VER-O-FATO: ASCONPA DIZ QUE CONCURSO DA PMB É PARA DIMINUIR REPULSA À EXTINÇÃO DE 49 CARGOS

segunda-feira, 28 de março de 2016

ASCONPA DIZ QUE CONCURSO DA PMB É PARA DIMINUIR REPULSA À EXTINÇÃO DE 49 CARGOS

 
 
O jornal O Liberal deste domingo (27), veicula notícia de abertura de mil vagas em concurso público pela prefeitura de Belém. Na matéria, para tentar parecer convincente, a secretária de Administração do município, Alice Coelho Teixeira, informa que serão ofertadas 1073 vagas, com prioridade para cargos das áreas de Saúde e Educação. Na Saúde "devido a construção de novas unidades de Saúde (UMS) e de Pronto Atendimento (UPA), além do Centro de Saúde da Mulher e o novo Pronto Socorro da 14 de Março". E, na Educação, "teremos que suprir a necessidade devido a mais de duas mil vagas para alunos criadas nas escolas”.

Segundo a secretária, a Semad já está trabalhando no processo licitatório para realizar os certames. "Aguardamos a aprovação, o quanto antes, do projeto que cria os cargos para poder encaminhar os trâmites dos concursos e homologa-los até junho”, salienta. Para o presidente da Associação dos Concursados do Pará, José Emílio Almeida, está clara a intenção do prefeito Zenaldo Coutinho, ao patrocinar esta matéria no jornal O Liberal: conquistar a simpatia da população, no momento em que enfrenta forte indignação dos servidores públicos municipais, pela aprovação do Projeto de Lei nº 13, de sua autoria, que extingue 49 cargos na prefeitura, "prejudicando milhares de concursados ainda em estágio probatório, todos aprovados em concurso público promovido há três anos e que lutaram contra ele mesmo para conseguir a nomeação".

Numa flagrante artimanha para tentar aliviar os danos causados à sua imagem pela extinção dos cargos, no mesmo projeto, Zenaldo cria 600 novas vagas na Semec, para os cargos de professor e pedagogo, ludibriando os aprovados no cadastro de reserva de concurso público realizado em 2011. "Se quisesse, Zenaldo os nomearia sem a necessidade de criação dos novos cargos, em substituição aos milhares de professores que trabalham em regime precário naquela Secretaria", disse Emílio.

Ainda para o presidente da Asconpa, "apesar de existir grande necessidade de mais servidores efetivos em todos os órgãos e áreas da prefeitura, desde que assumiu o cargo em 2013, Zenaldo não apresentou um único levantamento que justificasse essa necessidade. Pelo contrário, ele até se recusa a nomear os aprovados em concursos de 2012, alegando desnecessidade de novos servidores e falta de recursos públicos".

"Zenaldo e a sua secretária deveriam ser presos por fraude. A desfaçatez desta administração não tem limite. E custa caro. Cerca de R$ 53 milhões de reais já foram gastos em propagandas deste tipo. Sempre tentando passar para a população uma imagem boa, saudável, limpa, de um dos piores governos que Belém já teve", sentencia Emílio.

Um comentário:

  1. Emilio é bom pra sentenciar... vai sentenciar o Lularápio, velho!

    ResponderExcluir