sexta-feira, 9 de setembro de 2016

VENENO POLÍTICO EM CONTA-GOTAS. AS NOTAS CURTAS DO BLOG





Baixaria na TV

A lógica nos debates eleitorais – um erro dos candidatos a prefeito – é “bateu, levou”. A troca de chumbo e acusações mútuas parece a única estratégia dos marqueteiros, mas isso deveria ser revisto nas próximas eleições, porque já cansou o eleitorado. Em vez de ataques, que tal centrar o fogo em propostas para melhorar a vida de quem vai votar? Sempre haverá alguém a dizer: “ah, mas o povo adora ver baixaria na TV e no rádio”.

Boca suja

É fácil derrubar o argumento: se baixaria, mentira e até calúnia entre candidatos servisse para melhorar a vida da população, o Brasil seria maravilhoso. Parauapebas, Marabá e Belém, por exemplo, onde em eleições passadas já ocorreram até ameaças de morte entre candidatos e seus familiares, seriam um paraíso terrestre. A população quer saber quais as soluções dos candidatos para seus problemas de saúde, segurança, educação e moradia. O resto é bate-boca inútil. 
 
Rejeição

Sempre muito disputada, a eleição em Parauapebas já bate Belém em entusiasmo. Em Pebas, como na capital, os candidatos Valmir Mariano e Zenaldo Coutinho, cujos partidos estão ligados ao governador Simão Jatene, tentam compensar o alto índice de rejeição com a divulgação de obras meia-boca. Embora com a máquina do governo nas mãos, os dois candidatos, que buscam desesperadamente a reeleição, pouco fizeram para sair da areia movediça eleitoral em que se encontram. Pagam o preço do mau governo que fizeram.

Afogados

Em Parauapebas, a situação de Valmir Mariano chega a ser hilária. Sem ter para onde correr na busca de apoio, ele acabou caindo no colo do PT. E como o PT é um partido em franca decadência, o casamento político com o atual prefeito praticamente caiu do céu, ou do inferno, de acordo com o gosto do freguês. Foi a união perfeita entre desesperados. Um autêntico abraço de afogados. 
 
Tiro na água

O caldo está ralo na eleição em Marabá. Com o prefeito João Salame fora da disputa e indiferente ao destino do município, os candidatos Manoel Veloso, Rigler Aragão e Jorge Bichara não sabem o que fazer para subir na preferência do eleitorado. Salame ficou fora da mira e o candidato Tião Miranda parece solto. Ou, pelo menos, não é incomodado. Para resumir: diante da fraqueza dos candidatos, Miranda pode estar com sua eleição encaminhada. 
 
Doação de morto

O Tribunal de Contas da União (TCU) entregou começo desta semana ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) um levantamento que identificou 38.985 doadores de campanha com indícios de irregularidades em contribuições feitas a candidatos na disputa municipal deste ano. Foram detectadas, inclusive, doações de pessoas mortas. O número representa 34% do total das 114.526 pessoas que doaram. Já nas despesas de campanhas, 1.426 de 60.952 fornecedores apresentaram algum indício de irregularidade. 
 
Vai dar bode

De acordo com o presidente do TSE, ministro Gilmar Mendes, as irregularidades podem resultar na impugnação das candidaturas pelo Ministério Público Eleitoral (MPE). “Nós temos que acompanhar isso com rigor. Já tivemos no passado mortos que votavam. Agora, temos mortos que doam”, disse Mendes. Os cruzamentos e as análises são executadas a partir de informações sobre as receitas e despesas de campanha coletadas pelo TSE e embasados em regras estabelecidas entre os dois órgãos. 
 
Vale a regra 
 
Os cálculos serão executados semanalmente até a data das eleições. Os dados coletados pelo TCU foram compilados com base em relatórios financeiros entregues por candidatos e partidos a cada 72 horas, conforme as novas regras eleitorais aprovadas em 2015. As informações coletadas serão distribuídas aos juízes eleitorais municipais que serão responsáveis por verificar os indícios apontados pelo TCU.


________________________BASTIDORES__________________________

* Para mexer com os nervos dos candidatos a prefeito de Parauapebas, Canaã dos Carajás e Tucuruí: pesquisas eleitorais já registradas no TRE serão divulgadas neste final de semana.

* De repente, aliás, alguns candidatos sem memória passaram a divulgar que só estão interessados em pesquisas feitas pelo Ibope. Os outros institutos eles desprezam. Ou não dão credibilidade.

* Só para lembrar, o Ibope já cometeu erros colossais de pesquisas no Pará, seja para o governo do Estado, seja para prefeituras. Na eleição de 1982, por exemplo, o Ibope divulgou que o governador seria Oziel Carneiro, do PDS.

* Mas, quando as urnas foram abertas, quem venceu de fato foi o candidato do MDB, Jader Barbalho, com 40 mil votos de diferença.

* O Ibope também errou na eleição para prefeito de Belém, em 1996, quando apontou como favorito o candidato Ramiro Bentes (PDT), apoiado pelo então prefeito, Hélio Gueiros.

* O vencedor, ao final, com diferença de 132 mil votos, foi Edmilson Rodrigues, então no PT. Hoje, Edmilson, no Psol, disputa a prefeitura da capital pela terceira vez.

* Desta vez, porém, o Ibope o coloca na condição de favorito. É para ficar com as barbas de molho. 
 
* Para compensar as mais de 1.500 demissões ocorridas em julho passado, a Vale arregimenta cerca de 1.000 trabalhadores para o projeto S11D, em Canaã dos Carajás.

Nenhum comentário:

Postar um comentário