VER-O-FATO: Tragédia em Gurupá, no Marajó, expulsa ambientalista

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Tragédia em Gurupá, no Marajó, expulsa ambientalista


Sempre brinquei com a presença improvável, como morador com residência fixa, em Gurupá, do antropólogo francês Jean Marie Etienne Royer, de quem me tornei grande amigo. Homem culto, muito afável, gentil e simpático – outras improbabilidades em se tratando de um francês.
Após retornar da França quando a sua esposa, a adorável Benedita, cabocla gurupaense não se adaptara ao clima da costa mediterrânea da região de Marselha, investiu tudo o que tinha comprando uma pequena faixa de floresta dentro da área urbana de Gurupá, e preservando as várias nascentes que ali existiam. Isso o fez tornar-se a única referência em ambientalismo e ecologia naquela região.
Os professores das escolas públicas davam aulas de meio-ambiente e ecologia levando os alunos em passeios ao Sítio Jacupi, nome dado carinhosamente ao local. Qualquer visitante mais refinado que chegasse a Gurupá era levado ao Jacupi, onde se podia ouvir boa música, comer comidas diferentes, e ficar “dentro da natureza”, de molho em igarapés ou no próprio Rio Amazonas.
Mas pessoas com poder político e econômico se incomodavam com o francês: o Sítio Jacupí, com seus mais de 1 milhão de metros quadrados de floresta preservada impedia que a especulação imobiliária se estendesse; tornou-se barreira à devastação das outras áreas mesmo além-Jacupí. 
Vereadores, empresários e outros grupos nada edificantes premiados com verbas para os projetos “Minha Casa Minha Vida” foram “prejudicados”, porque terrenos valiosos, como o próprio Jacupí, não podiam ser devastados. Era necessário expulsar Jean Marie de Gurupá.
Tornou-se diária toda forma de perturbação usando pequenos delinquentes: invasões, ameaças, ofensas, furtos. Até que há 3 anos a esposa Benedita foi assaltada dentro da propriedade. Brutalmente espancada, sofreu grave concussão por violentas coronhadas, que a seqüelaram com problemas neurológicos até hoje.
Ontem, um grupo formado por cerca de 10 adolescentes e adultos invadiram a propriedade e tentaram entrar em sua casa, onde estavam a esposa, uma filha adolescente e outra de 24 anos. Desesperado, Jean Marie atirou pra cima, tentando intimidar os agressores. Um adolescente de 14 anos, que fazia parte da invasão, mas estava oculto em um galho, foi atingido e faleceu.
Os invasores retrocederam, mas retornaram com uma horda que, disposta a matar a família inteira, roubou tudo o que havia na casa e depois ateou fogo, destruindo tudo.
A polícia protegeu a família que se refugiou na delegacia, ameaçada até altas horas da noite de linchamento. O comando da PM enviou reforço de Breves, que os resgatou. No final do dia de hoje, o juiz de direito da Comarca de Gurupá, concedeu liberdade provisória a Jean Marie, que responderá o processo em liberdade.
Então, Gurupá poderá seguir a sua história de devastação sem mais nenhum percalço.
Texto: Ismael Moraes (advogado)

     


                                          Um vídeo do sítio: tudo destruído após morte de menor

23 comentários:

  1. À população da cidade de Gurupá (PA),


    O Museu Paraense Emílio Goeldi consternado com a trágica perda de vida do jovem João Paulo Lima da Silva, 14 anos de idade, e com a violência que eclodiu na cidade, manifesta sua solidariedade às famílias e a toda comunidade atingida por este episódio.

    O Museu Goeldi está no município desde 2013 realizando estudos arqueológicos e ações de educação patrimonial sempre em colaboração com a população e os gestores locais.

    No mês de julho, a equipe de pesquisa esteve concentrada na Reserva Ambiental do Jacupi, que revelou grande potencial histórico. Em agosto, estava prevista mais uma etapa de ação educativa nas escolas e continuidade das escavações no Forte Santo Antônio de Gurupá, que é de grande interesse para turismo e economia municipal.

    Os sítios arqueológicos de Gurupá são importantes porque revelam uma história milenar de presença indígena e de intensos contatos interculturais, com legados de holandeses, portugueses, quilombolas e judeus.

    Pedimos a todos que protejam e não permitam a destruição da Reserva Ambiental do Jacupi, um patrimônio ecológico e cultural da população de Gurupá e de todos os brasileiros.

    Museu Paraense Emílio Goeldi

    ResponderExcluir
  2. Realmente lamentável.

    ResponderExcluir
  3. Tragédias anunciadas, uma pena! A vítima não foi só o adolescente. .

    ResponderExcluir
  4. Vejo a todos como vitimas da total falta de ética e excesso de leniência a que estamos nos acostumando

    ResponderExcluir
  5. Li toda a matéria em um jornal de Belém e a princípio fiquei com muita raiva do gringo. Mas pesquisando mas afundo percebe-se que na verdade ele teve a propriedade invadida e não foi a primeira vez. Quero acreditar que no desespero em se defender ele acabou atingindo a menino, essa segunda hipótese você não consegue ler no noticiário do jornal. Mas minha dúvida é a seguinte: Porque uma área tão grande e de preservação era de um particular? Como ele conseguiu comprar tal área ainda mais sendo um estrangeiro e de quem? Outra, por mais que ele preservasse o local que serve para estudos em diversas áreas e, pelo que li, era alvo de especulações e interesses até políticos, o francês e sua família corriam um grande risco, pois o mesmo não teria condições de manter segurança contínua numa área imensa, concordam? Por as instituições públicas como o museu Emílio Goeldi não fez algum tipo de parceria púbilco/privada para manter aquela área?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O proprio blog Ver-o-Fato respondeu esse questionamento em outra postagem, que explica o erro na divulgação do tamanho da propriedade: http://ver-o-fato.blogspot.com.br/2015/08/o-assassinato-dos-numeros-e-da.html

      Excluir
  6. Obrigado pelas informações seu Carlos André, realmente o que foi divulgado no jornal não condiz com a realidade.

    ResponderExcluir
  7. Sou membro do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Gurupá, lugar do fato e repudiamos vossa matéria por não proceder com a verdade dos fatos. Se realmente o acusado fosse vítima a sociedade não tinha reagido de tal forma e tão pouco o crime repercutido nacionalmente. Formamos a comissão de acompanhamento do caso e não iremos admitir deturparem o ocorrido. O pequeno João Paulo (vítima) não é delinquente, tão pouco bandido. Era um adolescente comum, tem sua dignidade e jamais permitiremos que o poder econômico prevaleça sobre os mais pobres. BUSCAMOS JUSTIÇA!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Me chamo: Erison dos Santos Ramos, morador da cidade de Gurupá. Não tenho o que temer!18 de agosto de 2015 18:06

      Gurupá/Pa

      Excluir
    2. Criminoso é quem invade a propriedade alheia para roubar, não um homem que tenta defender seus bens, sua família, e sua própria vida. BUSCAMOS JUSTIÇA!!!!!

      Excluir
    3. membro do conselho, ou interessado nas terras!!!!!!

      Excluir
    4. Tudo isto é muito absurdo. Triste Amazônia! Sou paraense de Belém, conheço há mais de 20 anos o Jean Marie, sei que é uma pessoa do bem e sei muito bem a índole de determinados indivíduos da minha terra, que ao tentar se 'passar' por defensores da região são realmente uns usurpadores, destruidores da natureza, destruidores do bem estar, destruidores do bem.

      Excluir
    5. quem morra em gurupá sabe a verdadeira historia, o menino que ele atirou era especial é nem estava em sua própriedade com ele afirmou, o garoto era vizinho dele, esse monstro como é conhecido aqui nosso municipio arastou o corpo do falecido para sua propriedade pra dizer que foi em legitima defesa, eram duas criança brincando ao lado da cerca que dividia o terreino. e outra coisa o poder politico da época o apoiava em tudo.

      Excluir
  8. E porque anônimo , senhor membro do Conselho? Está com medo do quê exatamente?

    ResponderExcluir
  9. Errado quem invade .... Os que só visam seus interesse s e não o da comunidade .... Lamentável a morte, mas quem mandou ele ir lá.... Quem procura acha.... O francês está defendendo sua família.... Azar do adolescente....

    ResponderExcluir
  10. Vamos lutar pela reserva

    ResponderExcluir
  11. BRASIL!!!!!!!!! QUEM CUIDA PRESERVA A NOSSA NATUREZA, CORRE RISCO DE VIDA !!!!!! TEM QUE SAIR COM DO QUE É SEU?????

    POLÍTICOS, EMPRESÁRIOS , SAFADOS QUE DEVERIA CUIDAR DO NOSSO PAÍS DAS NOSSAS RESERVAS, VIRA AS COSTAS .

    PALHAÇA DE BRASIL QUE PAÍS É ESSE!!!!!!

    CORRETO POR QUESTÕES POLÍTICAS ATEAR FOGO NO QUE NÃO É SEU?????

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ha entao mata um inocente e o certo entao? Se fosse ele tinha sido era queimado vivo mas ja ta tudo bem ele ja pode volta pra ca

      Excluir
  12. VAMOS PEDIR INTERVENÇÃO FEDERAL PARA A PRESERVAÇÃO

    ResponderExcluir
  13. A cidade de Gurupá e uma cidade boa de se viver, no entanto existem pessoas no poder , que mandam e desmandam e não se preocupam em querer o bem do município...porem de um, lado perdemos uma vida o que e mais importante !!! fica a dica para os governantes deste Município , vereadores que são comprados e não fazem nada ...pro bem estar de quem mora la...de outro o Prefeito que e gente boa ...mas seus assessores, secretários , só fazem coisas que auto se beneficiam !!! Ufa ...e triste ver a policia sem ter o que fazer neste caso, poucos policiais tanto civil quanto militar ....pra uma população que vem crescendo dia apos dia !!! a vida no interior do estado do Pará e assim , dente por dente , olho por olho !!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  14. Pura cooptação de malfeitores, inclusive de menores, com segmentos das elites locais/regionais! Lamentável! E uma perda para toda a Amazônia; oxalá a família atacada consiga se recuperar; meus pêsames pela morte do jovem, e que sirva de reflexão para os pais do município e da região!

    ResponderExcluir
  15. De qualquer forma a conduta de quem destruiu a propriedade é vergonhosa e mais absurdo ainda é quem defende isso. Afinal aquem cabe a justiça? Ao Estado ou à população?

    ResponderExcluir
  16. advogado e pago pra mentir mesmo mas voce ja esta exagerando todos sabem da verdade mas o mundo gira e ate as pedras podem se encontra

    ResponderExcluir