segunda-feira, 26 de outubro de 2015

"Francês atirou para o alto", diz perito criminal sobre morte de menor em Gurupá

A morte do menor de 14 anos, João Paulo de Lima, ocorrida no dia 12 de agosto passado, começa a sofrer uma reviravolta. Segundo análises técnicas feitas pelo perito criminal, Paulo Ozela, do "Centro de Perícias Criminais Renato Chaves", o tiro que matou João Paulo foi efetuado para cima, resvalou no tronco de uma árvore e em seguida atingiu o garoto na cabeça. O caso, ocorrido em Gurupá, parou a cidade, após a morte do menor, e mobilizou parte da população, que furiosa invadiu a propriedade do pesquisador do Museu Paraense Emílio Goeldi, o francês Jean Marie Etienne Xavier Royer, destruiu, saqueou e em seguida incendiou a residência. 

O acusado teve que sair da cidade escoltado pela polícia, para não ser linchado, e responde ao inquérito em liberdade, enquadrado como autor de homicídio qualificado, modalidade em que há a intenção de matar. O garoto, juntamente com amigos, teria invadido a propriedade do frânces, onde ele residia com sua família, para, segundo os menores, pegar frutas. 

Mas Jean Marie - cuja propriedade já havia sofrido invasões, ameaças, furtos e um assalto, quando a mulher dele, Benedita, foi espancada por desconhecidos, sofrendo grave concussão por violentas coronhadas que a deixaram com sequelas e problemas neurológicos - pegou uma espingarda e atirou. Ele alega que deu o tiro para o alto, para afugentar os invasores.

Segundo informações divulgadas pelo site Tribuna do Marajó, que ouviu Paulo Ozela e obteve fotos da perícia, a análise científica revela que "é possível calcular a trajetória dos projeteis de formato esférico, de aproximadamente 6 milímetros, disparados com uma arma de calibre 12, através de marcas deixadas no alto de uma das árvores próximas ao local do crime". 

A perícia trabalha com as hipóteses de que uma das esferas resvalou no tronco da árvore, e em seguida atingiu a cabeça de João Paulo. A outra é de que ele estaria no meio da trajetória do tiro, e um dos projeteis o atingiu diretamente, mas para isso, a vítima teria que ter subido no cercado, apoiando-se em uma das estacas que sustentam a estrutura de arame farpado, ação também tida como provável. 

O delegado do município de Gurupá, Geraldo Borges Pimenta Neto, responsável pelo inquérito, informou que o trabalho de perícia criminal atende ao pedido do Ministério Público, feito pelo promotor David Terceiro Nunes Pinheiro, que ainda pede a realização do exame necroscópico no corpo vítima. Nesse caso, o corpo deverá ser exumado. O francês, que responde em liberdade pelos crimes de homicídio doloso qualificado, e porte ilegal de arma, será ouvido novamente pela polícia.

As testemunhas citadas nos autos também serão chmadas para depor, mas as análises de Paulo Ozela podem mudar a qualificação do crime e o curso do processo. O resultado do laudo poderá levar ou não o francês a Júri Popular. O laudo é a prova mais importante do caso. Para juristas, se a análise de Paulo Ozela for aceita pelo juiz, existe a possibilidade de que o crime seja tratado como homicídio culposo, quando não há a intenção de matar. Ficaria apenas inalterada a acusação de porte ilegal de arma. 

O caso foi uma das primeiras postagens do blog Ver-o-Fato nesses seus três primeiros meses de existência e provocou polêmica entre os leitores, alguns defendendo o francês, dizendo que ele agiu corretamente ao defender sua família e sua propriedade, localizada em uma área de preservação ambiental que é ponto de atração turística no município, enquanto outros o atacaram, classificando-o de assassino frio e cruel. 

A casa de Jean Marie hoje se encontra totalmente abandonada. A esposa e uma filha do francês tiveram que também sair de Gurupá, temendo por suas vidas, já que ninguém acreditou na versão do pesquisador de que ele não tinha a intenção de matar e que apenas atirou para o alto, para "espantar" os invasores, temendo que se repetissem fatos que haviam traumatizado a ele e seus familiares.

O laudo do perito Paulo Ozela (cujas fotos, durante a coleta de informações, você vê abaixo) reacende o debate sobre a morte do garoto. A Justiça é quem irá decidir se houve premeditação ou fatalidade.




2 comentários:

  1. Então tá tudo explicado ele nao teve intenção de matar ate porque eke não apertou o gadilho a espingarda disparou sozinha mas tudo ok o seu jean marrie ja pode voltar aqui pra gurupa porque isso não vai ficar assim os piores castigos são os de Deus...

    ResponderExcluir
  2. NAO ESTOU DEFENDENDO NEM ACUSANDO NINGUE MAS EM GURUPA OS FILHOS NAO PARAM EM CASA, E OS PAIS NAO TEM NENHUMA AUTORIDADE, ¨NEM TODOS¨, QUANTAS QUEIXAS TINHA DESSE MENOR NO CONSELHO TUTELAR?

    ResponderExcluir