VER-O-FATO: NÃO TEM ÁGUA EM BELÉM, PRA VARIAR. E A COSANPA, QUANDO VAI TOMAR UM BANHO DE TRANSPARÊNCIA?

segunda-feira, 27 de junho de 2016

NÃO TEM ÁGUA EM BELÉM, PRA VARIAR. E A COSANPA, QUANDO VAI TOMAR UM BANHO DE TRANSPARÊNCIA?

Enquanto a verdade sobre a Cosanpa não vem à tona, o povão pena em busca de água


Dia sim, dia também, a dona Cosanpa - uma senhora cheia de problemas financeiros e de gestão muito graves, a ponto de alguns cardeias do tucanato paraense não falarem em outra coisa senão em privatizá-la - anuncia que vai faltar água na cidade. 

E mesmo quando não anuncia, de uma hora para outra a água também vai embora. Na hora do banho, na hora de preparar a comida, na hora de lavar roupa, levar as crianças para a escola, ir para o trabalho ou dar banho no cachorro. É sempre aquele sufoco. Não tem água na torneira. E nunca se sabe a que horas ela volta.

A aporrinhação é enorme e ninguém resiste em soltar um daqueles belos palavrões, pelo menos para lavar a alma, já que não há água na torneira para lavar o corpo, nem para esfriar a cabeça. Às vezes, quando retorna às torneiras, a água tem cor esquisita, fede e é imprópria para consumo.

Vamos e venhamos: não se sabe se o pior é faltar água ou ligar para a Cosanpa, em busca de explicações, e ouvir a voz da atendente com aquela tradicional conversa pra boi dormir. Coisas do tipo "estamos em manutenção", ou "foi um buraco que abriu na rua tal", ou ainda que o problema está na "troca de um transformador". 

Aliás, a troca de transformador é a nova - melhor dizendo, velha - explicação para a ausência de água nas torneiras de aproximadamente 1 milhão de pessoas, amanhã, terça-feira, dia 28, das 10 da manhã às 4 da tarde. Ou seja, na hora crucial para dezenas de milhares de famílias. Onze bairros serão afetados.

Como falta água praticamente todo dia e o dia todo - em muitos bairros -, também faltam explicações convincentes sobre qual de fato é a situação da empresa estatal. Mas, pelo que se diz nos bastidores do poder, ela terá o mesmo destino da Celpa.

E é aí que mora o perigo. Será que ela será vendida a preço de banana? Se o diabo também duvida, vale lembrar que a Celpa, por exemplo, foi passada adiante, para a iniciativa privada, por R$ 450 milhões.  Um valor muito abaixo do que realmente valia. E o dinheiro tomou o rumo da casa da Conceição, aquela que ninguém sabe, ninguém viu.

Todo mundo chiou, mas a Celpa foi vendida na batida do martelo. Alegou-se que era deficitária. Ou seja, um fardo pesado para o Estado. Um cínico chegou a dizer que a venda seria melhor para os consumidores, porque até o preço na conta de luz iria baixar. 

Resumo da piada: Inês foi morta sem choro nem vela pelos governos do PSDB. A Celpa está aí, privatizada, com seus problemas, mas a conta, em vez de diminuir, subiu feito foguete espacial. O governador Jatene podia ajudar a baixar a conta, mas mantém o ICMS da energia em 25%, um dos mais caros do país. 

Mas, voltando à Cosanpa, o destino dela parece selado. Mais cedo ou mais tarde, será privatizada. Deficitária já é e seus problemas se acumulam. É uma grande tubulação com buracos pontuais - financeiros e administrativos - que são tapados com superbonde. Quer dizer, logo estouram. Iguais à tubulação da cidade.  

O blog lança um desafio ao governo do Estado: que tal vir a público dizer qual o motivo de tantos problemas internos da Cosanpa e de tanta falta d'água, todo dia, o dia todo, na cidade de Belém?

Ou fala, agora, ou cala-se para sempre. O que se cobra, aqui, é um banho de transparência da Cosanpa na sua relação com os mais de 500 mil consumidores de toda a grande Belém. 

Ou será que vai faltar água até para esse banho de transparência?  

Um comentário:

  1. Pode não ter água na torneira, mas as salas da sede da Cosanpa estão cheias de DAS, alguns trazidos pelo ex-secretário da Seidurb, Luciano Dias, afilhado político do ex-deputado Tião Miranda, de Marabá, "despromovido" de secretário de Estado, como gostava de se intitular, para a Cosanpa, mesmo entendendo de água só a de beber e ainda assim mesmo da mineral. O desastre de sua gestão na Cosanpa já era esperado, pois não passa de um jejuno em política. Mas gosta de uma mordomia que só ele. Viaja todo fim de semana para Marabá, em viagem de trabalho, logo ganhando diárias.Mas assim, não ?

    ResponderExcluir