VER-O-FATO: ÍNDIOS E PESQUISADORES SE UNEM PARA BARRAR A DESTRUIÇÃO DA AMAZÔNIA MARANHENSE

terça-feira, 10 de novembro de 2015

ÍNDIOS E PESQUISADORES SE UNEM PARA BARRAR A DESTRUIÇÃO DA AMAZÔNIA MARANHENSE

O assédio de ruralistas e o comércio ilegal de madeira transformaram a área de floresta amazônica no estado do Maranhão em zona de guerra. Em um cenário de violência e desmatamento crescentes, a Reserva Biológica (Rebio) do Gurupi e as terras indígenas Arariboia, Awá, Caru e do Alto-Turiaçú são os últimos refúgios de preservação da amazônia maranhense, hoje reduzida a menos de 20% do seu tamanho original.

Representantes de etnias indígenas e pesquisadores que estudam a biodiversidade da Rebio, protagonistas da resistência à destruição florestal, se reuniram na segunda-feira,2, em São Luís (MA) durante o Seminário da Amazônia Maranhense e tinha um sentido principal: o conhecimento mútuo para fortalecer a luta.
 
“O diálogo direto com os indígenas foi muito importante para aprendermos o que de fato é importante para eles e, por sua vez, eles entenderem do que estamos falando” conta Marlucia Martins, bióloga do Museu Paraense Emílio Goeldi (MPEG). “Não temos dificuldades em conversar sobre Biologia e conservação. Existem maneiras diferentes de decodificar a natureza, mas nós, indígenas e biólogos, mas falamos da mesma substância.”

Na reunião, os pesquisadores, as lideranças indígenas e representantes do Conselho Indigenista Missionário (CIMI) reafirmaram a preocupação e os esforços contra a proposta de emenda constitucional 215,  aprovada em sessão da Câmara no final de outubro. Essa proposta permite a revisão da demarcação às terras indígenas e confere ao parlamento a atribuição de dar a última palavra sobre os limites das áreas indígenas, quilombos e unidades de conservação, além de autorizar empreendimentos econômicos dentro das terras dos índios.

O dia 11 de novembro, amanhã, foi o dia escolhido para a mobilização nacional contra a proposta, chamada por indígenas e militantes da causa de "PEC do Genocídio". “A PEC é um retrocesso absurdo dentro do contexto nacional e ambiental, considerando a importância que estas terras indígenas têm pra conservação da biodiversidade”, afirma a pesquisadora. “Então nós estamos juntos, procurando alternativas para barrar essa proposta”.

Desmatamento Zero – Os participantes da reunião elaboraram um relatório para entregar ao governo do Maranhão e ao Ministério Público do Estado (MPE) demonstrando porque é necessário se estabelecer o desmatamento para a Amazônia Maranhense. A reivindicação se une à campanha nacional contra o desmatamento das florestas brasileiras.

Para Marlucia Martins, a Reserva Biológica do Gurupi, unidade de conservação que abriga parte da floresta amazônica remanescente no Estado, é um território a ser preservado não apenas por sua relevância científica mas também pela centralidade que ela exerce para os povos originais do Maranhão e os serviços ambientais que presta a toda a região, principalmente em relação a provisão de água.

A Rebio e o Museu Goeldi – A instituição de pesquisa mais antiga da Amazônia há anos conduz pesquisas na área do Rebio, principalmente no quesito da diversidade local. “O Museu tem contribuído de maneira contundente com a Reserva do Gurupi, principalmente com novos registros da fauna e flora e a descrição de novas espécies”, diz a bióloga.

A educação ambiental das populações do entorno da reserva é outro eixo importante do trabalho do Goeldi, que desenvolve oficinas e palestras sobre conservação da floresta. Em parceria com a Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), a instituição levou uma mostra sobre os animais de Gurupi como parte da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia na capital do Estado.

Atualmente, o Museu Goeldi é executor do Programa de Pesquisa em Biodiversidade (PPBio) - Núcleo Amazônia Oriental e do projeto Perda de Biodiversidade nos centros de endemismo da Amazônia – INCT, que abrangem a Rebio do Gurupi. Também compõe o Programa Áreas Protegidas da Amazônia (ARPA), que foi o organizador do seminário e da reunião do dia 2 de novembro.

Para saber mais sobre a Reserva Biológica do Gurupi e o desmatamento na Amazônia Maranhense acesse o site SOS Gurupi.

Texto: João Cunha - Agência Museu Goeldi
 
A região está reduzida a menos de 20% do seu formato original. Foto: Nelson Feitosa 

Área do Alto Turiaçú, morada dos Ka´apor (foto), sob risco com a PEC 215. Crédito: Site Combate ao Racismo Ambiental 

A Reserva do Gurupi é um refúgio da biodiversidade. Crédito: Site SOS Gurupi
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário