver-o-Fato que nesta sexta-feira, às 15 horas, na sede do partido - localizada à avenida Senador Lemos, entre Manoel Evaristo e Coronel Luiz Bentes -, anuncia que rumo irá tomar no segundo turno da eleição à prefeitura de Belém. Ele obteve 128 mil votos no primeiro turno, ficando em terceiro lugar na disputa.  

Ele tem sido intensamente assediado nos últimos dias pelos tucanos para apoiar  Zenaldo, com ofertas mirabolantes, incluindo até secretárias e órgãos importantes do governo Jatene. No plano estadual, é bom que se diga, o PSD apóia Jatene, mas o deputado, pessoalmente, tem feitos críticas à atuação da segurança pública e encampado a luta por melhores condições de trabalho dos policiais civis.

Além disso, durante a eleição no primeiro turno, sofreu duros ataques de Zenaldo, que chegou a dizer que ele não tinha as mínimas condições de ser prefeito de Belém porque sequer sabia como funciona a máquina municipal. 


Foi o deputado, numa das resposta ao prefeito tucano, quem cunhou a expressão "Zenaldolândia", para dizer que Zenaldo Coutinho mostrava em seus programas eleitorais uma cidade que não existia, uma Belém do faz-de-conta. Eder Mauro chamou de "mentiroso" várias vezes o prefeito. 

Das três alternativas de Eder Mauro para definir sua posição no segundo turno, uma já é clara: ele não vai apoiar Zenaldo, que praticamente o desqualificou no horário eleitoral. As outras duas alternativas são a neutralidade, "liberando" os que nele votaram para escolher o candidato de sua preferência, ou declarar apoio a Edmilson, mesmo que entre os dois haja claras diferenças ideológicas.

Os cardeais tucanos, prevenidos contra eventualidades, já trataram de arranjar uma desculpa no caso de o deputado não apoiar o prefeito: Eder Mauro não teria autorização do PSD para falar em nome do partido. O que, no frigir dos ovos, não o impede de tomar a decisão que já tomou.   

Em eleição de segundo turno - com raras exceções na política nacional e local -, a maioria dos eleitores não costuma seguir a declaração de apoio de seus líderes, optando por escolher carreira solo. Isso é válido tanto para Eder Mauro como para Úrsula Vidal e Maneschy, estes já ao lado de Edmilson.

Há, porém, um detalhe a ser considerado: se os eleitores de Úrsula, Maneschy e Eder Mauro votaram nos três candidatos porque estão insatisfeitos com a administração de Zenaldo e não o querem mais nem pintado no poder - e a alta rejeição que o prefeito carrega é um fato que não pode ser ignorado, nem minimizado - nesse caso a maioria que esteve com os três deve votar em Edmilson, para derrubar o continuismo do tucano.

Um fato a ser conferido. Ou desmentido.

Ao gosto do eleitor.

6 comentários:

  1. Me faz lembrar o saudoso "Papudinho": "eu choro!"
    Zenaldo, como a maioria dos Prefeitos brasileiros (assim como os governadores), pagam um preço alto por administrarem uma crise conjuntural... Que o diga a Venezuela que retirou seu consulado do Brasil e agora mandou de volta, assim, é que estão alguns políticos como o povo diz na gíria, se fazendo de "cu doce"...
    É uma questão de escolha, os "desclassificados" no primeiro turno, ou ficam com os tucanos e caem nos braços da barbalhada; aí começa a corrida para 2018 (e, se o boi voar? A dupla ja-ja pegar? Pelo até agora não se prevê força política alternativa...)É pegar ou largar!
    Ó Éder Mauro deixa de besteira rapá! Senão, o "Zeraldo" vai dar uma "porrada" (como diz o mano Filó, metido a entender de política) em todos vocês juntos!

    ResponderExcluir
  2. Égua anônimo, não é que tu tá certo mano... o povo vai votar no 45 só de birra.
    Zenaldo!
    Zenaldo!
    Zenaldo!

    ResponderExcluir
  3. Opiniões de gente sem noção ou que está mamando nas tetas desses corruptos tucanos. Vai dar ED50, seus tolinhos DAS do Zenada.

    ResponderExcluir
  4. ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO
    ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO
    ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO
    ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO

    ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO
    ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO
    ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO ZENALDO
















































    ResponderExcluir
  5. Acho uma comêdia desvairada o comportamento e as explanações mega elaboradas dos seguidores de ambos os lados... Mas na hora de se apresentarem ninguém mostra a cara!!! Dá entender que todos tem o rabo preso! Que não tem motivação suficiente para apoiar convictamente seu candidato... Que tudo não passa de uma grande palhaçada. Só sei que nesse processo eleitoral "Tem algo podre no reino da Dinamarca". Que essa eleição está vergonhosa... E que realmente teremos o que merecemos.

    ResponderExcluir
  6. A métrica da coerência é algo que falta a população de Belém, do Estado do Pará e, porque não, do Brasil inteiro.

    Ficou claro que a população de Belém está absolutamente insatisfeita, com a atual gestão municipal...prova disso é que o atual Prefeito atingiu cerca de 30% dos votos válidos, no primeiro turno.

    Se coerência fosse palavra de ordem, o natural seria a flagrante derrota do tucano, no segundo turno...mas na falta de povo coerente, resta o temor de que o resultado seja outro, onde grande parte do que rejeitaram o atual prefeito, se convertam ao absurdo de lhe dar mais 4 anos, para fazer mais do mesmo, ou seja, quase nada.

    Longe de dizer que a gestão do Edmilson foi um "céu de brigadeiro", mas, depois dos 4 anos do Zenaldo, antecedidos pelos 8 anos da gestão Duciomar (apoiada, inclusive, pelo mesmo PSDB de hoje), fica até um gosto de saudade e de esperança que dias melhores poderão vir.

    E é nisso que se resumem as eleições, esperança de que o que venha a seguir, seja pelo menos um pouco melhor do que está posto a todos, nos dias de hoje.

    Falta de prioridade na gestão dos recursos públicos, priorização da publicidade que fantasia a realidade do caos, beneficiamento de poucos, desatendimento dos mais necessitados...e por ai vai.

    Só dá mesmo pra ter esperança de dias melhores...ou não, quando o que prevalece é a falta de ética dos gestores, somada a falta de bom senso, dos eleitores.

    ResponderExcluir