sábado, 9 de abril de 2016

O "THRILLER" DO IMPEACHMENT - CURTA O VÍDEO


Convenhamos, o brasileiro tem bom humor, mesmo no meio de uma crise braba como a de hoje. Vejam a paródia da música "Thriller", de Michael Jackson, com a crise política que enfrenta o Brasil. No vídeo, os zumbis aparecem com os rostos dos principais personagens do cenário político atual, entre eles Dilma Rousseff, Lula, Eduardo Cunha e Renan Calheiros.

4 comentários:

  1. Às vezes tenho a impressão de que a ficha do estrago até agora não caiu para o PT. Seus dirigentes presos, são culpados ou inocentes na opinião do partido? A política econômica do governo é de Dilma ou do partido? Como sugerem Tarso Genro e Olívio Dutra, o PT precisa, urgentemente, fazer uma séria autocrítica. E tentar recuperar seus três capitais simbólicos perdidos: ser o partido de organização da classe trabalhadora, ser o partido da ética e ser o partido das reformas estruturais do Brasil. Fora disso, o PT estará condenado a integrar a geleia geral da estrutura partidária brasileira. (Frei Beto)

    ResponderExcluir
  2. O "TOMA-LÁ-DA-CÁ" o governo PTralha descancara a artilharia matreira e usual de achincalhar os deputados e senadores venais. Contra impeachment, Dilma negocia cargos com verbas de R$ 38 bi...
    Para os governistas, a negociação tem dado certo. O senador Lindbergh Farias (PT-RJ), disse que após a convenção do PMDB ocorreu um movimento inverso ao da esperada debandada. "As negociações estão se intensificando com vários partidos da base, acho que hoje o impeachment está mais longe", avaliou. "O governo está com todas as condições de construir uma maioria em torno de 200 votos na Câmara."

    Além da negociação de cargos que controlam somas expressivas de dinheiro, estão em jogo postos sem atrativos financeiros e que envolvem outros interesses, a exemplo da influência de diretorias em agências reguladoras.

    A presidente Dilma indicou, por exemplo, o ex-senador Luiz Otávio para a direção-geral da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) para agradar o senador Jader Barbalho (PMDB-PA) e pai do ministro dos Portos, Hélder Barbalho. Na bancada peemedebista do Pará, dos três deputados, dois se mostram indecisos e um não declarou posição, conforme levantamento do Estado. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    ResponderExcluir
  3. Mas a maioria do povo não pensa como os moradores do sul e sudeste do país, além de uns teleguiados do norte, pois hoje no Datafolha Lula está na frente das intenções de votos. Isso com todas as calúnias feitas contra ele covardemente. Imaginem se fosse em um cenário honesto e normal. Podem babar de ódio, mas Lula voltará para o bem do Brasil.

    ResponderExcluir
  4. A ética do são lularápio!

    Discurso vendido por Lula em uma frase: "O que você precisa para ficar com a gente?"
    Em alguma mesa redonda de cinco lugares na antessala do quarto 4050, no segundo piso de um hotel de luxo em Brasília, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tenta fechar os termos de um acordo para salvar o governo Dilma Rousseff. Ele tem feito toda a amarração política para "dar esperança" de que "as coisas vão mudar".
    A movimentação de Lula e dos governistas para angariar apoio a Dilma envolve mais do que cargos e verbas. Fala-se abertamente de compra de deputados por valores que variam entre R$ 400 mil por uma ausência e até R$ 2 milhões por um voto pró-governo. (Folha de São Paulo, Marina Dias)

    ResponderExcluir