segunda-feira, 10 de outubro de 2016

AS NOTAS FUMEGANTES DO BLOG

A foto, do começo desta tarde, reforça a nota contida abaixo nos "Bastidores"
 

E agora, José?

Há derrotas eleitorais que ensinam mais do que muitas vitórias. O choro e a revolta pela perda do poder revelam um apego ao que não é pessoal, mas público. Em diversos municípios do Pará, o povo rejeitou ocupantes do poder, substituindo-os por novas lideranças. É algo natural e faz parte do processo democrático de alternância de poder. Mas alguns vencedores temem receber prefeituras semidestruídas, seja nas contas ou nos serviços prestados à população.

Fera ferida

Outro fato, evidente na manifestação do eleitorado, que precisa ser aprendido pelos derrotados que abusaram da máquina administrativa e da compra de votos: não existe vitória prévia, antes da aberturas das urnas. E mais: parte do povo é extremamente necessitado, inclusive de serviços públicos de qualidade que maus gestores não lhe proporciona, mas a grande maioria não se deixa levar por mentiras e manipulações. O resultado provou: quem com ferro fere, com ferro será ferido.

Tudo em ordem?

Uma pergunta que a população de Parauapebas se faz, passada a ressaca eleitoral: o prefeito Valmir da Integral irá passar as contas em dia ao seu sucessor, Darci Lermen? Quanto tem no caixa da prefeitura? Há algum risco no pagamento dos salários dos servidores? E as obras que não fez, junto com aquelas que mal concluiu, o que há de recursos? Essas perguntas devem ser respondidas durante a fase de transição de governo. Há mais de dois meses para isso até a posse de Darci.

Vem rolo aí

Das mais de 5 mil denúncias de crimes eleitorais na eleição municipal em todo o Pará, mais de 300 se referem a candidatos que disputaram prefeituras. O dinheiro apreendido pelo Ministério Público em diversos municípios é uma amostra de que o jogo pesado da corrupção de consciências não economizou valores, nem pudor. Os casos mais escabrosos já estão sob investigação. Uma coisa, porém, é certa: a Justiça Eleitoral ainda poderá mudar alguns resultados diante de flagrantes ilegalidades apuradas.

Eles ganham 


É evidente que uma nova partida eleitoral começa, agora nos tribunais, tanto para alguns derrotados, como para vencedores. Os escritórios de advocacia já começaram a trabalhar recursos para impedir a posse de eleitos, enquanto estes também acionam seus defensores jurídicos para manter a decisão das urnas. O problema são contas rejeitadas nos tribunais, em julgamentos passados. E denúncias de crimes eleitorais que o MPE ainda deve fazer, sobre fatos ocorridos na eleição de domingo. Como diz um conhecido narrador esportivo, “haja coração”.

Hora de alianças


A vitória do prefeito Zenaldo Coutinho no primeiro turno, desbancando o favorito das pesquisas, o deputado federal Edmilson Rodrigues, apimentou a eleição em Belém no segundo turno. Enquanto Zenaldo tem a seu lado 14 partidos, Edmilson busca o apoio dos candidatos derrotados Eder Mauro, Carlos Maneschy e Úrsula Vidal para se fortalecer e tentar virar o jogo para vencer a eleição no próximo dia 30. Zenaldo também mandou mensagens de fumaça e telefonemas para os três derrotados. Para vencer, tanto Zenaldo como Edmilson precisam também combinar com os russos. No caso, os eleitores.

______________________BASTIDORES___________________


* A jornalista Úrsula Vidal acompanhava ontem a procissão do Círio de Nazaré quando foi interpelada pela advogada Ana Kelly, que gravou em vídeo o rápido papo. A advogada queria saber se Úrsula iria apoiar Edmilson.

* Embora de blusa amarela, Úrsula saiu pela tangente ao dar a entender que ainda não havia decidido a quem iria apoiar ou se ficaria neutra neste segundo turno. Hoje pela manhã, porém, decidiu que marchará ao lado do candidato do Psol.

* Enquanto isso, o deputado Éder Mauro também cultiva o mistério se apoiará Zenaldo ou Edmilson. O governador Simão Jatene já teve uma conversa preliminar com ele, mas o deputado nada prometeu. Apenas queixou-se dos ataques rasteiros de Zenaldo.

* Dois resultados distintos da eleição estão dando o que falar nos municípios de Tailândia e Muaná. Em Tailândia, o candidato Paulo Jasper "Macarrão" teve mais de 15 mil votos, venceu a eleição, mas não levou.

* Macarrão tem problemas de contas no TCE e seus votos foram computados em separado, durante a apuração. O caso dele será decidido pelos juízes do TRE provavelmente na sessão de amanhã.

* Já em Muaná, o prefeito Murilo, que disputou a reeleição e venceu, é acusado de compra de votos, inclusive com provas colhidas, como apreensão de dinheiro e cestas básicas. A candidatá Itá alega que venceu a eleição e foi roubada.

* Em Tailândia e Muaná o povo foi para as ruas protestar. A polícia teve trabalho para conter os mais exaltados. Mais problemas para o TRE julgar.

* O PMDB ganhou a eleição em 41 municípios, enquanto o PSDB ficou com 35 prefeituras. O resultado é uma prévia da eleição de 2018 para o governo do Estado? Talvez, não. Mas já é indício de novos embates entre os dois maiores partidos paraenses.

* A crise econômica jogou no colo de muitos prefeitos eleitos por todo o país – e no Pará não é diferente - prefeituras quebradas, com as contas no vermelho e obras paradas.

* O desafio é duplo: retomar o que parou e cumprir as promessas feitas aos eleitores de melhorar os serviços. Mas haverá dinheiro para isso?

4 comentários:

  1. Ei blogueiro ptreba só pro teu comando, no caso de Parauapebas, o Velhote, assim que definida a vitória do Vendedor de alface, ligou para o novo prefeito Darci Lermen parabenizando-o e colocando-se a disposição para a transição, logo, não há essa de pagamento atrasado a servidores, nem de pendências...

    ResponderExcluir
  2. Não disse que o pagamento está atrasado, lancei a pergunta. Se o prefeito ligou e parabenizou o vencedor, isso é demonstração de civilidade.

    ResponderExcluir
  3. Saudações, competente jornalista.

    Sobre a nota em relação a transição de governo em Parauapebas, tenho um blog em que escrevo muito sobre a política da "capital do minério" e abordei o referido tema: http://blogdobranco.com/politica/havera-transicao-de-governo-em-parauapebas/ lhe convido para conhecer o "Blog do Branco". Grande abraço.

    ResponderExcluir
  4. Além do mais aqui em Parauapebas acabou a eleição, acabou a desavença; venceu Darci comecemos um novo governo e que a população seja a verdadeira vencedora...

    ResponderExcluir