terça-feira, 18 de outubro de 2016

atualizada - DE NOVO? BALSA BATE E PONTE DO MOJU É INICIALMENTE FECHADA E DEPOIS LIBERADA

Sem qualquer tipo de proteção ou vigilância pelo governo estadual, que gastou mais de R$ 100 milhões para recuperar o trecho de mais de 80 metros derrubado por uma balsa há quatro anos, a ponte da Alça Viária, que dá acesso à cidade de Moju, sofreu um novo abalo, esta manhã: uma balsa desgovernada bateu na ponte e provocou danos que estão sob avaliação de engenheiros do governo. 

Enquanto a extensão do novo acidente é avaliada, a ponte está interditada para o tráfego de veículos e não há data para liberação. Bombeiros e Polícia Militar estão com homens no local. Veja as imagens. 

 Atualizada com fotos às 17:20

O governo informa que a ponte foi liberada parcialmente, com tráfego controlado. Imagine a fila de carros, carretas, caminhões e ônibus para passar. 

A balsa antes e depois do choque contra a ponte: fotos G1Pará

 
 

4 comentários:

  1. Não adianta o blog botar culpa no governo. esses FDP's deveriam ser presos, esses que causam esses acidentes irresponsáveis. A empresa proprietária devia ser multada no montante dos prejuízos dos usuários.
    Lá vai o Jatene ganhar de novo as eleições pra governo...

    ResponderExcluir
  2. Não é botar a culpa no governo e ao mesmo tempo é, pois um governo que não fiscaliza um bem público que já sofreu anteriormente dois acidentes com balsas é um governo desleixado. E não esqueça, anônimo que os R$ 100 milhões gastos na reconstrução de parte da ponte não foi do Jatene, mas seu, meu,de todos nós, contribuintes. É claro que que os responsáveis pelo novo acidente devem ser punidos, mas, pergunta-se: os outros dois empresários foram? Que se saiba, até agora, não.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que sejam todos, ninguém quer livrar cara de ninguém. o que não pode é ficar nessa lenga-lenda... Justiça serve pra quê?

      Excluir
  3. Quem é o secretário de obras? Quem é genival? Quem é genival? Um playboyzinho arrogante, metido a garotão, que jamais se interessaria por fazer um trabalho preventivo capaz de evitar esse tipo de estado. Lembre-se que, para obras de emergência NÃO PRECISA DE LICITAÇÃO. Rá, rá, rá seus trouxas

    ResponderExcluir