VER-O-FATO: APÓS 13º E 14º SALÁRIOS ILEGAIS, CÂMARA DE BELÉM CRIA O VALE-ABIU, PARA CALAR SERVIDORES

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

APÓS 13º E 14º SALÁRIOS ILEGAIS, CÂMARA DE BELÉM CRIA O VALE-ABIU, PARA CALAR SERVIDORES

Apanhados com a boca na botija, os vereadores de Belém não só se calaram como também resolveram calar os servidores da Casa revoltados com a denúncia feita ontem pelo blog Ver-o-Fato sobre a criação, pela Mesa Diretora, do 13º e 14º salários, além do retorno da famigerada verba de gabinete para beneficiar os edis com um presentão de Natal e Ano Novo. Para acalmar as coisas e estabelecer a felicidade geral na casa de leis que legisla como poucas em causa própria, o presidente Orlando Reis e seus mesários decidiram criar o Vale-Abiu.

O que é isto? O vale-alimentação dos servidores foi dobrado e já deve entrar na folha de dezembro. Os servidores receberão R$ 1.500. Os R$ 750, do Vale-Abiu, virão na forma de abono de natal. Orlando Reis já chamou as chefias para que esse abono seja sacramentado. 

Um misto de cinismo e descaso, na verdade, domina os vereadores da Câmara Municipal de Belém. Eles fogem do blog para não opinar sobre os atos lavrados pelo presidente da CM, Orlando Reis, e coonestado pelos vereadores Vitor Hugo Cunha e Eduarda Louchard, secretários da Mesa, na edição do Diário Oficial da Câmara, no último dia 6.

O blog procurou todos os líderes de partidos da casa, inclusive aqueles que lideram a si mesmos, mas nenhum deles teve a dignidade de retornar o contato, feito com seus assessores, para se manifestarem sobre a decisão da Mesa Diretora que os beneficia. Provavelmente não responderam, nem vão responder, porque já sabiam que iriam embolsar ilegalmente as vantagens criadas por Orlando Reis, um vereador cujo mandato sempre esteve a serviço dos governantes de plantão. 

"Provocar", é, cara pálida?

O silêncio da Câmara Municipal, rompido apenas pela vereadora Marinor Brito (Psol), que também pouco disse sobre o assunto, só é comparado à imobilidade do Ministério Público Estadual, de quem o blog tentou saber que providências seriam tomadas para deter o assalto aos cofres públicos. Uma servidora do MP, que não se identificou, disse que a promotoria de improbidade administrativa e de defesa do patrimônio público do órgão só poderia agir caso o blog efetuasse uma denúncia. Ou procurasse a ouvidoria. Estranho, isso.

Ela disse que o blog teria de "provocar", mas nada falou ao obter a resposta de que a "provocação" já havia sido feita, a partir do momento em que o caso fôra tornado público na própria página do Ver-o-Fato. "Não é assim que as coisas funcionam aqui", emendou a zelosa servidora da MP, ignorando talvez o fato de que a promotoria pode agir de ofício para cumprir seu papel de fiscal a serviço da sociedade.

Perplexo com as declarações da servidora, o blog tentou falar com o procurador de Justiça, Nelson Medrado, um homem que sempre se conduziu com honradez no desempenho de sua missão profissional. Infelizmente, o celular de Medrado estava fora da área e, no telefone fixo do MP, a informação de uma servidora é de que ele estava "em missão". 

Órgãos como a OAB e o próprio Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) também não se manifestaram. Devem estar muito ocupados com as festas natalinas e os presentes para os "amigos invisíveis". 

O blog vai continuar sacudindo esse balaio de omissões. 

Um comentário:

  1. Perfeito, Carlos Mendes. Apesar de poucos, mas assim vamos caminhando para uma política mais justa e ética. Abaixo todos esses vereadores! Devolvam o dinheiro do povo, já!!!!

    ResponderExcluir