terça-feira, 27 de outubro de 2015

NA VINGANÇA COM AS PRÓPRIAS MÃOS, O PARÁ PERGUNTA: QUEM NOS PROTEGE?

A prova que faltava para demonstrar que o Pará é um estado sem lei e sem ordem, onde cada um faz o que quer, na hora que quer, sem ninguém para detê-lo, foi apresentada na noite de segunda-feira, dentro do Hospital Geral da Unimed, no bairro de Fátima. Um homem suspeito de matar um policial militar e que estava sob custódia do Estado, escoltado por um agente prisional e dois PMs, foi executado com vários tiros por oito homens encapuzados. 

A vítima havia sido presa em flagrante no domingo e estava internada no hospital, mas o misto de fúria e ousadia dos matadores não os impediu de fazer justiça com as próprias mãos, levando pânico aos pacientes, enfermeiros e médicos. O PM, que estava de folga do quartel, foi morto porque teria reagido ao assalto por três homens em fuga  que queriam sua motocicleta. Era querido na Rotam, a força militar a qual servia. Nos últimos dez meses, 19 policiais militares foram assassinados por bandidos nas ruas do Pará, a maioria em Belém. O crime abalou e revoltou os colegas do PM.

A Polícia Militar é uma força responsável por manter a segurança pública e é ela quem vai para a luta de peito aberto contra a criminalidade. Enquanto a maioria das delegacias policiais mantém as portas fechadas durante a noite, a PM está nas ruas, combatendo os criminosos.  Esse é o ofício dos policiais militares, que para isso são pagos pelos contribuintes: manter a ordem e ir ao socorro da população quando ela está em apuros diante da marginalidade.

A Polícia Civil, responsável pela investigação de crimes, anunciou minutos depois da execução que já começou a apurar o caso.  A Divisão de Homicídios informa que iniciou as investigações, inclusive com imagens das câmeras do hospital, para identificar os suspeitos. Pela maneira como tudo ocorreu, a probabilidade é que tenham sido policiais militares empenhados em vingar o colega morto no domingo.

Ironicamente, a invasão do hospital e a execução do suspeito de matar o PM ocorrem na véspera de completar um ano em que, após o assassinato do cabo Pet, da Rotam, uma madrugada de terror se abateu sobre Belém, culminando com a chacina de 10 pessoas que nada tinham a ver com a morte do cabo. Na cegueira da vingança, saiu-se matando quem era encontrado pelas ruas. O erro das vítimas foi estarem no lugar errado, na hora errada.

Até hoje, tal chacina continua impune. A investigação da Polícia Civil, comandada por seis delegados e acompanhamento de dois promotores de justiça, sequer foi concluída. A demora na conclusão desse inquérito, pelo que se vê, acabou alimentando a sensação de impunidade que dá as cartas no Pará. Seja do lado dos bandidos, seja do lado de alguns agentes responsáveis pela prevenção e repressão aos crimes, mas que, como ocorreu ano passado e agora, segunda-feira, sentem-se no direito de atropelar o Ministério Público e a própria Justiça, na apuração e julgamento dos criminosos. 

A execução do suspeito, dentro do Hospital da Unimed, é emblemática e extremamente prepocupante: ela significa, também, um tiro inapelável contra a própria segurança pública no Pará.

Perplexos, aos cidadãos paraenses só resta o medo. E a pergunta: quem nos protege?  

6 comentários:

  1. Texto ruim com muitos cliches e sem esclarecer ou acrescentar nada ao fato.

    ResponderExcluir
  2. É impressionante como bandido tem advogado...Para a família do Coitado do Policial Assassinado, nenhuma linha se quer de consolo, dignidade, mas para o bandido, logo aparece os defensores...PQP...Bem feito, vagabundo tem é que morrer mesmo...pena que tenha sido aonde foi...

    ResponderExcluir
  3. Caso o anônimo se identificasse, seria interessante até oferecer uma resposta mais longa. Mas, se ele não gostou do texto, cabe-lhe uma alternativa: migrar para jornais e outros endereços mais compatíveis com suas afinidades intelectuais. Se é que sabe o que isso significa.

    ResponderExcluir
  4. Um monte de lixo camuflando
    A proteção os bandidos que seguem matando sem dó nem piedade as pessoas de bem.

    Se perguntamos para um bandido desse se ele nao tam medo de morre, olha a resposta dele.
    "Nao tenho a perder nasci pra morre"
    Ja ouvir muito essas frases na boca de muito bandido

    Eles estao ai pra mata roubar e destruir
    Mas nao sao o diabo!!
    Sao simplismente vagabudos querendo vida facil que nao querem suar para ganhar seu dinheiro honestamente.
    Mas fazem tudo isso pq sabem que tem uns bandos de vermes que estao ai para os protegelos

    Em quanto os pais de familia que tem tudo a perder, como filhos esposa e tudo aquilo q lutou durante toda sua vida pra concguir.

    Sao completamente deixado de lado por esses vermes

    Vira estatísticas,

    Chega!! cada um trilha o seu caminho nao e por falta de oportunidade

    Na vida temos que fazer por onde para quando surgir as oportunidades

    E sao muitas e de todos os tipos

    Agarramos para crescer!!

    As pessoas que defendem esses tipos de bandido so tem esse argumento pífio
    "Eles nao tiveram oportunidade
    Sao vitimas da sociedade"
    Bandos hipócritas

    Cada um e responsável. Pelo seus atos!!!!

    #Sopenso







    ResponderExcluir
  5. sou contra todo tipo de violência, porem devemos admitir que que esse assassino nunca mas irá destruir a vida de outras pessoas.

    ResponderExcluir
  6. Sensacionaliamo,
    Todo momento morrem cidadão, policiais, enfim. A brutalidade ocorrida na Segunda-feira, não estou defendendo os BANDIDOS e nem CULPADOS os POLICIAIS só acho q ELES devem nos proteger qd tem q proteger. Pq será q da mesma forma q ocorreu ELES não fazem qd devem ser feito? Querem mostrorar PODER, ODIO enfim.
    Eu particulamente queria esse tipo de AÇÃO qd somos roubados nas ruas, as quais não possuem segurança eficiente. Ou q moramos próximos de "boca de fumo" e ELES chegam não com a mesma ação, chegam sim pra pegat suas "propinas" pra ficar calados. Qd BANDIDO e POLICIA são aliados que sofre é a SOCIEDADE e qd BANDIDOS e POLICIAIS estão de lados opostos a SOCIEDADE tbm sofre.

    ResponderExcluir