VER-O-FATO: HELDER PERDEU MINISTÉRIO, MAS REASSUME PORTOS. FICARÁ SUBORDINADO A ANIVALDO VALE

quarta-feira, 11 de maio de 2016

HELDER PERDEU MINISTÉRIO, MAS REASSUME PORTOS. FICARÁ SUBORDINADO A ANIVALDO VALE

Como a política brasileira é surrealista e engraçada. Como o Ver-o-Fato antecipou, o senador Jader Barbalho não compareceu para votar o processo de impeachment, alegando que está em tratamento médico em São Paulo. O verdadeiro motivo dessa ausência está no fato de o vice, Michel Temer, que nesta quinta-feira já deverá ser o presidente da República, ter rebaixado a Secretaria dos Portos - que tinha status de ministério -, naquilo que de fato é, uma simples secretaria, agora subordinada ao Ministério dos Transportes. 

No final da tarde de hoje, a jornalista Vera Magalhães, responsável pela coluna Radar, da revista "Veja", informou que Helder Barbalho, por decisão de Temer - e certamente a contragosto de Jader, que queria um ministério só para seu filho - deverá reassumir a Secretaria dos Portos. "A secretaria manterá a estrutura que tinha e cuidará das concessões de terminais portuários, mas sem status de ministério. Ficará sob o guarda-chuva do ministério dos Transportes", diz a colunista. 

A jornalista de "Veja", porém, não informa se Helder aceitou assumir uma secretaria rebaixada, sem direito às mordomias anteriores que tinha, inclusive avião para viajar para onde bem entendesse, além de outros penduricalhos.

Mas o que ela não sabe - até porque está por fora das mumunhas políticas paraenses - é que Helder Barbalho será subordinado ao ex-deputado Anivaldo Vale, que é o secretário executivo do Ministério dos Transportes. Esse ministério é da cota do PR, partido que, em massa, votou favoravelmente ao impeachment e que, antes, serviu ao governo Dilma. O ministro será o deputado Maurício Lessa.

Anivaldo Vale é o comandante do PR no Pará e tem um filho na Câmara dos Deputados: Lúcio Vale. Como Helder será subordinado a Anivaldo, tudo o que fizer na Secretaria dos Portos terá que passar antes pelo crivo do próprio Anivaldo, já mantido no cargo e com "carta branca" de Temer.

Outras surpresas, nada agradáveis, para Jader, já estão reservadas. O senador não está lá muito confortável para fazer novo esperneio e terá de se contentar com o que lhe foi oferecido. É pegar ou largar. 

Eis o preço por sua adesão tardia a Temer.  

EM TEMPO: A colunista Vera Magalhães publicou no começo da noite "que Hélder Barbalho negou, por meio de sua assessoria, que vá aceitar ser secretário dos Portos". 

O Ver-o-Fato, no trecho do terceiro parágrafo desta postagem, questionou a lacuna da colunista em não ter informado se Helder aceitara ser secretário dos Portos, agora dirigindo um órgão esvaziado. Sem dúvida, não é isso o que ele quer. E Jader continua tiririca com Temer.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário