quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Operação contra fraudes no Detran do Pará prende 9. Nome de cego foi usado para tirar carteira

“Quem mora em Porto Alegre pode comprar uma carteira de habilitação no Pará sem colocar os pés aqui” disse uma fonte policial durante operação que apura fraudes na emissão de carteiras de habilitação pelo Detran do Pará em oito municípios do sul, sudeste e leste paraense. A "Operação Galesia", que tem caráter nacional, cumpre no sul paraense 26 mandados de prisão temporária, mas até agora somente nove pessoas foram presas, incluindo um diretor do Detran cujo nome ainda não foi revelado.

Outro diretor, já demitido do cargo, seria preso, mas fugiu antes da chegada dos agentes da Polícia Civil, que participaram da operação, dando suporte ao trabalho do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Pará. O promotor de Justiça Harisson Bezerra, que participou da operação, juntamente com os promotores Ítalo Costa Dias e Ramon Furtado Santos, disse que a organização criminosa atuava não somente no Estado do Pará, mas possui tentáculos em outras unidades da federação. 

"Esse esquema criminoso coloca em risco a sociedade com a emissão de CNH sem nenhum critério. E nisso o Ministério Público tem que estar atento para zelar pela segurança da população”, disse Bezerra. Para o promotor de Justiça de Xinguara, Ramon Furtado, a operação "foi um sucesso". 

Essa é somente um primeira fase, pois haverá outras até que todos os mandados de prisão sejam cumpridos. "É resultado de um trabalho de vários meses de investigação e o Ministério Público do Estado do Pará participou das investigações desde o início”, resumiu Furtado. Os mandados envolvem diretores, servidores e proprietários de autoescolas. 

Na casa de um servidor em Redenção foram apreendidos R$180 mil reais em espécie. A investigação confirma que o esquema criminoso montado banalizava a expedição de CNH. Qualquer pessoa comprava o documento, tanto que foram expedidas carteiras para pessoas com deficiência visual e analfabetas. Uma das carteiras fraudulentas foi emitida em nome de uma pessoa cega, para dirigir caminhão.

Os alvos das buscas e prisões foram concentrados nos polos dos municípios de Redenção e Conceição do Araguaia com desmembramento nas cidades de Santana do Araguaia, Xinguara, Tucumã, Ourilândia do Norte, São Felix do Xingu e Paragominas. Da operação participam os delegados Antonio Miranda, Silvio Maues e o presidente do Detran Nilton Atayde, além do próprio  delegado-geral da Policia Civil, Rilmar Firmino.
 
Fontes: MP Pará, Gaeco e Polícia Civil.
 

                 Foram R$ 180 mil encontrados na casa de um servidor do Detran
       Os policiais efetuaram 9 prisões de 26 mandados a cumprir.
 
 Muitos documentos foram apreendidos em casas de diretores e serão periciados. 

Um comentário: