sexta-feira, 10 de junho de 2016

JÁ ENCAROU A BAÍA DO MARAJÓ? ENTÃO VEJA ISTO



        

Quem nunca fez a travessia de barco - grande, médio, pequeno, ou mesmo de lancha - da Baía do Marajó não sabe o que é sufoco. "A gente passa mal, parece que o barco vai virar a qualquer momento. As ondas são muito fortes e a gente teme pelo pior", afirma o vendedor de jóias João Calixto Ferreira. Para outros viajantes, a situação é de terror. 

"No veraneio do ano passado, eu quase morri de tanto vomitar no barco. Cheguei a desmaiar", conta a professora Adriele Costa, que já fez mais de 40 viagens, atravessando a baía. Para ela, a natureza parece que não gosta de intrusos no rio e a força das ondas transmite esse recado. 

O missionário Jonas Duarte Oliveira também já enfrentou momentos de pânico, numa noite de março deste ano, quando precisou atravessar a Baía do Marajó de barco para resolver um problema de saúde em Belém. "A gente ora a todo  momento para que nada aconteça, porque a coisa é feia", diz ele. 

Oliveira narra que em recente viagem  o barco correu o risco de virar e afundar. "As ondas davam chicotadas de baixo para cima no barco, levantando tudo e jogando as pessoas de um lado para o outro". 

Nessa viagem, como em muitas outras, todos os passageiros chegaram sãos e salvos ao seu destino. Veja nesse vídeo que a travessia da Baia do Marajó não é para fracos. 

Há momentos em que é preciso, como na canção de Lupicínio Rodrigues, ter "nervos de aço".


Nenhum comentário:

Postar um comentário