VER-O-FATO: A morte não tira férias

quarta-feira, 22 de julho de 2015

A morte não tira férias




Ainda não dá para comemorar nada, mas a Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup) cortou um bolinho e soprou velinhas para nova estatística – mais uma, entre panos quentes e ducha de água fria – sobre a criminalidade no Pará, inquestionavelmente uma das mais altas do país.
Pelos números da Segup, Abaetetuba, Capanema e Paragominas reduziram, respectivamente, os casos de latrocínio ( assalto seguido de morte) em 71,42%, 50% e 50%. No homicídio, a redução foi de 31,25% em Tucuruí, 27% em Breves e 23,23% em São Félix do Xingu. Em Redenção a queda foi de 20,96% e em Paragominas, de 14,49%.
“Outra região que reduziu os casos de homicídios foi o Capim, que tem Paragominas como polo e reúne municípios como Dom Eliseu e Ulianópolis. De maio para junho as ações das polícias possibilitou a diminuição de 14 para seis mortes, em todo o semestre deste ano”, sustenta a Segup.
Quanto a Belém e Região Metropolitana, nem é bom falar. Aliás, a própria Segup sequer tem o que dizer.
Só se ouve, na região em que vivem cerca de 2,5 milhões de almas, os gritos das vitimas, clamando por investigações e justiça.
A morte, como se sabe, não tira férias.

Nenhum comentário:

Postar um comentário