quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Polícia Federal joga a rede, pesca fraudes e faz prisões no Pará


Dois anos atrás, um agente da Polícia Federal de Belém, em conversa com o redator do Ver-o-Fato, foi franco e direto: "o que tens por aí sobre fraudes na pesca?". A resposta veio na lata: "o que tenho tu vais saber pelo jornal, quando sair a matéria". O servidor da PF puxou conversa meio malandra, insinuando que o jornalista poderia "trocar informações" sobre as bandalheiras na pesca no estado do Pará.

A coisa seria mais ou menos assim: o repórter daria algumas pistas sobre o que sabia, para a PF checar com o que ela já tinha, e em troca daria "exclusividade" ao jornalista na divulgação das informações, quando a operação para desmantelar as quadrilhas fosse deslanchada.

Quem faz jornalismo investigativo alguma vez na vida já sofreu, digamos assim, esse tipo de assédio. Alguns cedem e viram colaboradores, o que é ruim para os dois lados. Tanto, para o jornalista, que compromete sua independência, quanto para o policial, seja ele federal, civil ou militar, que expõe sua fragilidade e incapacidade de descobrir por conta própria as denúncias que chegam às suas mãos.

O redator do blog, em 40 anos de jornalismo, já enfrentou situações de todo tipo, algumas bizarras, que nem vale a pena relatar aqui. Até pressões para revelar fontes, sem nunca se dobrar. 

Mas, voltando à conversa com o policial federal, ao negar a "troca de informações", o jornalista apresentou uma justificativa que fez o agente da PF emudecer, despedir-se e sair de fininho: "se eu fizer o que tu me pedes, eu estarei prejudicando a nós dois, porque eu teria que virar policial federal, investigar e prender criminosos, coisas que não sei fazer, e tu terias que virar repórter, apurar e escrever matérias, coisas que tenho certeza não sabes fazer".

Chega de papo. O que falei acima foi uma preparação para dizer que hoje pela manhã, a  Polícia Federal realiza operação de combate a fraudes na concessão do benefício social de seguro defeso ao pescador artesanal no Pará. Estão sendo cumpridos 17 mandados de prisão temporária e 17 mandados de busca e apreensão nas cidades de Belém, Ananindeua, Soure, Cametá, Santa Isabel e Altamira.

Denominada “Arapaima”, a operação tem como foco o combate a prática dos crimes de estelionato, corrupção passiva e ativa, inserção de dados falsos em sistemas de informação, além do crime de associação criminosa. De acordo com a PF, o esquema fraudulento envolve servidores e intermediários ligados aos órgãos públicos envolvidos no processo de concessão do benefício.

As investigações foram conduzidas através de inquérito policial instaurado em abril de 2014 para apurar e identificar os membro da organização criminosa. As atividades ilícitas eram realizadas com a inserção de dados falsos no sistema de registro geral da pesca (RGP), possibilitando o cadastramento de pessoas que não eram pescadores artesanais.

Com o registro de que a informação sobre operação da PF está no G1, da Globo, o Ver-o-Fato vai acompanhar o desfecho da ação policial, informando os leitores de seu resultado. Vamos à pesca de informações.

E que na rede não caiam apenas bagrinhos e peixes esquálidos, mas também peixes do tamanho do pirarucu. Se cair algum tubarão na rede, melhor ainda. 

Um comentário:

  1. Parece que pegaram o vereador (PRB) e pastor da Universal, Raul Batista.

    ResponderExcluir