Linha de Tiro - Gilberto Valente

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

CRIANÇA VÍTIMA DE BULLYING É ESPANCADA ATÉ A MORTE EM ESCOLA DE BELÉM

Eduardo Cordeiro, de 12 anos: vítima de crime bárbaro. Foto arquivo da família

O Pará começa a ganhar o noticiário nacional por um dos casos mais execráveis ocorrido nos últimos anos em seu vastíssimo território: o espancamento, dentro de uma escola estadual, em Belém, de uma criança de 12 anos. Ela teria sido vítima de bullying, um crime pouco combatido por diretores de escola e educadores, mas que se registra diariamente como se fosse algo natural e assimilado pela nossa (in) cultura. 

A Polícia Civil abriu investigação sobre o caso do menino Eduardo Souza Cordeiro, 12 anos, que morreu durante esta madrugada no Pronto Socorro Municipal Mario Pinotti. Segundo notícia do portal G1 Pará, a família afirma que a criança foi espancada dentro da Escola Estadual Santo Afonso, no bairro do Telégrafo, e não resistiu.

“Ele ficou muito machucado, foi muito violento, sem explicação”, conta Natália Leal, prima da vítima. O G1 entrou em contato com a Secretaria de Estado de Educação (Seduc), para saber se alguma providência será tomada no colégio, mas ainda não recebeu resposta.

Eduardo morava com a avó e uma tia. Segundo familiares, na tarde de terça-feira (30) o menino foi para a escola, onde estudava no turno da tarde. No final da tarde, a família foi avisada por um vizinho que Eduardo havia sido espancado.

“Quando meu sobrinho chegou, ele (Eduardo) estava todo batido, na sala da diretora. Ela não deu nenhuma explicação. Meu irmão acha que deram pauladas nele. Chegamos a levar ele pra casa, mas ele tinha muitos hematomas, ficou roxo. Levamos pro Pronto Socorro, fizeram exames, tentaram reanimar. Umas três horas (da madrugada) ele teve cinco paradas cardíacas e morreu às 4h”, afirma Rosilene Leal, tia da vítima.

Bullying
 
A tia conta ainda que Eduardo vinha sofrendo bullying e que a família já havia procurado a escola por causa do problema. “Ele era um menino diferente, branquinho, franzino. Ele tinha medo de falar. No mês de junho, um moleque deu uma surra nele”, diz ainda a tia.

“Ele estava com uma rejeição e ir pra escola. Minha mãe, minha avó já tinham ido lá. Ele falou que não queria mais ir pra aula”, lembra a prima de Eduardo.
A família registrou um boletim de ocorrência no posto policial do hospital. Os parentes querem explicações sobre o que aconteceu com Eduardo na escola.

“Como a escola é uma área fechada, por que nenhuma servente, uma secretária, ninguém viu esses moleques? Por que não nos avisaram o que tinha acontecido?”, questiona a tia da vítima.

O corpo de Eduardo de Souza Cordeiro foi levado parao Instituto Médico Legal e passa por perícia na manhã desta quarta-feira (31). O velório do menino será na casa da família, na rodovia Arthur Bernardes, em Belém.

4 comentários:

  1. Enquanto paraense, peço desculpas a família do garoto barbaramente.

    ResponderExcluir
  2. Lamentável! Realmente tem que ser apurado, isso é inadmissível!

    ResponderExcluir
  3. Isso é uma vergonha,revoltante,sera que ao menos expulsaram esses criminosos que fizeram isso com essa criança?Sim foi isso mesmo que eu falei"CRIMINOSOS"!Pra mim é isso que eles são!Ñ importa a idade que tenham!

    ResponderExcluir
  4. Covardia!Será que ao menos expulsaram esses criminosos que fizeram isso?Sim foi isso mesmo que eu falei "CRIMINOSOS" ñ importa a idade que tenham.

    ResponderExcluir