Linha de Tiro - Gilberto Valente

sábado, 9 de julho de 2016

WLAD REBATE ACUSAÇÕES DE PROCURADOR E NEGA IRREGULARIDADES. VEJA SUA DEFESA

Em sua defesa contra as acusações do Ministério Público Eleitoral (MPE) que redundaram na cassação de seu mandato pelo Tribunal Regional Eleitoral - conforme divulgado com excluvidade pelo blog em postagem anterior -, o deputado federal Wladimir Costa (SD) consumiu 22 páginas para rebater as 11 páginas das acusações do procurador eleitoral, Bruno Valente.

O advogado Bruno Henrique Reis Guedes é quem assina a defesa de Wlad - no julgamento, realizado ontem no plenário do TRE, quem fez a sustentação oral em favor dele foi o advogado Mauro Santos, o mesmo que irá apresentar o recurso ao TSE para evitar que o deputado tenha seu mandato definitivamente cassado.

Na peça, Bruno Guedes contesta cada ponto da acusação, começando pela decadência do MPE ao propor a ação contra Wlad. Sobre a omissão de gastos, diz que "restou cabalmente afastada qualquer tipo de irregularidade no que diz respeito aos serviços contratados pelo representado junto à Delta Gráfica e Editora Ltda".

A respeito de supostas omissões à Justiça Eleitoral de serviços que teriam sido contratados junto à mesma gráfica, o advogado de Wlad recorre ao entendimento do juiz eleitoral Rui Dias, que acatou as justificativas do deputado "no sentido de que as ordens de serviço não traduzem a contratação em si, mas apenas o valor orçado das despesas realizadas e comprovadas mediante a apresentação de notas fiscais constantes dos autos".

Também rebate as acusações de falsidade ideológica e omissão de outros gastos, pedindo ao final que a representação seja julgada totalmente improcedente. É lógico que no julgamento de ontem outros fatos surgiram para reforçar o argumento da relatora, juíza Lucyana Daibes, para pedir a condenação. Mas a essência da defesa do deputado é esta. Que agora, no recurso ao TSE, vai explorar, segundo Mauro Santos, "erros e falhas" no julgamento dos seis juízes que cassaram o mandato de Wlad.

A defesa, aqui:  


 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário