VER-O-FATO: JADER QUERIA MINISTÉRIO PARA HELDER. TEMER NÃO DEU. JADER NÃO VOTA O IMPEACHMENT

quarta-feira, 11 de maio de 2016

JADER QUERIA MINISTÉRIO PARA HELDER. TEMER NÃO DEU. JADER NÃO VOTA O IMPEACHMENT

O gabinete do senador Jader Barbalho informa que ele não comparecerá à sessão do Senado, na sessão de hoje, para votar no processo de impechment da presidente Dilma Rousseff. Segundo o gabinete, Jader está em São Paulo, em  tratamento médico. Perguntada pelo blog qual o problema de saúde do senador,  a assessoria do gabinete disse apenas que não sabia informar o que ele tem. 

Em sua página na Internet, o próprio Jader, por meio de sua assessoria, diz que está internado no Hospital Sírio Libanês, "em tratamento de radioterapia de um adenoma de hipófise (que já estava comprimindo meu nervo ótico) e que, por recomendação médica, não pode ser interrompido por um dia sequer".

Na verdade, o motivo é outro, segundo o Ver-o-Fato apurou. Jader entrou em rota de colisão com o vice da República, Michel Temer, porque vinha pressionando-o a entregar um ministério para seu filho, Helder Barbalho. O ministério seria novamente o dos Portos, que Helder ocupou até os 45 minutos do segundo tempo, após a votação do impeachment pela Câmara dos Deputados. 

Ocorre que Temer já decidiu extinguir a Secretaria dos Portos, que tem status de ministério, assim como a da Aviação Civil, transformando ambas em secretarias subordinadas ao Ministério dos Transportes. Jader, como se poderia esperar, esperneou o quanto pôde, reclamando maior atenção de Temer, o que se traduz em dar a Helder um ministério, qualquer que seja. 

Como nada conseguiu, Jader resolveu dar o troco. Não vai aparecer em Brasília, porque internou-se em São Paulo. O senador sabe que um ministério para Helder significaria gordura - leia-se o calor da máquina federal, com suas benesses financeiras pagas pelos cofres públicos - a queimar nas andanças político-eleitorais pelo interior do Pará até a eleição de 2018 para o governo do Estado, quando pretende substituir Simão Jatene. 

Resta saber como Temer reagirá a isso. Ou se irá, lá na frente, ceder às pressões de Jader. Se o fizer, provará aquilo que muitos já desconfiam, ou seja, de que neste país tudo muda para continuar exatamente como está. Se não ceder, porém, demonstrará que colocou os interesses do país acima do fisiologismo de alguns caciques de seu próprio partido.

Que o tempo seja o senhor da razão. 

Um comentário:

  1. Carlos, bom dia!
    Sua investigação é de precisão cirúrgica. Esse moribundo senador não esta há um mes internado como dito por sua mentirosa assessoria, semana passada ele foi ovacionado dentro de um voo que saiu de Belém para Brasilia aos gritos de "corrupto, anhangá" e outros adjetivos que bem lhe cabem. O motivo é exatamente esse, "gordura" para queimar em pretensa futura campanha eleitoral para o Governo do Estado, para vingar a derrota de virada sofrida para o atual Governador. E mais mentirosa ainda porque câncer é o próprio senador, que toma banho diário de radioterapia. O Pará não merece mais os Barbalhos.

    ResponderExcluir