domingo, 24 de janeiro de 2016

AS RAZÕES DE "O LIBERAL", DO "DIÁRIO DO PARÁ" E SEUS BASTIDORES


Descobriu a pólvora - A manchete deste domingo de "O Liberal" é de uma obviedade mais que ululante, só para lembrar do genial escritor Nelson Rodrigues. O jornal reproduz, em entrevista, declarações do general Jeannot Jansen, o todo poderoso que comanda a nossa (in) segurança pública. 

Se até o mosquito da dengue já sabia que os grupos de extermínio dão as cartas em Belém, matando impunemente quem atrapalha sua atuação, o general nada sabia, mas agora admite que sabe. Muito bom. Já é um avanço. Agora que já sabe que o óbvio é mais do que óbvio, que tal começar a combater esses malfeitores?

Melhor seria começar dando ordens aos seis delegados que há mais de um ano não conseguem descobrir qual dos grupos de extermínio que atua em Belém matou 10 inocentes após a morte do cabo Pet, da Rotam. Mãos à obra, general, faça seu pessoal trabalhar.

Essa matança, como outras que já aconteceram, acontecem e ainda vão acontecer, aterrorizou a população, mas, até agora, segura triunfante o troféu "Impunidade 2014".  

Tiros em Jatene e no Orly - Para variar, a manchete domingueira do "Diário" bate em sua vítima favorita, o governador do Estado. É claro que Jatene, ex-aliado de Jader Barbalho e com quem anda em rota de colisão, desde que não quis entrar no jogo do ex-padrinho político, merece ser criticado. Afinal, seu terceiro mandato pelo voto popular tropeça em pífias ações nas áreas de Educação, Saúde, Segurança e Saneamento. 

Ocorre que as chibatadas e tiros diários que ele leva do jornal barbalhista também tem outro motivo, talvez o principal: Jatene foi buscar abrigo midiático no bunker de Rômulo Maiorana Junior, o capitão do time das ORMs. E aí, para responder ao inimigo, "O Liberal" dispara seus mísseis em direção ao prédio da RBA. É briga de cachorro grande, pode-se dizer, e ninguém tem nada a ver com isso.

Tem, sim. Afinal, trata-se de dois poderosos veículos de comunicação e os leitores de ambos almejam por notícias isentas, bem apuradas e de interesse público. Coisas em falta por estas bandas, ultimamente. 

Mas na manchete de hoje do "Diário", há tiros também sobre Orly Bezerra, a cabeça pensante da publicidade tucana, seja para Jatene, seja para Zenaldo. Mas, convenhamos, se Orly tivesse destinado ao Grupo RBA parte dos 80 milhões que o "Diário" diz ter ele recebido de Jatene desde 2011, o marqueteiro estaria hoje prestes a ser recomendado ao papa Francisco para canonização. Como nada liberou, chumbo nele.

E assim caminha a humanidade nesse imenso país chamado Pará.   

4 comentários:

  1. O jornalista Carlos Mendes poderia fazer um favor a toda população paraense deste Estado loteado entre famílias se publicasse tudo o que sabe desses bastidores em que viveu por décadas nos dois jornais citados. Apostamos nós seus leitores e admiradores que muita coisa podre seria revelada. Peço desculpas ao nobre jornalista por minha impertinência.

    ResponderExcluir
  2. Não há santo nesse purgatório (nem purgatório), onde o perdão é o maior empecilho para, juntos fazerem alguma para esta Belém e este Pará, sair de tamanho marasmo. A gente chega em Belém e vê uma cidade suja, esburacada, com suas praças imundas de gente imundo dormindo em bancos nas sarjetas; as baixadas nem se fala... Que horror! Aí vem ainda esses "barbaptralhos" sacanear com o nosso Pará.

    ResponderExcluir
  3. Esse secretario de insegurança pública, é um dos maiores incompetentes, que já pintou por essas bandas.

    ResponderExcluir
  4. A coisa mais repugnante que existe no Estado do Pará é essa briga idiota desses dois grupos de foras da lei que buscam obter a hegemonia política no estado. Triste TERRA que é habitada e controlada por esses infelizes. Vão se embora, peguem o trem das onze e zarpem para qualquer lugar longe. Vão gastar o produto do saque efetuado ao longo desses anos. Sumam para sempre deixem-nos levar nossa vidas em paz, sem a nefasta interferência dos srs.

    ResponderExcluir