domingo, 20 de março de 2016

O UNIVERSO DE PARAGUASSÚ ÉLERES, QUE TEM AÇÃO NO STF CONTRA LULA EM MINISTÉRIO

"A Ação Popular no STF visa o interesse público e não a platéia", diz  Paraguassú
 
Prezado Carlos Mendes.

Uma cópia da Ação Popular Preventiva que ajuizei no STF pedindo a anulação da posse de Lula como Ministro de Estado, na Casa Civil (“ou Servil...”) e Secretaria da Presidência da República, eu a encaminhei a você e ao “O Liberal” (onde escrevi por mais de 30 anos e por 2 fiz o programa radiofônico semanal Planeta Amazônia), que a mencionou a AP no Poucas Linhas, e meu filho Ricardo liga-me sobre a notícia no “Ver-o-Fato” em que um alguém disse que era “mais um a cata de fama...” e por receber várias respostas sobre o que disse, apagou a opinião sobre mim, que não sei se me conhece. 
 
Certamente não, dada a lição que herdei do saudoso Cléo Bernardo: “amizade que não resiste a uma dissenção não é amizade”. Aqui, na República da Angustura, onde os filhos me tratam por “tu” e “Parágua”, nunca “tomaram a bença” e desde guris sabem termos direitos iguais de opinião, há dois casos singulares: um filho meu, Agrimensor (melhor que eu), foi meu estagiário da Escola Técnica Federal e apesar de aprová-lo, exigi que o SIEE o reexaminasse, e uma filha, Marília, minha aluna de Direito Fundiário na Unama, em prova que merecia 10, dei-lhe 8, por não aceitar a tese processual que expôs - e me arrependo pois ela é melhor advogada que eu. Dessa plateia, incluindo outros 3 filhos – Gisele, Ricardo e Cristina, de mesmo valioso quilate (que me deram 8 netos) é que me interessa a fama.

Eles sabem que aos 14 anos (1953) apanhei da Polícia num comício pela criação da Petrobrás (hoje, roubada pelos bandos do Lula e “Passa-Dilma”). Sabem eles que aos 15 “prendi” um nisei que rasgou uma nota velha de cinco cruzeiros recebido de troco no ônibus “Circular”, e em 1958 (aos 19) perdi o navio que me levaria a Cancun (México), de onde iria a Sierra Maestra (Cuba) ladear Fidel para mudar o mundo pela mira de um fuzil. A essa turma, para quem sou famoso, não ensinei que Deus existe (eles que descobrissem) mas desde guris mostrei-lhes nos meus teodolitos as crateras da Lua, a nitidez de Marte e Vênus e os anéis de Saturno. 
 
A eles falei de Francisco de Assis (não o santo, mas o homem bom, amoroso, o ecologista, de quem estabeleci o princípio de que “basta amor e humor que o resto vem sem dor”), e lembrei-lhes de Tomas de Aquino (não o Doutor da Igreja, mas o pensador com quem aprendi que “nem tudo que é legal, é moral”). Essa turma sabe que ao conhecer a mulher que elegi para ser mãe e avó deles eu não sabia ser ela de família latifundiária e para mostrar “cultura”, na primeira vez que fui à sua casa falei em reforma agrária... mas por amor e respeito a princípios éticos, ambos renunciamos a herança de milhares de hectares, celebrando “fama” recíproca que nasce do coração.

Essas coisas, tal como a AP contra Lula e Dilma (e as que ajuizei por interesse público, e não para a plateia, como a do parque zoobotânico Museu Paraense Emílio Goeldi ameaçado pelos “espigões” das imobiliárias) fazem parte do meu universo que, para os poucos que o conhecem, é simples como a gota d’água: vem do alto, entranha, percola a terra e se esvai, posto que seu destino. 
 
E finalmente, Carlos, digo ao filho de Deus que me imagina caçador de fama`: a AP no ajuizada no STF não é contra o Partido dos Trabalhadores, a clã política mais importante que o Brasil viu emergir no século 20, impondo-se aos “donos do poder”, no dizer de Faoro, eivada de renovação ética partidária e que por isso deve ser resgatado, reconstruído, desde que mental e socialmente higienizado, banida a infestação dos Virus Lulas, Dilmas, Dirceus, Okamotos, e outros que os perdigotos pornofônicos lulista engrandecem, gente diferente das Marinas da Silva, das Herundinas, dos Hélios Bicudos, dos Olívios Dutras, dos Saturninos Bragas, e outros valorosos idealistas que hoje possivelmente se ressentem terem cerrado fila e formado um partido político que enlameou a História nacional. 
 
Um abraço do Paraguassú Éleres

2 comentários:

  1. Dr. Paraguassú, fico orgulhosa de o nosso Pará ter um filho do seu quilate.

    ResponderExcluir
  2. Decepcionante ler tal artigo de um professor que na minha concepção foi o melhor professor da UNAMA. Só faltou ele dar um viva à louca advogada do impeachtmen...como é mesmo o nome dela?!!Esqueçamos.

    ResponderExcluir