domingo, 2 de agosto de 2015

Dudu ameaça voltar. E Zenaldo dá força


“O povo está com saudades de mim e estou voltando”. A frase tem sido dita a amigos por ninguém menos que Duciomar Costa, tido por boa parte da população – a que não o suporta, obviamente – como o pior prefeito que Belém já teve em 400 anos, um título que o sucessor dele, o atual alcaide Zenaldo Coutinho, persegue com obstinada vontade, tamanha a ausência de obras para chamar de suas.

Do alto da montanha de encrencas judiciais a que responde, com 42 processos nas áreas do judiciário federal e estadual, Duciomar se anima a voltar e lançar sua candidatura a prefeito por dois motivos. Primeiro, aposta na memória curta do povo, que o carregou nos ombros em duas eleições, embora tenha deixado o poder quase apedrejado pelos mesmos que o idolatravam. O estado de abandono em que deixou a cidade, suja, esburacada e com trânsito caótico, foi a causa da derrota fragorosa em 2012 de seu vice, Anivaldo Vale.

O segundo motivo, quem dá a Duciomar é o próprio Zenaldo Coutinho, que se elegeu sob a promessa de cuidar dos três esses cujas ausências provocaram a derrota do candidato de Dudu: Segurança, Saúde e Saneamento. Caminhando para o final de seu terceiro ano de governo, Zenaldo conseguiu o que parecia improvável, isto é, fazer parte da população sentir saudades de Dudu. 

A ausência de obras – à exceção do BRT da Augusto Montenegro, que finalmente saiu do papel, mas se arrasta com incrível parcimônia – torna acirrada a briga entre o ex e o atual pelo título de pior prefeito.

Belém não merece isso, ainda mais agora, perto de completar quatro séculos de existência. Essa culpa, justiça seja feita, é do próprio eleitorado, que se deixa enganar pelo marketing eleitoral e opta menos ruim, o que lhe vende melhores promessas e ilusões.

Duciomar está voltando. O diabo é quem duvida se ele não vier novamente com o apoio do governador Simão Jatene.

Ao eleitor, os pêsames.


Nenhum comentário:

Postar um comentário