domingo, 3 de julho de 2016

INVESTIGADAS CAUSAS DE QUEDA DE AVIÃO: ASA TERIA SE SOLTADO EM PLENO VOO

O avião caiu na mata fechada da Embrapa, no bairro do Marco. Reprodução da TV Liberal


O Primeiro Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa I) investiga as causas da queda do monomotor que resultou na morte de quatro pessoas, ontem, em Belém. Destroços da aeronave Cessna, de prefixo PT-DJH, foram recolhidos para análise no local do acidente. Testemunhas afirmam que o avião sofreu prolemas mecânicos durante o voo. Quatro ocupantes morreram no acidente.

Para o paraquedista profissional Alberto Costa, pode ter ocorrido uma pane na aeronave. "Isso não foi falha do paraquedista, não foi falha do piloto. Isso foi foi uma pane estrutural. Esse avião perdeu as duas asas, tem asa em cima de árvore", opina o especialista.

Segundo o vigilante Rosivaldo Batista, morador da área, partes da aeronave se soltaram antes da colisão com o solo. "O avião fez um barulho grande e vimos ele se destruindo no ar mesmo. Ele foi para um lado e a asa foi para o outro", conta o morador.

De acordo com o autônomo Pascoal Souza Alves, um dos ocupantes se jogou da aeronave durante a queda. "(A pessoa) vinha se jogando e caiu em cima do mato, não saiu paraquedas não, mas se jogou igual a um boneco.

Segundo o Seripa I, o monomotor decolou às 12h50 do aeroclube do Pará com cinco ocupantes. Um dos alunos da aula de paraquedismo conseguiu realizar o salto e chegar em segurança ao solo, antes da queda da aeronave.

O acidente aconteceu 13h38, quando o avião caiu em uma área da Embrapa, em Belém. O piloto Ronaldo Olímpio Oliveira Canavarro, o instrutor de paraquedismo Douglas Dourado e os passageiros Reginaldo Pinheiro e sua filha Lara Pinheiro, não resistiram à queda e morreram no local.

Os corpos de três vítimas foram encontrados ao lado do avião. O quarto corpo só foi localizado por peritos às 16h, a cerca de 300m do local da queda do monomotor. Os corpos passarão por exame de necropsia para, posteriormente, serem identificados pelos familiares. Ainda não há previsão de quando ocorrerá a liberação dos corpos.

De acordo com o Registro Aeronáutico disponível no site da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), consta no cadastro do avião que sua "Situação de Aeronavegabilidade" era "Normal", garantindo as condições de voo da aeronave.

Representantes de órgãos do sistema de segurança pública como Corpo de Bombeiros, Polícia Militar, Centro de Perícias Científicas Renato Chaves e ProPaz participaram de uma coletiva de imprensa sobre o ocorrido. Uma equipe de psicólogo do ProPaz vai prestar apoio às famílias da vítimas.

A empresa Aerotur, dona do monomotor fornecido para as aulas de paraquedismo, foi procurada mas ainda não se posicionou sobre o acidente. O proprietário da aeronave está viajando. Fonte: G1 Pará

Nenhum comentário:

Postar um comentário