quinta-feira, 14 de abril de 2016

MARCADO PARA MORRER, SINDICALISTA APONTA NOMES E FAZ APELO AO GOVERNADOR SIMÃO JATENE


Em junho do ano passado, 13 tiros disparados contra a Kombi que ele dirigia. Dentro do veículo, além dele, havia vários líderes da região que lutam contra grandes grupos econômicos responsáveis por degradação ambiental e social. Foi o primeiro aviso. Os pistoleiros, de motocicleta e com a cobertura de uma Pick-up Ford prata, fugiram. Houve registro do tentado na Delegacia da Vila dos Cabanos, mas nenhuma providência foi tomada. Zero de investigação.

No domingo passado, pela manhã, por volta das 7:30, a coisa foi pior. Três homens armados invadiram a residencia e tentaram sequestrá-lo para matar longe da rua onde mora. A família entrou em pânico. Mulher e filhos tiveram armas apontadas para suas cabeças e seus celulares roubados para que não pedissem socorro.

Esta tem sido, nos últimos meses, a rotina do diretor da Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar (Fetraf) de Barcarena, Bosco Oliveira Martins Júnior: continuar seu trabalho comunitário, denunciar crimes ambientais e violências contra os direitos humanos, e ao mesmo tempo precaver-se contra aqueles que querem eliminá-lo fisicamente.

Não é fácil, principalmente quando os suspeitos desses atentados estão a serviço de poderosos interesses e sob a cobertura de autoridades que deveriam combater os crimes contra a vida.

Bosco Oliveira Martins sabe que é um homem marcado para morrer, mas diz que não vai desistir de sua luta por um Pará melhor. Iguais a ele, porém, outros líderes de movimentos sociais foram mortos e seus assassinos continuam impunes. Até quando?

O Ver-o-Fato gravou um vídeo de 20 minutos com Bosco Martins Júnior, onde ele relata tudo o que vem sofrendo, dá os nomes dos suspeitos de estarem por detrás das tentativas para matá-lo, e faz um apelo direto ao governador Simão Jatene, que é o comandante-em-chefe da Segurança Pública. 

Assistam o vídeo acima, cuja cópia está sendo encaminhada a entidades nacionais e internacionais de direitos humanos. Há como evitar mais esta "morte anunciada" no Pará, se houver real interesse das autoridades em fazê-lo. 

Basta investigar e prender mandantes e executores, todos prontos para agirem novamente contra Bosco Martins Junior. 

Sobre os ombros do governador Simão Jatene pesa mais esta responsabilidade.

6 comentários:

  1. Infelizmente esse cidadão da entrevista está correndo sério risco de ser assassinado e lamento ao dizê-lo porque sei da incapacidade desse governador Simão Jatene em garantir a segurança dos cidadãos paraenses. O sr. Bosco deveria ir embora do Pará com sua família para muito longe uma vez que nossa segurança pública está falida.

    ResponderExcluir
  2. Impresionante as declarações desse senhor o Pará é mesmo terra sem lei e não protege seus filhos, pagamos para não ter insegurança

    ResponderExcluir
  3. Coragem acima de tudo... A bandidagem, infelizmente, não tem limites. Não acredito que o Governador não tenha capacidade de garantir a integridade física desse cidadão denunciante. A voz que se levanta corre risco de morte... E precisa mesmo de muita proteção! Deus o guarde e o Governador determine a imediata proteção física dele, a missão do líder é nobre e exemplar!

    ResponderExcluir
  4. Iludidos são os que acreditam em mentiras dos governos tucanos. Quantas pessoas ameaçadas foram mortas em gestões administrativas do PSDB no Estado? Dezenas de vítimas não se viu nada para obstaculizar isso.

    ResponderExcluir
  5. Só morrem ou morreram nas gestões do PSDB PTralha? A violência está em todo Brasil... ou não?

    ResponderExcluir
  6. Conheço o Sr. Bosco e sei de sua incansável luta pelo direito a terra para aqueles que precisam. Ele corre um serio risco mas nao desiste dos seus ideais.

    ResponderExcluir