VER-O-FATO: O SOM QUE ENSURDECEU BELÉM DO PARÁ

terça-feira, 29 de setembro de 2015

O SOM QUE ENSURDECEU BELÉM DO PARÁ

"O pior da bofetada é o som. Se fosse possível uma bofetada muda, não haveria ofensa, nem humilhação, nada. Agressor e vítima poderiam, em seguida, ir tomar cerveja no boteco mais próximo, em festiva confraternização".

O redator do blog lembrou do genial cronista e escritor Nelson Rodrigues, ao presenciar hoje, numa rua do bairro de Canudos, um fato testemunhado por poucas pessoas, no começo da tarde. Uma mulher, furiosa, apoplética, beirando à insanidade, esbofeteou várias vezes um homem, provavelmente marido ou amante que havia pulado a cerca. Ela gritava palavrões cabeludos, enquanto desferia nele seguidas bofetadas.

O homem abaixava a cabeça e o tapa explodia. No meio da cara. E haja força no braço daquela mulher. Embora magra e baixinha, ela caprichava. A mão, aberta, subia e descia. O som da bofetada ecoava pela rua. Quem sabe por todo o bairro de Canudos, por toda a cidade. 

O espancado, pelo que percebi, se deixava bater num misto de gozo e omissão. Não reagia. A mulher poderia até não saber porque estava batendo, mas o cara, com certeza, sabia porque estava apanhando.

Em um barzinho, defronte de onde se desenrolava o acerto de contas, um velhusco contemplava a cena com evidente desdém. Na calçada ao lado, uma senhora que varria o lixo, discretamente, olhava em direção aos dois personagens daquela cena inusitada, soltando um sorriso meio maroto.

Não deu para contar, mas o redator calcula que pelo menos umas dez bofetadas foram desferidas na cara do sujeito pela mulher descontrolada. De tanto bater e repetir seguidas vezes a palavra "safado", a mulher cansou. 

Em seguida, ela foi embora, caminhando em direção ao Terminal Rodoviário, sob sol a pino, enquanto o agredido a olhava de banda. Quem sabe, torcendo para que ela não voltasse e reiniciasse o festival de tabefes.

Se Nelson Rodrigues estivesse vivo, ele provavelmente babaria de prazer ao ver aquela cena. E certamente escreveria um texto primoroso em sua crônica no jornal, que no dia seguinte, daria a seguinte manchete: "As bofetadas que ensurdeceram Belém do Pará".  

2 comentários:

  1. Caro Mendes,

    Impagável essa postagem da bofetada. De fato, um tapa na cara provoca um barulhão danado. Aqui no sul do Pará, é bom não dar tapa na cara de ninguém pois o eco vem quase sempre acompanhado de um ribombar dum treis oitão. Mas o splish splash do Roberto Carlos numa seção de cinema também ficou na memória da jovem guarda. Tá lembrado?
    Abraços,
    Agenor Garcia
    jornalista.

    ResponderExcluir
  2. Caro,

    Isso que li aqui foi magnífico !
    Quem merece um tapa desses é o povo de Curionópolis (PA), para ver o que está errado!

    Saudações

    Flávio Costa

    ResponderExcluir