VER-O-FATO: Ministério Público quer saber real situação da Unimed Belém

quinta-feira, 6 de agosto de 2015

Ministério Público quer saber real situação da Unimed Belém

Uma reunião realizada hoje, na Promotoria de Justiça de Defesa do Consumidor da Capital, discutiu os problemas enfrentados pela Unimed Belém e o processo de direção fiscal instaurado pela Agência Nacional de Saúde (ANS). O Sindmepa solicitou a reunião ao MP preocupado não só com os cerca de 1.800 cooperados, mas com os funcionários, que chegam a 1.300 e os cerca de 350 mil clientes da empresa, disse o diretor do sindicato, João Gouveia, que participou da reunião.

A Unimed é uma empresa de utilidade pública. Queremos tentar mostrar uma outra solução para a recuperação financeira da empresa sem onerar os cooperados, que já estão há mais de cinco anos sem reajuste em consultas e procedimentos.

Questionamos porque uma empresa que vem apresentando uma ampla recuperação financeira, pois apresentou uma margem de insolvência em setembro de 2014 de R$ 230 milhões e em julho de 2015 apresentou margem de insolvência de R$ 100 milhões, apresentando portanto recuperação de R$ 130 milhões.

Para recuperar a empresa, a Unimed apresentou um aporte de recursos considerável onde cada cooperado entrará com um montante de R$ 2.100 durante um período de nove meses. “Achamos que a reunião foi positiva e que a situação pode se reverter sem penalizar ainda mais os cooperados e usuários da Unimed Belém”, analisou João Gouveia.

O presidente da Unimed, Wilson Niwa, informou que foi aprovado em Assembleia Geral da Unimed um plano “para reverter a anormalidade econômico-financeira da cooperativa” e que após a decisão da Assembleia em que os cooperados concordaram com um aporte financeiro de R$ 18.900 por cooperado, a ANS se comprometeu a decretar nova direção fiscal para a cooperativa, que apresentará um novo plano de saneamento com o prazo de 18 meses.

O representante da Agência Nacional de Saúde, Thiago Pantoja da Silva, disse apenas que a ANS está cumprindo a legislação sobre o assunto. A promotora Joana Coutinho exigiu que a ANS apresentasse num prazo de 15 dias a situação real da empresa por meio de documentação contábil.

Além de João Gouveia, participaram da reunião pelo Sindmepa os diretores Waldir Cardoso, Lafayette Monteiro, Erivaldo Pereira e a médica Verônica Costa. Participaram ainda, pelo Procon, Ellen Barbosa e Moisés Bendahan.

Fonte: Sindicato dos Médicos do Pará (Sindmepa)


Nenhum comentário:

Postar um comentário