quinta-feira, 19 de julho de 2018

Blogueiro Diógenes Brandão e suas polêmicas, esta noite no Linha de Tiro, ao vivo. Vai perder esta?

Diógenes Brandão promete revelações sobre a política
 
Sempre polêmico e voltado para as discussões dos grandes temas regionais, o programa "Linha de Tiro" desta quinta-feira terá como convidado o blogueiro e consultor em inteligência digital, Diógenes Brandão, autor do blogue "As Falas da Pólis".
 
Ao vivo, pelas plataformas do Facebook, Youtube, Instagram e na página do blogue Ver-o-Fato, o programa com Diógenes Brandão, de 20h00 às 21h00, terá como entrevistador o antropólogo da Universidade Federal do Pará (UFPA), Alexandre Cunha. Na mediação, o jornalista Carlos Mendes.

A entrevista abordará temas livres, como o ativismo nos blogs, mídias sociais, a reta final da pré-campanha eleitoral, a situação dos candidatos para as eleições 2018, as chances de cada um, o descrédito da população nos políticos. 
 
Também as tretas entre os concorrentes ao governo, Senado, Alepa, Câmara dos Deputados, quem apoia quem, quem traiu quem, ficha limpa e ficha suja. O Pará muda pra melhor ou piora? Muitos assuntos e mais as perguntas dos internautas, sempre imprevisíveis.

Os links para assistir e participar do programa são os seguintes:

https://www.facebook.com/verofatonoticias/

www.ver-o-fato.com.br

https://www.youtube.com/channel/UC-54N_aJhLmeQq2vtalmi2Q?view_as=subscriber

Corrupção varre Canaã dos Carajas: butique de carne e mercearias faturam R$ 20 milhões


Uma rede criminosa formada para desviar recurso público começa a ser desmontada em Canaã dos Carajás. Essa “associação criminosa” no governo do prefeito Jeová Andrade, segundo as investigações realizadas pela Polícia Civil, já teria causado um rombo nos cofres públicos de mais R$ 20 milhões.

quarta-feira, 18 de julho de 2018

Exclusivo: desembargadora aposentada perde habeas-corpus para trancar processo por corrupção

Desembargador Leonam Cruz: "não havia sustentação legal no pedido"


O desembargador Leonam Cruz, do Tribunal de Justiça do Pará, negou hoje pedido de habeas-corpus em favor da desembargadora aposentada Marneide Merabet, que queria trancar uma ação penal contra ela, por corrupção passiva, em andamento na 9ª Vara Criminal de Belém e cujo titular é o juiz Marcus Alan Gomes.

O PSD pega fogo no Pará e racha: maioria rejeita Helder e define apoio a Márcio Miranda

O partido, reunido ontem em Belém, por ampla maioria tomou a decisão

A passagem do deputado Jair Bolsonaro por Marabá e Parauapebas deixou faíscas próximas de um barril de pólvora. Na iminência da explosão, já rachado, está o Partido Social Democrático (PSD). Enquanto a maioria, após reunião em Belém, fechou apoio ao pré-candidato Márcio Miranda (DEM), outra parte do PSD, que tem o deputado federal Eder Mauro e o ex-vice governador Helenilson Pontes, definiu-se por subir no palanque e abraçar a campanha do pré-candidato, Helder Barbalho (MDB).

terça-feira, 17 de julho de 2018

Ladrão rouba o Pará, mas deixa esmola. E aí, é pra denunciar ou agradecer?


"O Liberal" até deu manchete entusiasmada. O "Diário", jogou no canto da capa


Carlos Mendes

O ladrão entra na tua casa, rouba o que é teu, mas é flagrado. Na saída, você percebe que ele levou coisas de valor, digamos, avaliadas em R$ 50 mil. Você grita, esperneia, faz alarde, e o ladrão, "bonzinho", puxa R$ 1 mil do bolso e te dá.

E justifica: "pega aí, é pelo teu prejuízo. E não reclama, porque senão levo tudo e ainda te encho de porrada". Você fica agradecido, acreditando que ainda existe "bom ladrão" no mundo. É caso de polícia, mas você está muito comovido, embora não convencido, e prefere não denunciar o ladrão.

A cruz do estagiário



Segundo a cartilha da AGU, são agentes públicos os agentes políticos como presidente da República, governadores, prefeitos, etc.

Também se enquadram na bendita cartilha os servidores efetivos e comissionados, empregados sujeitos ao regime celetista ou estatutário, prestadores de serviço para a atividade pública, estagiários, terceirizados, gestores e permissionários de serviço público.

Gravador eleitoral


O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) está de olho e quer impedir que a máquina pública seja usada a favor de alguém que já está no poder ou é apoiado por algum poderoso.