quarta-feira, 16 de março de 2016

PARAUAPEBAS ARRECADOU MAIS DE R$ 3 BILHÕES, GASTA MUITO, MAS POPULAÇÃO NÃO VÊ OBRAS


Bombardeado por denúncias que explodem por todos os lados, devido à notória falta de comando e ao descaso com a gestão pública, que afetam diretamente a população de Parauapebas, principalmente as pessoas mais pobres, o prefeito Valmir Mariano, o “Valmir da Integral” (PDS) reage alegando que o município não dispõe de recursos para atender todas as demandas e que de 2013 a 2015, a prefeitura viu a arrecadação diminuir em torno de R$ 200 milhões.

Em Parauapebas, no Sudeste paraense, opera a companhia Vale, uma das mineradoras mais ricas do mundo, que gerou algumas centenas de milhões de reais em royalties para os cofres públicos desde 2013. Até agora, somando tudo, mais de R$ 1 bilhão em Imposto foram arrecadados pelo município.

No total, de acordo com dados oficias, até o final do mês de fevereiro deste ano, a arrecadação de Parauapebas já superou a casa dos R$ 3 bilhões. Chegou na verdade a R$ 3 bilhões e 135 milhões, com previsão de alcançar R$ 4 bilhões e 180 milhões até o final do mandato de “Valmir da Integral”, em dezembro de 2016.

Esses números provam que as justificativas do prefeito não fazem sentido. Segundo dados oficiais divulgados pelo Portal da Transparência, a prefeitura de Parauapebas gasta muito. Já no primeiro mandato, em 2013, do total arrecadado de R$ 1 bilhão e 164 milhões, “Valmir da Integral” gastou R$ 1 bilhão e 06 milhões e ainda deixou empenhos pendentes para o ano seguinte. Em 2014, novamente os gastos ultrapassaram a casa do bilhão de reais, chegando a R$ 1 bilhão e 071 milhões.

No ano passado, conforme os dados oficiais, os gastos diminuíram e alcançaram R$ 878 milhões, uma vez que houve diminuição da arrecadação. Neste ano de 2016, a previsão da arrecadação é de R$ 1 bilhão e 045 milhões. Ou seja, Parauapebas é um dos municípios mais ricos do país, porém, é dos que mais gastam.

O problema é a forma com que esse dinheiro é gasto, uma vez que a atual administração e a Câmara Municipal estão sendo investigadas pelo Ministério Público Estadual por esquema criminoso oriundo de fraudes em processos licitatórios e superfaturamento, além de emissão de notas fiscais frias e desvio de recursos públicos.

Moradores do município suspeitam de que o prefeito e alguns gestores municipais podem ser presos a qualquer momento por formação de quadrilha, corrupção ativa e passiva, peculato e improbidade administrativa, entre outros crimes previstos.

Os caminhões de dinheiro gastos pela Prefeitura de Parauapebas não se transformaram em melhorias para a população. A cidade enfrente sérios problemas em relação a saneamento básico, pois a maior parte do esgoto corre a céu aberto, por falta de planejamento. As ruas se tornam perigosas à noite devido à precária iluminação pública. Há carência de escolas, postos de saúde, a ação social está à beira do colapso, não há empregos, faltam moradias, o trânsito é caótico e a violência aumenta. Trata-se de um cenário muito complicado, longe das expectativas dos cerca de 190 mil habitantes que acreditaram nas promessas feitas por “Valmir da Integral”.

Pacientes não conseguem atendimento no hospital municipal

Se a assistência social beira o colapso, a situação do atendimento à saúde não é tão diferente. “As pessoas não têm condições de fazer uma cirurgia simples, como de hérnia, por exemplo, no hospital municipal, porque a fila é imensa e só tem vaga para daqui a um ou dois anos”, acusa a vereadora Eliene Soares (PT). Quem precisar de cirurgia mais complicada, diz ela, tem que procurar em outra cidade, porque não vai conseguir em Parauapebas.

De acordo com a vereadora, as mulheres sofrem na fila da saúde, “mas não conseguem ao menos fazer um exame de mamografia, porque o equipamento não está funcionando por falta de técnico especializado para operá-lo”. Já as mulheres que precisam fazer cirurgia de laqueadura são obrigadas a esperar até dois anos. “A situação da saúde não é fácil. No ano passado foram registrados sete óbitos na hora do parto”, denuncia.

Até para fazer exames simples, como o preventivo, as mulheres sofrem, pois os resultados duram meses para ficar prontos. Para conseguir vagas com médicos especialistas, as mulheres também só conseguem esperando vários meses. “A situação é crítica e são muitas as denúncias de supostos desvios de dinheiro público”, afirma a vereadora.

Ela cita como exemplo a compra de contraceptivos, em dezembro de 2013, no valor de R$ 10,5 milhões, sob a justificativa que era para distribuir às mulheres. “O processo foi todo feito de forma irregular, pois ficou pronto em apenas uma semana, tanto que todas as contas da Secretaria Municipal de Saúde foram reprovadas pelo Conselho Municipal de Saúde”, arremata Eliene Soares.

A Prefeitura de Parauapebas é uma máquina de arrecadar dinheiro. Só da cobrança da taxa de iluminação pública, aponta a vereadora, a Celpa repassou aos cofres municipais R$ 11 milhões, valor correspondente de 2013 a 2015, mas a cidade é muito mal iluminada e as pessoas têm medo de circular de noite, pois correm o risco de ser assaltadas. A limpeza pública é outro drama. Nos três primeiros anos de governo “Valmir da Integral”, a cidade ficou sem coleta de lixo regular.

Apesar da cidade não ter saneamento básico na maioria das ruas, cujo esgoto corre a céu aberto, a Secretaria de Urbanismo foi contemplada, de 2013 a 2015 com R$ 225 milhões e 800 mil. Reportagem de Paulo Jordão publicada no Correio, o jornal de Carajás.

6 comentários:

  1. Meu caro Jornalista Carlos Mendes sei da sua seriedade, já disse aqui que te admiro e te acompanho desde a década de 80, quando ainda estavas no "O Liberal" na Gaspar Viana.
    Em relação à notícia divulgada sobre "nosso" Velhote de Parauapebas, seria muito bom vc fazer uma pesquisa bem abalizada para informar a todos nós com conhecimento de causa; se ficar no "Maria vai com as outras" vc se desmoraliza.
    Dê uma volta no Pebas veja o quanto o 'Velhote' (nome carinhoso do Prefeito) vem trabalhando, se juntar todas as obras dos prefeitos passado, não supera o que Velhote fez em três anos.
    Não estou dizendo que não tenha problema em sua prestação de contas, nem estou aqui fazendo apologia ao "rouba mas faz", é por questão de justiça. Quem trabalha incomoda, a cidade é outra companheiro procure mais informações...
    Que é verdade que ele foi assessorado por uma corja no inicio de seu governo isso ficou evidente, mas agora ao que parece a coisa mudou...
    Venha ver para crer!

    ResponderExcluir
  2. Caro anônimo, se você me conhece e me acompanha de fato desde a década de 80, deveria saber que nunca fui "Maria vai com as outras". Recebo denúncias, documentos, gravações, apuro, investigo e publico, procurando ouvir o outro lado. O seu "Velhote" prefeito nunca quer ser ouvido, ou porque não tem o que responder,ou porque pensa que todo jornalista pode ser persuadido por métodos que não fazem meu gênero. Parauapebas, um dos municípios mais ricos do País, pelo que arrecada de impostos, royalties dos minérios de Carajás, sem falar dos repasses federais, deveria ser um exemplo de modelo de gestão pública. E de obras, muitas obras, em favor do bem comum. Do morador do centro da cidade ao pobre da periferia. Conheço Parauapebas desde quando era um simples povoado de Marabá. E mais: as denúncias e documentos que tenho sobre a atual gestão fariam corar um frade franciscano. De resto, o MP estadual tem uma tonelada de documentos que estão sob sigilo judicial. Devo publicar esses documentos porque a sociedade de Parauapebas precisa saber porque não tem melhor qualidade de vida e serviços públicos decentes. Se você é assessor do prefeito, mostre a cara, identifique-se para que eu também cobre de você as respostas que o prefeito não me dá sobre os problemas de seu município.

    ResponderExcluir
  3. Não sou assessor de nada, quero apenas que informações sejam verdadeiras, se vc as tem então não escamoteie, se tem apenas evidências é melhor mesmo investigá-las... Se vc foi persuadido por que não denuncia?
    Se vc conhece Parauapebas então divulgue o que está sendo feito, compare as obras; veja se são verdadeiras; tem pseudos jornalistas/blogueiros que querem apenas ganhar dinheiro por denúncias...
    Repito: não estou dizendo que não tenha problema em sua prestação de contas, nem estou aqui fazendo apologia ao "rouba mas faz", é por questão de justiça. Quem trabalha incomoda.
    Insisto vá em Parauapebas e veja vc mesmo.

    ResponderExcluir
  4. Começo a acreditar que não é o que diz... a reportagem que vc se refere é de vereadora petista que fica querendo se vender, já mudou inclusive de partido... olha lá hem!

    ResponderExcluir
  5. Uma bomba nas entranhas do poder
    PUBLICADO POR LÚCIO FLÁVIO PINTO ⋅ 16 DE MARÇO DE 2016 ⋅ DEIXE UM COMENTÁRIO
    Com seu principal ato de hoje, a nomeação de Lula para o seu ministério, a presidente Dilma Rousseff conseguiu transformar em péssima uma crise que já era muito ruim. Bastou que ela mandasse redigir o ato e, para torná-lo oficial, com sua publicação, a antecipação por várias horas da edição do Diário Oficial da União, que circularia normalmente só amanhã, para ter uma imediata resposta.

    O juiz Sérgio Moro, que deixava de ter jurisdição sobre Lula, decidiu tirar o sigilo de todo processo que estava instruindo sobre o ex-presidente, inclusive gravações feitas através de interceptação telefônica por ele próprio autorizadas.

    As conversas de Lula com a presidente, alguns dos seus ministros, outras autoridades e pessoas podem caracterizar a obstrução da justiça, que é crime passível de prisão, como aconteceu com o senador Delcídio do Amaral. No exercício do cargo eletivo, porém, ele só podia ser preso em flagrante delito. O flagrante não foi a obstrução da justiça, mas o que a proporcionou: sua participação numa organização criminosa.

    Já não há mais dúvida alguma de que essa é a convicção do juiz federal Sérgio Moro em relação ao ex-presidente. Para ele, Lula integra uma organização criminosa, a mesma de Delcídio.No entanto, não mandou prendê-lo. Nem mesmo o indiciou ainda.

    O que decidiu foi conduzi-lo à força para depor, ciente que, desta vez, Lula resistiria. Para não caracterizar o abuso, determinou à Polícia Federal que primeiro fizesse o convite. Só se ele se recusasse a acompanhar os policiais, o que fez, ele teria que ser levado. Mas sem algemas nem qualquer constrangimento.

    A preocupação indica que Moro não queria dar qualquer pretexto para impedir que, no momento por ele considerado aprazado, adotasse uma iniciativa mais drástica. Poderia fazê-la de imediato, ao receber o pedido de indiciamento de Lula, com a antecipação da sua prisão preventiva, feita pelos promotores públicos de São Paulo. Provavelmente, entretanto, antes ouviria o Ministério Público Federal que integra a Operação Lava-Jato. Enquanto isso, continuaria a produzir provas para sua própria cartada.

    A retirada do sigilo de todas as provas até agora reunidas contra Lula expôs a todos um conjunto de informações ainda mais devastadoras do que as da delação do senador Delcídio, com os mesmos componentes, mas com uma desvantagem para Lula: ele não tem mais um cargo eletivo. Só pode ser preso por ordem da nova autoridade que passará a presidir o processo, o ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal, mas sem as prerrogativas do cargo político, como o flagrante.

    Há outro risco maior e mais imediato. A oposição já protocolou ações populares para impedir a posse de Lula, prevista para segunda-feira. Há fundamento jurídico suficiente para essa medida. Se o ato da presidente Dilma for anulado, Lula será devolvido às mãos do juiz Sérgio Moro, que já parece estar preparando a sua parte no enredo: o indiciamento ou a prisão (ou as duas coisas) de Luiz Inácio Lula da Silva.

    Na melhor das hipóteses para os petistas, ela até pode não explodir, mas foram eles que acabaram por gerar, nas entranhas do governo federal, o artefato que pode acabar por destruí-los: uma bomba de devastador efeito moral – e de pavio curto.

    Sua explosão não fez surgir das suas cinzas um Estado policial, como disse a presidente, ao ouvir os grampos e sua degravação, já que ela – embora às vezes pareça não se dar conta – é a presidente do país. Admitir que sob seu mando há um Estado policial que não criou e lhe desagrada é se enquadrar numa esquizofrenia grave, fatal.

    Na verdade, o destino para o qual o Estado brasileiro caminha é o estado do caos. Com a marca dessa criatura que a história abrigará na sua posta restante: Dilma Vanna Rousseff.

    ResponderExcluir
  6. esse velhote trabalhou muito porém faltou melhoria na Educação, até porque uma cidade sem melhoria na educação não se desenvolve nunca.

    ResponderExcluir