VER-O-FATO: ATÉ A TINA TURNER ENTENDERIA O QUE DIGO

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

ATÉ A TINA TURNER ENTENDERIA O QUE DIGO

 
Ismael Moraes - advogado
 
No início deste ano meus diletos amigos Admilton Almeida, Carlos Mendes e Paulo Bemerguy publicaram no site O Impacto, e nos blogs Ver-o-Fato e Espaço Aberto o artigo intitulado “Longe da Cidadania” em que eu critiquei a falta de investimentos do Tribunal de Justiça na base social do atendimento do Poder Judiciário, e a omissão da OAB em cobrar mudanças nisso.

Anteontem o jornalista Carlos Mendes informou-me que estava cobrindo matéria em que reportava confronto aberto entre o presidente da OAB advogado Jarbas Vasconcelos e o presidente do TJE desembargador Constantino Guerreiro. A razão seria a falta de nomeação de juízes e servidores e, enfim, de investimentos elementares à prestação jurisdicional. Naquele instante manifestei ao incansável jornalista a minha solidarização à atitude do mandatário batonier, e que talvez manifestasse isso publicamente após avaliar o caso, lendo a sua matéria.

Eis que os afazeres me absorveram o dia, e agora, no final da noite desta segunda, recebo por mensagem do aplicativo whatsapp reprodução de mensagem supostamente de autoria daquele presidente da OAB. Nela, há referência expressa e nominal a mim e ao jornalista, como se fôssemos a favor do presidente do TJ, e tivéssemos o propósito de detratar o representante da OAB.

Por primeiro, registro que a matéria de Mendes é de um jornalismo de primeira água; sem parcialidades, procurou ouvir todas as partes, e dar-lhes espaço idêntico, comunicando a questão pública. Em segundo, registro que entre meus defeitos não está a incoerência: firmo-me resoluto em criticar os dirigentes do Tribunal que sigam aplicando indevidamente os recursos que deveriam atender às necessidades elementares da sociedade. Sobre isso, a propósito, defendo mesmo que seja instaurada investigação do CNJ no pagamento das diárias excessivas em viagens inúteis.

Aliás, com todo o respeito aos portadores da disfunção cerebral, só um autista é incapaz de ver as gritantes urgências por que passam os jurisdicionados, deixando em total desespero juízes e servidores, e impedidos os advogados de trabalhar. São carências elementares que não precisam de um especialista para fazer concluir do colapso a que chegou o Judiciário, em alguns casos funcionando num faz de conta, em que só princesas deslumbradas acreditam.

Mesmo Tina Turner, sem saber português ou dançar carimbó, no seu rock’n roll estilizado e agora suíço, entenderia o que estou falando

Nenhum comentário:

Postar um comentário