VER-O-FATO: COMPUTADOR DA ALEPA INVADIU CONTA DO PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO DOS CONCURSADOS

segunda-feira, 11 de abril de 2016

COMPUTADOR DA ALEPA INVADIU CONTA DO PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO DOS CONCURSADOS

José Emílio Almeida *  

Esta semana, vou à Delegacia de Proteção e Repressão a Crimes Tecnológicos (DPRCT), abrir um Boletim de Ocorrências e pedir providências para saber quem e por que tentaram invadir a minha conta do Facebook.
 
A invasão me foi informada pelo próprio Facebook, que indica como origem um computador da Assembleia Legislativa do Estado do Pará (Alepa). Vou pedir a quebra do IP de quem tentou invadir a minha conta. Quero saber o motivo da frustrada tentativa. E providências para que isso não mais se repita. Não descarto ainda um pedido de indenização por danos morais, pois não sei se o autor da tentativa de invasão já não teria algum dado pessoal meu.

Ao que parece, os computadores da Alepa, que no passado bem recente, serviram para desviar dezenas de milhões dos cofres públicos, agora se prestam também para bisbilhotar vidas e contas bancárias alheias.

Há cerca de quatro anos um grande escândalo de corrução, envolvendo servidores comissionados, deputados e parentes de deputados, ocupou as páginas dos jornais e telejornais do Pará. Na ocasião, os computadores da Alepa serviam para tudo, até para compartilhar as páginas das "Brasileirinhas", site pornô especialista em sexo explícito, cujo maior frequentador era o deputado Pastor Divino, segundo se diz por gabinetes.
 
Para mim, aliás, a Alepa é uma instituição que não se dá respeito, já que as fraudes monumentais que lá ocorreram, especialmente no escândalo denunciado pela ex-funcionária Mônica Pinto, delatora das fraucatuas, foram abafadas, varridas para debaixo do tapete e nenhum deputado da atual legislatura cobra maiores explicações.

É bom que se diga, também, que não são pequenas as pressões sobre o Ministério Público do Estado para que sejam suspensas as investigações sobre o caso. E isto se explica pelo fato de não haver um único deputado querendo a punição dos culpados e nem tampouco que o dinheiro desviado seja devolvido aos cofres públicos. Na Justiça, os processos contra os envolvidos se arrastam e depoimentos são tomados com parcimônia, como se fosse um casinho besta. Uma vergonha.
 
O ex-senador Mário Couto (PSDB), até já posou de moralista, apesar das sujeiras que ele mesmo patrocinou na Alepa, quando a presidiu. Acusado de corrupção pelo Ministério Público, pelo desvio de mais de R$ 13 milhões em recursos públicos, no esquema que ficou conhecido por “Tapiocouto”.
 
Todos apostam na impunidade e, se alguém for condenado, com certeza serão "peixes pequenos", os chamados "laranjas". Pobres moradores das periferias, cujos nomes são usados por espertalhões, lá de dentro da Alepa, para embolsar altas quantias. Isto sem falar no chefe da Casa Militar da Alepa, aliado do governador Simão Jatene que, num final de semana, à noite, sumiu com uma carro oficial cheio de provas do escândalo. 

Por essas e outras, não vou deixar barato. A tentativa de invasão à minha conta não pode ficar sem resposta, pois ocorre justamente no momento em que o governo está dando um duro golpe nos servidores públicos, aplicando um brutal ajuste em todos os órgãos.

Isso indica claramente uma perversa tentativa de intimidação das atividades da Associação dos Concursados, entidade que eu dirijo e que atua incessantemente na contra mão da política desse governo, que não convoca os aprovados nos certames que promoveu e ameaça não mais promover concursos públicos.

Essa ação mafiosa não vai me calar, pois continuarei lutando contra a política de ajuste e precarização dos serviços públicos, aplicados pelos governos Dilma, Jatene e Zenaldo. 
 
 * José Emílio Almeida é professor público e presidente da Associação dos Concursados do Pará (Asconpa)

Nenhum comentário:

Postar um comentário