terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

QUEBRA PAU ENTRE "IMORTAIS" PARAENSES VAI PARAR NA JUSTIÇA

Academia Paraense de Letras: clima pesado entre os "imortais" Meira e Moura
Alcyr Meira alega ter sido ofendido moralmente com palavrões e ameaças
Júlio Victor Moura disputa presidência da APL e é acusado de ofensas


É bom não convidar para o mesmo sarau literário o arquiteto Alcyr Meira e o advogado Júlio Victor Moura, ambos "imortais" da nossa dileta Academia Paraense de Letras (APL). Um não quer ver o outro nem pintado pela frente. O clima entre eles anda tão pesado, mas tão pesado, que Meira ficou de ingressar ontem com uma ação judicial contra Moura por "crime contra a honra". Não se sabe se, de fato, isso ocorreu.

Honra é um negócio sério. Ou se tem, ou não tem. E quem a tem é capaz de lutar por ela até o último segundo de vida, mesmo na "imortalidade". O problema, segundo um "imortal" da APL e leitor assíduo do Ver-o-Fato, é que a fogueira das vaidades entre os dois intelectuais acadêmicos atingiu o ápice, com chamas altas e preocupantes, capazes de provocar um incêndio no nosso silogeu.

É briga pelo poder. Mais precisamente, a presidência da APL, hoje ocupada por Meira - candidato a reeleição - e ambicionada com unhas e dentes por Moura. A questão é que a disputa resvalou para supostas ofensas verbais e morais que teriam sido praticadas por Moura contra Meira.

No auge do desentendimento entre ambos, Moura soltou palavrões contra o desafeto intelectual, além de chamá-lo para a briga. Meira, de 81 anos, ainda de acordo com a fonte "imortal", não esboçou nenhuma reação às agressões morais sofridas. A "imortal" Edy-Lamar Oliveira, que teria saído em defesa de Meira, também recebeu cabeludos "elogios" de Moura e seria arrolada como testemunha do processo.

E assim caminha a humanidade intelectual paraense. Entre convescotes, beijos e tapas - morais, é bem verdade.

Bem faz o autor do blog Ver-o-Fato, também "imortal". Não da APL, mas da Academia Paraense de Jornalismo (APJ), para onde foi levado por "livre e expontânea pressão" dos jornalistas Francisco Sidou, Gilberto Danin e Donato Cardoso. Na APJ, este "imortal", que não mexe com ninguém (kkkkkkk), não almeja nenhum cargo na entidade.

Pra falar  a verdade, trata-se de um "imortal" que não tem onde cair morto.
 

3 comentários:

  1. Isso é que dá quando fazem academia repleta de intelectual de balcão. Esses caras não tem gabarito, nem capacidade para ser membro de academia de batuque de fundo de quintal. Não passam de intelectuais do oportunismo balzaquiano.

    ResponderExcluir
  2. Olha Carlos Mendes, tem uns políticos por aí que adorariam ser imortais para ferrarem com o povo pra sempre!

    ResponderExcluir
  3. O Moura é acostumado a ofender as pessoas quando o assunto é poder. Infelizmente a ambição é mais forte que os assuntos pertinentes à academia, por isso me afastei dos eventos. Sem dúvida o melhor presidente que a APL já teve foi o Prof Edson Franco. Fico triste �� com esse fato envolvendo o nome do renomado jurista.

    ResponderExcluir